Mudanças do amanhã:
As Tendências da Hyper Island

A Hyper Island é um centro de ensino que, segundo seu site, projeta “experiências de aprendizado que desafiam companhias e indivíduos a crescerem e se manterem competitivos num mundo cada vez mais digitalizado”. A escola foi fundada na Suécia e hoje conta com operações em diversos países do mundo, tendo inclusive realizado 2 Master Classes em São Paulo em 2014.

Em parceria com profissionais de renome de áreas diversas eles identificam e mapeiam tendências que podem impactar nossa maneira de viver na sociedade em fluxo, onde mudanças acontecem o tempo todo e criam um ambiente desafiador e cheio de oportunidades.


As tendências são organizadas em comportamentais, talentos, negócios e tecnologias e aqui eu as traduzo incluindo imagens ou vídeos como exemplos. Confira as originais em http://changes-of-tomorrow.hyperisland.com/ para ter acesso à leitura complementares e conhecer as empresas pioneiras de cada uma delas.

Tendências Comportamentais

1. Redes estão ganhando escala (e poder) sem precedentes.

Ser parte de uma tribo atende a nossa profunda necessidade de pertencimento. Sentimo-nos seguros em grupo, onde podemos proteger uns aos outros, colaborando e construir culturas com pessoas semelhantes. Agora mais do que nunca, as tribos, comunidades e grupos não estão mais limitados pela proximidade física. Temos o poder para sustentar múltiplas identidades, se conectando simultaneamente a diferentes grupos que pensam como nós. Cada um de nós cultiva sua própria rede de redes que podemos alavancar sem esforço. Para alguns, isso vem fácil, mas para outros não. Como podemos criar ou se envolver com novas redes? Existe espaço para os rebeldes e as vozes solitárias neste futuro coletivista? Como podemos aproveitar o poder das redes para fazer grandes trabalhos e o bem?

Como indivíduos e empresas, geralmente somos super-protetores das nossas redes imediatas, e gostaríamos de permanecer em nossas zonas de conforto social. Envolver-se com novas redes e colaborar criará resiliência e vai ajudá-lo a se adaptar. Quais são as redes que você pode se envolver para crescer como indivíduo ou empresa? Pense sobre o que você pode trazer para a rede, bem como tirar dela. Agora dê o primeiro passo: fale com alguém novo amanhã.

Pioneiros: Reddit, 4Chan, Diaspora e QQ Zone

2. Crescimento da economia colaborativa

Com os serviços disruptivos como Airbnb (listagem de quartos) & Uber (compartilhamento de carros), atingindo um patamar crucial, os consumidores estão se abrindo para idéias compartilhadas de propriedade. A economia colaborativa em essência representa uma descentralização das posses e habilidades. Por que ter algo se você pode compartilhar o fardo e o custo, redirecionando o dinheiro e tempo salvos? Por que não usar uma rede de habilidades para atender suas necessidades individuais? Se você pensar no fator de menor impacto ambiental, não é de se admirar que as pessoas estejam escolhendo isso sobre formas tradicionais de propriedade. Bem-vindo à economia colaborativa. Nenhuma empresa está a salvo.

Os bens ou serviços que sua empresa oferece são valorizados pelos seus clientes. Mas o que aconteceria se de repente eles parassem de comprar e começassem a compartilhar? Como você pode antecipar essa mudança, abraçar isso, e fornecer valor de uma forma mais sustentável?

Pioneiros: TaskRabbit, Udemy, Zopa, TaskRabbit, StreetBank.

3. Nossas percepções de privacidade estão se transformando

Compartilhamos mais do que nunca, e os serviços que nos convidam a fazê-lo continuam se multiplicando. Empresas que se baseiam em dados tornam nossa vida mais fácil, acompanhando o nosso comportamento on-line e adequando as suas aplicações para as nossas necessidades. Mas há muitas vozes de oposição contra essa tendência; pessoas que querem reduzir os poderes de empresas e governos a usar os nossos dados privados para seus meios. O debate público continua após os vazamentos da NSA de 2013, e quase não se passa uma semana sem novos notícias envolvendo dados on-line ou privacidade. Será que vamos continuar a abrir mão de nossos dados em troca de serviços gratuitos? Como acontecerá que a mudança de atitudes em relação a privacidade na maneira em que a sociedade se torna mais aberta e social?

