A Democracia está morta. Longa vida a Democracia! (Parte III)

Mas sem déspotas, por favor. Democracia Direta Digital Já!

A democracia sem máscaras?

Não se deixe enganar, estas mascaras não caíram. Este sempre foi mesmo o rosto deles

Quem ainda tentava posar de virgem vestal. Rodou. Agora a oposição vai ter que aderir a moral petista para sustentar um novo governo tão a revelia da vontade popular quanto o atual. Vai ter que dizer que seus bandidos não são tão sujos e ruim quanto o da concorrência.

Será que todos esses jogadores não se tocaram que tá todo mundo vendo que seu jogo é de cartas marcadas? Será mesmo que eles não perceberam que a falácia da democracia direta de impor a escolha entre o coisa ruim e o pior ainda nas eleições, ou pior fora delas, está esgotada?

A honestidade é claro nunca existiu, mas agora eles perderam até o pudor de tentar passar qualquer legitimidade da sua representação ou do seu sistema.

As pessoas não entenderam ainda como funciona a mente destas pessoas totalitárias. Elas não se acham acima da lei ou contra o povo, eles se acham o povo e a lei, eles se consideram a cabeça do mostro e nós nada além de seus membros, que devem ser sacrificados se necessário para preservar o corpo que não tendo alma, é portanto apenas o seu centro nervoso. Eles a cabeça.

Quem não entendeu ainda vai entender da pior forma: se eles não são todos iguais, ficam. E pedir por renuncia é tão ridículo para um desposta brasileiro quanto pedir para a rainha da Inglaterra para entregar sua coroa .

Ou um Trump, caso se eleito que renuncie a sua condição de comandante em chefe.

Não é uma questão de índole ou personalidade, mas riscos inerentes a falta de freios ao poder.

O problema do Brasil e é o mesmo de todos os países do mundo, onde o povo diz não ao governo. Neste caso pouco importa o quão bonzinhos ou maus são as lideranças e autoridades, podem até preferir não apostar no caos e destruição para reciclar e impor de novo a pacificação violenta, podem decidir entregar o trono, antes de usar a força contra os povos, mas quem é o louco eles que impõem essas precondições e riscos tácitos ou nós que aceitamos dormir com eles?

Mein Führer I can walk!!!

O ponto é que nenhum governante é “louco” de renunciar aquilo que considera e impõe como seu direito, e dane-se que não é. Quem é o soberano para dizer não a eles?

Nenhum sistema pode contar com a boa índole de quem detém o poder, mas somente com a garantia de liberdade dos iguais em poder sobre a coisa publica. Contar com a benesse e de alguns player e não regras e forças iguais para todos é pedir para levar ferro. Porque na hora H, meu amigo, ninguém diz que faz o que faz porque quer, mas com a eterna desculpa do que é preciso e para o seu bem.

Não seja tolo, em breve, muito em breve, batmans e jokers vão estar juntos de novo e advinha contra quem?

Lennon tinha razão o sonho está morto e apodrecido faz tempo, há que se ter coragem de enterrar o velho e permitir a gestação do novo.

O problema não é ter um maluco nos palácios governamentais com prerrogativas de poder que ninguém em sã consciência usaria. Esse não é o maior perigo; o perigo em si são as prerrogativas de poder que permitem que qualquer pessoa sã até ontem se comporte legalmente como um ensandecido, caso a população não cumpra suas ordens, se entregue aos planos mais malucos contra tudo e todos. E em momento de crise sistêmica é historicamente o que acontece.

A verdade é que nunca sabemos o quão lideres e loucos são violentos até ser tarde, até porque todo líder e maluco são sempre bastante razoável desde que você não o contrarie. Quem é o louco os maníacos obsessivos ? Que cometem atrocidades, ou os idiotas que se entregam a loucura da servidão voluntária? Os sádicos ou os masoquistas?

Aceitem a prerrogativa da imposição da desigualdade de posse e poder por violência e privação das necessidades como um mal necessário; e mais hora, menos hora, o mal mesmo quando não for mais necessário (se é que um dia foi), vai se voltar de novo contra você e se impor a força como a “sua” necessidade.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Marcus Brancaglione’s story.