O enorme tabu sobre saúde mental no ambiente de trabalho

Este é o primeiro de vários posts sobre o tema "Saúde Mental no Trabalho". Precisamos quebrar esse tabu e isso não será feito de uma hora para a outra. —

Está cada dia mais evidente a importância da saúde mental e sua estreita relação com a saúde física. Profissionais de alta performance (sejam atletas ou profissionais do mercado financeiro) reconhecem e investem cada vez mais em uma desenvolver uma estrutura psicológica forte e saudável.

Mas apesar desses avanços, a saúde mental ainda não é reconhecida da mesma forma que a saúde física, especialmente no ambiente de trabalho. Muitas pessoas ainda tem muito receio de falar do assunto ou buscar ajuda.

Um exemplo: não trabalhar por estar gripado é socialmente aceitável. Não trabalhar por estar estressado ou com crise de ansiedade é considerado "frescura".

Em uma pesquisa feita pelo instituto britânico de saúde mental Mind, descobriu-se que 90% das pessoas que ficaram longe do trabalho devido ao estresse, não citaram o estresse como razão de sua ausência. Na verdade, a maioria delas dizia como justificativa que estava com um problema físico, como por exemplo, uma dor de cabeça.

Isso mostra como a saúde mental é um tabu no local de trabalho. Mas isso não deveria ser assim. Ela é estigmatizada de tal forma que pode tomar até a forma de discriminação. Nisso incluímos intimidação, demandas abusivas, metas irreais, carga de trabalho excessivo, exclusão e bullying. A própria equipe pode se sentir desconfortável perto de alguém que estava de licença por algum motivo psicológico.

Embora as posturas estejam mudando, a saúde mental ainda não é reconhecida da mesma maneira que a saúde física, principalmente no local de trabalho.

Isso pode levar as pessoas a se sentirem isoladas. Se alguém estava afastado do trabalho devido a uma cirurgia, os colegar se preocuparão com seu bem estar. Mas infelizmente isso não acontece quando alguém está afastado devido a um problema de saúde mental. Por isso o medo da discriminação.

A pesquisa da Mind aponta que a maioria dos indivíduos que contaram sobre seus problemas mentais para seus empregadores foram discriminados como resultado. Alguns até mesmo dispensados. Daqueles que disseram aos seus chefes sobre seu problema mental, 6% disseram que foram forçados a sair e 2% disseram que foram demitidos.

Fatos e impactos

Saúde mental é um dos grandes temas discutidos pela OMS (Organização Mundial de Saúde), incluindo o tópico de saúde mental no ambiente de trabalho. Alguns fatos interessantes destacados:

  • Trabalhar é super importante para um equilíbrio mental, mas um ambiente de trabalho ruim pode ser um dos maiores causadores e aceleradores de problemas físicos e mentais.
  • Depressão e ansiedade tem um impacto gigante na economia. Mais de 300 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão e o custo global estimado na economia é de US$1 trilhão por ano em perda de produtividade.
  • Ambientes de trabalho que incentivam a saúde mental e que apoiam pessoas com problemas psicológicos são mais propensas a reduzir ausência de funcionários, aumentar produtividade e consequentemente aumentar ganhos financeiros e econômicos.

Perceber a discriminação

A discriminação pode ser tão prejudicial para o bem estar físico e mental quanto o próprio problema de saúde. Se alguém se sente incapaz de conversar sobre sua saúde mental em seu local de trabalho porque sente medo de ser tratado de maneira diferente, ele será mais propenso a evitar o assunto.

Permanecer em silêncio sobre os problemas só vai piorar as coisas. É essencial que a liderança da empresa e que os profissionais de Recursos Humanos se preocupem e trabalhem com isso, criando um ambiente aberto e de apoio. Dessa forma a equipe se sente confiante de que falar sobre sua saúde mental levará a um apoio da empresa, e não à discriminação.

Pense nas políticas e práticas que você tem que interagem com o bem estar da equipe”.

Muitas pessoas com problemas de saúde mental enfrentam o estigma e discriminação em todos os aspectos da vida, não somente no trabalho, mas até com amigos e família.

Dicas para os profissionais de Recursos Humanos

Como dito, os profissionais de RH tem um papel super importante nesse processo, especialmente por serem a linha de frente com os funcionários e também por criar e disseminar novas políticas e práticas. Abaixe algumas dicas:

  1. Pense sobre as políticas e as práticas que você tem que afetam com o bem estar da equipe. Certifique-se de que suas políticas sejam conjuntas, incluam saúde mental, e identifiquem qualquer brecha. Considere suas políticas sobre recrutamento, saúde e segurança, bullying e assédio, tempo de trabalho, ausência de doença e retorno ao trabalho, ação disciplinar, redundância política de igualdade e diversidade, estresse/bem estar, engajamento de funcionários, desenvolvimento pessoal e gerenciamento de desempenho.
  2. Pense sobre como a saúde mental e o estresse são discutidos dentro do local de trabalho. Os objetivos iguais de aumentar o envolvimento dos funcionários e criar um local de trabalho mentalmente saudável, são independentes, e ambos começam com uma liderança forte, e uma cultura organizacional positiva, transparente e clara, que valoriza a equipe. O diálogo aberto e o envolvimento da equipe nas tomadas de decisões também são essenciais.
  3. Promova o bem-estar no local de trabalho. Aumentar a conscientização e promover a discussão da saúde mental e do bem-estar impulsiona o engajamento, ajuda a superar o preconceito e significa que os funcionários terão maior probabilidade de informar os problemas mais cedo. Incentivar um bom equilíbrio entre trabalho e vida, desenvolver uma boa comunicação, apoiar práticas de trabalho flexíveis e promover relações de trabalho positivas e atividades sociais também são importantes.
  4. Faça um balanço da saúde mental da sua organização. Simplesmente falar com colegas para ter uma ideia de como eles estão se sentindo é um bom começo. Os gerentes devem falar regularmente com os membros da equipe para verificar como estão se saindo e o processo de avaliação deve abranger o bem-estar mental e o estresse. Essas etapas podem criar uma cultura mais aberta que mantenha o envolvimento dos funcionários, além de permitir que você compreenda e melhore os fatores que afetam a saúde mental de sua equipe.
  5. Apoie a sua equipe. O comportamento dos líderes podem moldar o impacto que o trabalho tem sobre a saúde mental da equipe. Assegurar que os líderes são treinados, confiantes e apoiam os colaboradores faz a diferença. Os bons líderes são aqueles que ajudam os funcionários a gerenciar suas cargas de trabalho, criam oportunidades de treinamento e aprendizagem e promovem uma cultura aberta.

E agora?

A luta contra esse tabu está apenas começando. O primeiro passo é termos consciência de que é fundamental dar a devida importância para a saúde mental no ambiente de trabalho. Além do bem-estar dos funcionários, tem grandes impactos na produtividade e consequentemente nos resultados da empresa.

— 
Gostou do post? Me segue no Linkedin e me dê seu feedback por comentários ou no email mariangela@mariangelaguerra.com.br