Muito prazer, somos a MALHA.

Acreditamos que a Moda Importa. A Moda que é expressão, atitude, costume, indumentária, representação. E também que é indústria, empresa, trabalhador, negócio, matéria-prima, potencial de mudança.

POR QUE MODA?

Moda é o exercício experimental da liberdade.

É política, é estética, é expressão acima de tudo: a maneira como optamos nos vestir — ou nos despir -, o que comemos, pra onde vamos, nosso estilo de vida e prática de consumo afetam o mundo à nossa volta e nos formam como indivíduo.

Vai muito além de frivolidades: é uma poderosa ferramenta para dar sentido e melhorar nossas vidas. A Moda seduz e faz do consumo e da expressão estética uma parte fundamental da constituição da identidade do sujeito hipermoderno. No conceito de hipermodernidade, Moda é tratada não somente como um produto da sociedade de consumo, mas antes como instituição de construção social. Desempenha um papel que permite aos indivíduos construir, esculpir suas identidades.

Foto do David Argentino na Feira da MALHA #002, em dezembro de 2015.

O uso criativo da Moda fortalece ou subverte as várias facetas do self. O corpo é uma literalização de tudo que necessitamos expressar: questões como gênero, raça, etnia, religião, status e ideologia. O corpo é o território. A roupa, o meio por onde o corpo fala. E a Moda é a cultura que traz identidade ao território.

NOSSA PIRA

Somos um Movimento que veio para cocriar essa Moda. Vivemos uma Era de Transição, onde a busca por propósito e expansão da consciência está reinventando modelos antigos — desde a produção até a expressão. Por isso, com a MALHA resolvemos fazer diferente. E assim, nos unimos pra pensar, discutir e criar novas maneiras de colocar as coisas no mundo — sejam elas físicas (roupas, objetos, lugares) ou imateriais (ideias, palavras, sons, comportamentos).

Somos prosumidores — produtores & consumidores. Indivíduos que querem propósito nas suas vidas e exigem isso das marcas. Que sabem que consumir de forma consciente, questionando Como, Onde, Por quê, Para onde, é uma necessidade. Entendemos que não é só pelo ato de usarmos roupas que criamos relacionamentos, mas também em todo ciclo de vida da peça em si.

Queremos vivenciar Moda a partir de experiências com sentido — honrando a capacidade criativa, empreendedora e multifacetada que ela tem, e que nós, indivíduos inquietos e capazes de criar, também temos.

Acreditamos em compartilhar valores e unir esforços na busca por inovações que gerem impactos positivos. Estamos aqui para mudar o jogo junto com quem tá a fim de mudar o jogo.

A ORIGEM:

A urgência de repensar e recriar o mercado da Moda — segunda indústria que mais emprega pessoas no mundo, mas também uma das que mais polui o meio-ambiente e utiliza mão de obra escrava até hoje — era uma constante na nossa mente. Nós, profissionais de áreas diversas como Comunicação, Design, Economia, Educação e, sim, Moda, começamos a nos reunir em almoços no Templo (um laboratório criativo que desenvolve projetos de inovação no Rio e no mundo), lá em 2015, para debatermos como tornar o placar desse jogo positivo para mais gente.

Percebemos que, pra começo de conversa, era necessário conectar as várias áreas envolvidas na produção da Moda — consumidores, produtores, órgãos públicos, grandes marcas, empreendedores, estudantes, entusiastas (e quem mais quiser chegar junto).

Facilitação com a pesquisadora Renata Abranchs

Trazemos em nosso DNA também a vontade de dialogar com os pequenos e com os grandes, fazendo links entre diferentes negócios para gerar conexões reais e transformadoras. Afinal, o que sobra em uma grande marca, pode ser aquilo que falta no empreendimento de uma pessoa. Viemos conectar aqueles que querem gerar mudanças verdadeiras e impactos positivos seja de forma local ou globalmente.

A distância entre o que os alunos aprendem nas faculdades de Design, Moda e Comunicação e o que vivenciam no mercado de trabalho também nos incomodava. Perguntas do tipo ‘Como incentivar a formação de profissionais que pensem a Moda para além da passarela?’, ‘Como criar um ecossistema mais colaborativo e sustentável para estimular o desenvolvimento de empreendedores?’, e também ‘como trazer esse pensamento para grandes nomes do mercado que estejam em busca de aproximação com essas iniciativas?’ estavam nas nossas discussões.

Era preciso MUDAR urgentemente, e como estava difícil juntar todos os que já estavam nessa busca, decidimos nos unir e começar de alguma maneira.

Um dos nossos almoços no Templo lá em 2015….

Unimos experiências e nascemos colaborativamente. Nossos cofundadores reúnem conhecimento e prática no mercado de Moda, na articulação de redes, nas experimentação em negócios colaborativos.

Assim, o autor e diretor criativo André Carvalhal, o empreendedor e criador do Templo Herman Bessler, e sua sócia Letícia Magalhães, fundaram em Janeiro de 2016 isso que somos e, carinhosamente, chamamos de ‘MALHA’. Desde o começo contamos com apoiadores já ativos no setor, como a pesquisadora de Moda Renata Abranchs, a gestora de varejo Chris Carvalho, o jornalista e apresentador Caio Braz e a consultora de marketing e branding Lilly Clark.

PARTINDO PRA AÇÃO:

Nosso Movimento ganhou força com a expressão #JustoÉoNovoPreto, apoiando mudanças urgentes no cenário da Moda. Nos juntamos aos movimentos #FeitoNoBrasil, #UmNovoMundoÉPossível e #MaisEssênciaMenosTendência para unir forças, expandir essas ideias e concretizar transformações.

