Super Mario Land

Assim como todos os os console da Nintendo na época (e um ano depois o próprio Super Famicom), o Game Boy recebeu um jogo estrelado pelo Mario em seu lançamento. É bem verdade que o grande astro do pequeno portátil em 1989 seria Tetris, mas a primeira aventura do mascote da empresa no portátil monocromático não deixou a desejar.

Super Mario Land segue a fórmula dos primeiros jogos do Game Boy: Uma aventura que tenta replicar a jogabilidade e estrutura dos seus antecessores do NES, adicionando algum elemento novo mas perdendo na quantidade de conteúdo oferecido. De forma geral, os controles e poderes continuam os mesmos. Mario pode correr, saltar, crescer e atirar bolas de fogo. A única novidade neste quesito fica que estas últimas podem ricochetear em paredes, criando um elemento estratégico para quebrar certos blocos, que foram utilizados de formas criativas e únicas ao redor das fases.

A estética é uma novidade também. Mesmo sendo exibido em uma tela preto-e-branca, Super Mario Land se esforça para mostrar um mundo novo, conhecido como Sarasaland. Sair do Mushroom Kingdom permitiu que os designers criassem fases que se passam em pirâmides e algo que remete à Rapa Nui, por exemplo, enquanto que há um novo leque de inimigos que são totalmente diferente dos Goombas e Troopas da aventura de 1986. Ao final de cada fase é possível iniciar um minigame que garante vidas e itens, e ao final de cada mundo lutamos contra um chefe diferente. Existem até mesmo duas fases de tiro, uma novidade nunca mais replicada em jogos 2D da série.

As fases de tiro.

A grande diferença aqui fica pela quantidade de conteúdo. Mesmo tendo chefes únicos para cada mundo e fases de tiro, Super Mario Land possui apenas 12 fases no total, dividias em 4 mundos. Comparado com as 32 fases e 8 mundos do Super Mario Bros., o pacote parece fraco. É possível terminar o jogo tranquilamente em 20 a 30 minutos. Eu não como poderia ser mais, afinal estamos falando de um jogo portátil numa época em que a memória desses cartuchos era muito limitada. O lado bom disso é que o jogador é conduzido a jogar a aventura várias vezes para melhorar o placar final, que pela primeira vez é relevante dentro de um jogo da série.

Algumas das coisas bizarras do jogo (por brawlinthefamily.com)

Por fim, vemos que o Game Boy caminhou um grande trajeto. Super Mario Land é um título que procura inovar de forma sutil dentro da série, ao mesmo tempo que se propõe a ser simples, rápido e divertido. Mesmo ofuscado pelo lançamento de Super Mario Bros. 3, Land continua único até hoje.