Tome um momento para pensar em todos os aplicativos e serviços que você usa em uma base diária. Quantos deles são gratuitos? Quantos são usados ​​para transmitir seus pensamentos, sentimentos e atividades para que todos possam ver? A coleta e uso de dados pessoais é uma questão moral, bem como legal. Decida onde você e sua organização se posicionam.

Pioneiros: Blackphone, Tor, Art Project, Pipl

4. A marca pessoal está se transformando em universal

Nós muitas vezes interagimos e colaboramos com as pessoas on-line antes de conhecê-las pessoalmente. É fato que os potenciais empregadores e seu encontro às cegas fará uma pesquisa no Google sobre o seu nome antes que você tenham se cumprimentado ou trocado 3 beijinhos. Esses são sinais claros para a importância da elaboração de uma marca pessoal digital. Pense nisso, você não gostaria de estragar a primeira impressão antes de ter a chance de realmente fazer isso, certo? O que antes era exclusivo para freelancers e consultores, ter uma identidade on-line bem trabalhada e mantida, está rapidamente se tornando um imperativo para todos.

Suas pegadas digitais são os traços que você deixa para trás ao se mover através da Internet. Muitas vezes, é difícil saber quais são. Ative o “modo de privacidade” no seu navegador e procurar seu próprio nome no Google. O que surgiu? É isso que você quer que as pessoas vejam primeiro? Você pode assumir o controle de sua pegada digital.

About.Me e Medium são pioneiros dessa tendência.

5. A vida permanentemente conectada está aqui para ficar

Seu celular é a primeira coisa que você vê ao acordar e a última coisa que você vê à noite. Na maneira que os dispositivos convergem a outrora clara distinção entre on-line e off-line fica confusa, torna-se cada vez mais fácil se conectar com seus entes queridos e colegas através das distâncias. Tome um momento para pensar sobre o quão incrível isso é. Mas para alguns isso é demais; e a ascensão do “detox digital” mostra como muitas pessoas acham difícil encontrar um equilíbrio em sua vida diária. Para melhor ou pior, a vida permanentemente conectada está aqui para ficar, e a responsabilidade recai sobre nós para enfrentar os desafios e encontrar esse equilíbrio. Mas como isso é feito?

É fácil perder tempo com as mídias sociais, feeds de notícias e ferramentas de trabalho. Tire algum tempo para refletir sobre o seu envolvimento com os dispositivos. Como você gostaria que fosse? Quais são os aplicativos que você realmente gosta de usar? Quais são as coisas que você quer encontrar tempo para? Seja mais consciente do seu consumo digital. Assuma o controle de sua vida ligado.

Pioneiros: Headspace, RescueTime, Anti-Social, Freedom.

6. A curiosidade triunfa sobre o conhecimento

“Google antes de falar” é o novo “Pense antes de falar.” Nós já não estamos vinculados aos limites de nossas próprias perspectivas, ou pelo conhecimento adquirido na escola; ao invés disso, toda a informação do mundo está ao nosso alcance, esperando para ser consumida. As habilidades que precisamos para navegar por essa massa de dados são únicas; ao invés de aprender coisas para o caso de precisarmos delas no futuro, pesquisamos, filtramos e aprendemos em tempo real. A curiosidade é rei, e a rede é o todo-poderoso.

Nós os desafiamos a ser curioso. O que é aquela coisa que você sempre queria saber? O conhecimento que lhe falta ou a habilidade que você nunca dominou? Coloque algumas horas de lado, talvez em uma tarde preguiçosa de domingo, e Google isso. Delicie-se fazendo sua curiosidade crescer. Se gostar, faça de novo, em seguida, e de novo, e de novo, até você aprender tudo o que puder. Em seguida, escolha algo mais. Aprender é um processo pra vida toda, e o constantemente curioso nunca para de aprender.