Foto: Taís Peyneau

Poucos meses depois de nos jogarmos no Mundo, sentimos necessidade de nos materializar. Escolhemos nossa sede em um galpão em São Cristóvão, bairro do Rio conhecido por abrigar muitas empresas e confecções de Moda.

NOSSO ESPAÇO:

Nossa sede, um galpão de 3000m2, existe para ser um laboratório e estimular a troca e a experimentação entre profissionais. Acreditamos no potencial de gerar e abrigar experiências de marcas muito além do simples consumo de produtos. Além de tudo, chegamos para movimentar São Cristóvão como local de trabalho, encontro e compartilhamento entre nossa Comunidade, Rede e quem mais se interessar.

A montagem do Galpão.
Editoral da revista A Lagarta com a marca Mig Jeans quando o galpão ainda estava em obras. Foto: Absolem.

Abrimos as portas no dia 30 de Julho de 2016, e desde então já abrigamos cerca de 80 marcas, 300 eventos e inúmeros bate-papos com pesquisadores, profissionais, estudantes, empreendedores, criadores e curiosos das mais diversas áreas — Moda, Tecnologia, Direito, Gastronomia, Sustentabilidade, Yoga, Empreendedorismo Social, Pesquisa e outras.

Containers reaproveitados servem de escritório e showroom por aqui. Foto: Ilana Bessler

REDE DE ENCONTRO:

Conectamos curiosos, estreantes, estudantes, profissionais, empresários, empreendedores, amadores e vizinhos. Estão sempre por aqui nomes conhecidos há tempos no Mercado, outros que estão se consolidando agora, e colaboradores de iniciativas pela Moda consciente.

Costanza Pascolato em evento de sua marca em janeiro de 2017

Nossa Comunidade se atualiza em encontros semanais onde reunimos marcas residentes, marcas incubadas, nossa equipe e quem mais quiser participar, trazendo ideias de colaboração e novas ações. Para manter tudo isso ativo, falamos, ouvimos, questionamos e criamos juntos.

Em menos de um ano, nosso galpão abrigou diversos eventos: Feiras/edições do Projeto Gaveta/semana do Fashion Revolution/encontro com a Renata Abranchs/apresentação de documentário com Caio Braz/Circuito Moda Carioca/ Virada Sustentável Rio/Slow Market de SP/ encontros com a Lilyan Berlim/edições do Pano pra Manga/feira gastronômica Chuchu Beleza/inúmeras palestras/mentorias com profissionais da Nova Moda/workshops e oficinas/Coolhunting/ Pop-Up e debate sobre Arte Indígena/aulão de dança Afrovibe/festa Moo/textões coletivos do Modices/shows da Jesuton/festa Manie Dansante/festa Selvagem/galeria temporária da artista Alinet/treinos coletivos da Nike/..ufa, foram essas e algumas outras iniciativas que nos encheram de orgulho e mostraram que estamos no caminho certo!

E não precisa ser nosso conhecido para trazer o seu projeto para cá não: nós temos o Espaço Vazio, onde qualquer pessoa interessada em organizar um evento gratuito e aberto pode usar o espaço do galpão.

Nesse meio tempo criamos e gerimos projetos grandes como a incubação de 10 marcas no C&A Aposta_, estamos montando um Pólo de Reuso também com o apoio da C&A, pesquisamos, escrevemos e formatamos os relatórios de tendências sobre o Futuro da Moda com apoio o Instituto C&A, levamos marcas sustentáveis e inovadoras para o Veste Rio (a maior feira de negócios da Moda carioca) em um stand com experiência de realidade virtual e impressão 3D, criamos duas lojas pop-up nos shoppings Rio Design Barra e Leblon (acreditamos no poder de transformar por dentro)… Todo esse Movimento virou notícia e pauta do programa Mundo S/A, Jornal O Globo, Revista Gol, Revista Armazém, FFW, Folha de São Paulo e inúmeros blogs e perfis de quem fala sobre Moda, Sustentabilidade e Inovação.

Cantinho criativo do Galpão. Foto: Ilana Bessler

TRANSANDO IDEIAS:

Fomos e queremos ser, cada vez mais, um Ecossistema Cultural, palco e campo de eventos, ações e encontros que estimulem a expressão do ‘eu’, a discussão de temas importantes de Moda, Tecnologia, Inovação e da sociedade em geral. A cada experiência, vivemos novas descobertas e conexões. Assim, nos desenvolvemos como Movimento, como indivíduos em constante mutação, como lugar de encontro, como muitos.

Queremos espalhar nossas ideias por todo canto, para que elas conheçam as ideias de mais pessoas, se misturem, ‘se discutam’, se enturmem, gerem outras ideias e criem valor. Assim como inovamos a partir das trocas entre conhecimentos, é nesse ‘transa de ideias’ que queremos nos aprofundar e reforçar nosso Movimento.

Para acompanhar nossos passos é só se juntar a nós pelos nossos canais digitais (Instagram, Facebook, Linkedin, Pinterest) e aqui pelo Medium, onde vamos criar e compartilhar conteúdo denso, gerado pela nossa equipe, por nossos colaboradores e por qualquer pessoa no mundo que tenha um bom papo conectado ao que estamos falando.

Junte-se a nós:

http://www.malha.cc/

Visite nossa Galpão na R. General Bruce 274 — São Cristóvão, Rio de Janeiro — de segunda à sexta, das 9h às 18h.