Pioneiros: TED, Youtube Tutorials, No Excuse ListQuora.

Tendências de talentos

1. Demanda por designers que se baseiam em dados

Com os fluxos de dados aumentando de volume e disposição, não há mais desculpas para continuar confiando apenas na intuição ao projetar soluções para os problemas. Dados e design estão rapidamente se tornando mais interligados, e há uma crescente demanda nas indústrias digitais para designers que possam interpretar os dados para entender o comportamento humano, e usar esse conhecimento para promover a tomada de decisão. Big e small data estão aqui para ficar, e aqueles que são capazes de manejá-los efetivamente terão uma enorme vantagem sobre seus concorrentes.

Pense nas vezes em que você fez compras on-line e foi surpreendidos com a falta de personalização. Você é um dos muitos que esperam serviços mais inteligentes e personalizados, orientados em dados? Onde as empresas estão decepcionando as expectativas dos consumidores? O problema é você ou seus clientes?

Pioneiros: Zapier. Mixpanel, Quantcast, Google Adwords.

2. Evolução dos “híbridos”

Há uma nova classe de talentos infiltrando-se no mercado: são os híbridos. Eles se recusam a ser presos a funções específicas, muitas vezes chegando com cargos curiosos como “estrategista criativo” ou “Experience Designer ‘. Esta classe de talento é uma mistura de generalista e de especialista, que a empresa de design IDEO chama de pessoas T-Shaped. Imagine que a barra vertical do “T” representa a profundidade de experiência em um único campo, e a barra horizontal representa uma amplitude de conhecimento sobre uma gama de campos. Eles são soberbos colaborativos e comunicadores através das disciplinas.

Títulos pomposos ou não, a rápida mudança na indústria leva a um aumento da demanda por profissionais com um conjunto híbrido de habilidades flexíveis. Pegue um pedaço de papel e desenhe o seu próprio “T”. Quão profunda é a sua especialidade e quão amplo são suas habilidades generalistas? Olhe para as habilidades adjacentes à sua especialização que você poderia aprofundar, para colaborar de forma mais eficaz com seus colegas.

Pioneiros: Ideo, General Assembly, Valve.

3. Os mais procurados de amanhã

A Hyper Island recentemente entrevistou mais de 500 líderes e profissionais da indústria em todo o mundo sobre seus desafios de negócios futuros, tendências e necessidades de competências. O que descobriu pode levar algumas organizações a repensar as estratégias de talentos a partir do zero. Todos os entrevistados concordaram que o alinhamento pessoal e cultural são os fatores mais importantes quando se trata dos trabalhadores mais procurados de amanhã, e não suas habilidades. Surpreendido? Claro que habilidades continuam a ser cruciais para produzir trabalho de alta qualidade, mas a flexibilidade, a criatividade, a unidade, e a tomada de decisão baseada em valor são mais importantes. Você sabe como encontrar as pessoas certas?

Dê uma olhada em suas práticas de recrutamento. Quão bem elas foram projetadas para atrair e filtrar os melhores talentos? Considere fazer as coisas de forma diferente, se afastando do CV, entrevista, e modelo de estágio tradicionais. Como você gostaria de demonstrar suas habilidades e personalidade, se você estivesse se candidatando?

Pioneiros: Homerun e Unicorn Hunt.

Tendências de negócios

1. A escalada de organizações baseadas em propósito

Uma nova era no mundo dos negócios está amanhecendo, e “propósito” é o que vai definir as organizações bem sucedidas. Na medida em que usuários, consumidores e cidadãos aprendem a se envolver e dar feedback, como nunca antes, é claro que eles esperam cada vez mais que seus produtos e serviços expressem um conjunto de valores e propósito claro. Mais e mais pessoas estão optando por comprar, participar e se envolver quando reconhecem que uma empresa ou marca é impulsionado por um propósito que ressoa com eles. Um forte senso de propósito serve para impulsionar a confiança interna e externamente, dando uma vantagem competitiva em si. Como um líder sobre o tema diz, “as pessoas não compram o que você faz, eles compram por que você faz.”

Qual é o seu propósito? Reflita individualmente ou com um amigo / colega. Pense sobre o que te faz feliz, o que lhe dá energia, e como você pode preencher sua vida com essas coisas. Agora pense sobre o que te deixa triste, o que suga a sua energia, e como você pode evitar essas coisas. Defina seu objetivo em uma declaração escrita.

Pioneiros: Unltd, Wholefoods, Gamechangers, Imperative.

2. Sobrevivência do mais rápido

Rapidez e agilidade são duas qualidades importantes, mas frequentemente subestimada. Há uma razão pela qual disrupção muitas vezes surge de startups ágeis, em vez de seus rivais mais poderoso, estabelecidos e ricos. Grandes empresas têm milhares de pessoas e vários níveis de processos burocráticos que muitas vezes diluem ou matam ideias inovadoras. Uma pequena empresa, por outro lado, tem apenas algumas pessoas altamente focados em resolver menos problemas, e pode chegar mais facilmente a um consenso sobre como proceder. Em casos como este, desenvoltura triunfa sobre recursos; David bate Golias. Que tipo de organização você está comandando?

Em toda organização existem barreiras para a tomada de decisão rápida e produção ágil. Em sua equipe coloque algum tempo de lado para olhar sobre um projeto recente. O que correu bem? O que você poderia ter feito diferente? Onde estavam os bloqueios, os caminhos, as partes mais lentas? Discuta como você pode mudar seus processos de trabalho para ficar mais rápido.

Pioneiros: Zenefits, Google, Amazon, Thumbtack.

3. Transparência direciona a cultura

A confiança é uma moeda de alto valor. Ela pode ser a chave para relacionamentos bem sucedidos em todos os níveis de uma organização. Então, surge a pergunta: como é que você faz crescer a confiança em uma organização? O aumento da transparência é certamente uma maneira, mas existe tal coisa como transparência demais? Algumas empresas, como a Buffer, têm tido uma abordagem radical para a transparência, publicando tudo, de sua cultura interna à forma como os salários de seus funcionários são estruturados. Total transparência pode não ser pra todo mundo, mas em um mundo onde muita informação está amplamente disponível e com fácil acesso, uma iniciativa em direção a abertura pode apenas trabalhar a seu favor.

Transparência e abertura podem ser intimidantes, mas as veja como ferramentas de negócios. Aumento da confiança leva a melhores relações de trabalho, o que significa menos conflitos destrutivos e mais oportunidades através da colaboração. Tome um momento para pensar sobre uma coisa que você não tenha sido transparente sobre no trabalho. Por que você guardou para si mesmo? O que assusta você sobre isso? Qual a pior coisa que poderia acontecer? Como você pode ser mais aberto no futuro?

Pioneiros: Slack, Asana, Google Moderator.

4. Apenas faça (agile, enxuta, beta constante)

Quantas vezes você já viu projetos promissores perderem força depois de serem desnecessariamente atolados por processos e políticas corporativas? Parece contra-intuitivo, mas a verdadeira inovação prospera na confusão, não na ordem. A melhor maneira de promover um ambiente de inovação rápida é imbutir a filosofia “Just Do It” em sua cultura da empresa. Seja em metodologias ágeis ou enxutas, ou em uma abordagem geral de prototipagem, a chave é capacitar a equipe para começar pequeno, construir e seguir testando. A questão permanece: você está aproveitando todo o potencial das capacidades de seus funcionários agora?

Falamos de fazer as coisas de forma diferente, mas raramente seguir adiante. O que é essa coisa que você está falando em fazer há anos, mas nunca tentou Entendeu? Agora abra o seu calendário e defina uma data pra ter isso feito. Faça uma lista das coisas que você precisa comprar, encontrar, aprender, ouf considerar antes disso. Faça elas. Faça-as agora. Não há tempo como o presente.

Pioneiros: Spotify, UsTwo, Responsive.

5. A arte de atrair talentos

Contratar e reter os melhores talentos está mais difícil do que nunca. Seu objetivo é fazer um grande trabalho, e para isso você precisa das melhores pessoas e você precisa mantê-las desafiadas e felizes. Com isso em mente, talvez seja hora de considerar a busca de integração vida/trabalho, ao invés do equilíbrio vida/trabalho. Google é frequentemente citado como um dos melhores lugares para se trabalhar por causa de sua longa lista de vantagens que vão desde a limpeza a seco, academia e comida gourmet. A maioria das empresas não são capazes de replicar isto, mas as possibilidades para atrair novos talentos com uma oferta atraente, que vá além do salário-base são infinitas. Quer se trate de horários flexíveis de trabalho, programas sabáticos, ou uma missão claramente definida; vale a pena revisar políticas corporativas arcaicas para atender às necessidades das pessoas de hoje. O que você está esperando?

As pessoas não querem apenas coisas de graça, eles também querem se sentir completas no trabalho. Para se realizarem elas precisam de um sentido de autonomia, de domínio, e de propósito. Você abre espaço para isso em sua empresa? Todos estão trabalhando em projetos que inspiram paixão? Como você pode ajustar a sua estrutura, processos de trabalho e estratégia de negócios para fazer isso?

Pioneiros: Percolate, Netflix,UnderCurrent.

Tendências tecnológicas

1. O movimento de alfabetização de código

Quando o prefeito de Nova York se comprometeu através do Twitter, junto com milhares de outras pessoas, para aprender a programar, ele sinalizou a chegada mainstream do movimento ‘Aprenda código’ . Essa mudança no zeitgeist causou uma onda de iniciativas e negócios: a partir de campanhas populares de habilidades de programação antecipada para as crianças, para um boom de startups Ed-tech que oferecem cursos online gratuitos de renomadas universidades. Para se mover rapidamente em um mundo onde tudo é digital e conectado, a capacidade de fazer e manipular as coisas digitais é cada vez mais essencial. Já não é o suficiente ter habilidades decentes no pacote Office e uma voz educada ao telefone; as ferramentas de comunicação e criação mudaram, e precisamos acompanhar.

Nem todos nós precisamos aprender como programar, mas podemos nos beneficiar ao adquirir uma compreensão básica de como as tecnologias digitais trabalham ao aprender o vocabulário que vai junto com isso. O HTML de nível iniciante e as aulas de CSS da Codeacademy levam apenas 7 horas para serem concluídos. Reserve um tempinho semanal para isso. Em seguida, desafie-se a falar com alguns desenvolvedores. Peça-lhes para explicar o que eles estão fazendo, e por quê. Seja curioso.

Pioneiros: Kano, Raspberry Pi, Code Academy e Webmaker.

2. Explosão de moedas digitais

A crise financeira, causada em parte por corretores irresponsáveis ​​e instrumentos financeiros complicados levou a um momento de baixa na confiança do atual sistema financeiro global. No meio do caos, emergiram as crypto moedas, com Bitcoin sendo a mais conhecida. Estas moedas públicas são descentralizadas, livres do controle de governos e dos bancos. Ao usar tecnologia open source peer-to-peer, os usuários podem transferir valores por todo o mundo com rapidez e segurança. Bitcoin rapidamente obteve o reconhecimento popular e é um dos conceitos mais idealistas que chegou a consciência de massa nos últimos anos. Ainda veremos se esta experiência precoce chegou para ficar, mas com a confiança no status quo em baixa e a ingenuidade de tecnólogos digitais aumentando rapidamente, estes tipos de disrupção se tornarão mais a regra do que a exceção.

Dinheiro atrelado a países parecia um fato fundamental da vida antes das crypto moedas surgirem. Digital tem o potencial de mudar tudo. Tome um momento para refletir sobre as coisas em sua vida e de trabalho que parecem fundamentais: quadros de horários, jornadas de 8 horas, mesas com PCs, hipotecas, dirigir um carro. E se essas coisas não existem? Como você iria se adaptar? Que oportunidades podem existir?

Pioneiros: Square, Bitcoin, Hive, Transferwise

3. A emergência de novas MedTech (tecnologias médicas)

Considere o nosso interesse pessoal no avanço da tecnologia médica, e veja como as evoluções neste campo são emocionantes e importantes. Nanomedicina, em particular, oferece algumas possibilidades incríveis, com desenvolvimentos e aplicações prontas para revolucionar a forma de detectar e tratar doenças, e reparar danos ao corpo humano no futuro. Evoluções em tecnologia de bioimpressão 3D colocam a impressão de tecidos transplantáveis ​​funcionais e órgãos ao virar da esquina. Embora complicadas questões éticas permaneçam, e as leis rigorosas sobre de Med-Tech continuem a reduzir o entusiasmo dos inovadores, estas são literalmente tecnologias que mudarão sua vida e impactarão nossa maneira fundamental da viver, e isso é algo para se animar.

A vanguarda da MedTech pode não se relacionar diretamente ao trabalho de muitas empresas, mas os impactos de suas inovações serão sentidas em todos os setores. Como a nossa relação a medicina pode mudar conforme sofisticações técnicas aumentam? Será que precisamos ir ao médico mais? Como isso pode alterar a dinâmica social? Onde as disrupções irão surgir?

Pioneiros: Cellscope, Ekso, Illumina, , VisionCare

4. A era da tecnologia vestível

O movimento quantified-self vem crescendo desde que a frase foi cunhado em 2007; pessoas estão tomando o controle de seu bem-estar e do seu fluxo de trabalho usando tecnologias vestíveis. Rastreamento de dados biométricos e a conexão com serviços digitais longe das telas de computador está se tornando onipresente. Embora o uso de tecnologia vestível ainda seja o domínio de early adopters, a tendência continuará certamente, e o homem e a máquina irão convergir em formas cada vez mais íntimas. Continuamos a nos animar com as possibilidades ao redor de vestíveis inteligentes, enquanto damos passos para tornar realidade o que parecia possível apenas na ficção científica.

A maioria de nós passa a maior parte do dia sentado, olhando para telas. Tecnologias vestíveis devem nos estimular a entrar em atividade, o que nos tornará mais aptos, felizes e produtivos. Usando um rastreador de atividades personalizado (FitBit, Jawbone Up, etc) ou um aplicativo no seu celular, veja como você está ativo durante todo o dia. Será que isso te surpreende? O que você pode fazer para ser mais ativo? Como você e seus colegas podem apoiar uns aos outros para se mover?

Pioneiros: Fitibit, MC10, Scio, e GoPro

5. O futuro das casas inteligentes

Nós estamos finalmente presenciando vislumbres tangíveis da tão falada ‘Internet das Coisas’, e o momento nunca foi melhor. Com uma geração inteira crescendo acostumada a aplicativos e dispositivos inteligentes, postulamos que o futuro das casas inteligentes não vai ser na forma frívola de torradeiras que possam tweetar, mas em dispositivos conectados que possam se adaptar automaticamente ao nosso comportamento. Você está preparado para se sentir em casa nesta nova realidade?

Imagine um mundo onde as casas e escritórios têm seus próprios sistemas operacionais, com tudo ligado, controlado e personalizado pelo proprietário. Como os produtos e serviços da sua empresa podem tirar proveito dessa tendência? Como podem se integrar perfeitamente na vida das pessoas, e torná-la melhor?

Tudo que você precisa saber sobre a Internet das Coisas em 2 minutos.

Nest, Smartthings, August e Home Kit são pioneiros dessa tendência.