O ponto da virada: Amazon acaba de lançar sua arma mais poderosa

Amazon most powerful weapon

Há um mês atrás, a Amazon anunciou que estava comprando o Whole Foods. Este fato é, provavelmente, a notícia mais importante para o mercado varejista nos últimos anos: o ponto da virada. A Amazon é uma gigante de tecnologia poderosa e, após esta importante aquisição, começa a se mover em direção ao varejo físico e a causar desconforto neste mercado.

Logo após o anúncio na mídia, as ações em bolsa de grandes redes varejistas americanas despencaram, perdendo mais de 10% em em valor de mercado, como, por exemplo, o Kroger, que caiu 25% e o Walmart, que perdeu quase 7% na semana seguinte ao ocorrido.

O ponto principal da maior aquisição já feita na história da Amazon é que, provavelmente, ela irá conhecer muito mais sobre shoppers do que qualquer outra rede de varejo físico.

O que podemos ver por trás dos panos desta grande jogada da Amazon é o desenvolvimento de sua mais poderosa arma. Esta arma não se trata de logística ou de preço. A arma mais poderosa que a Amazon possui é a sua habilidade em utilizar uma enorme massa de dados sobre o comportamento do shopper.

Sendo considerada a empresa global mais focada no consumidor, a Amazon irá utilizar de forma massiva tecnologias de comportamento do consumidor a fim de transformar lojas físicas em locais capazes de oferecer uma experiência de compra totalmente favorável ao shopper, da mesma forma que tem feito online. Um grande exemplo disso é o conceito da Amazon Go, divulgado no ano passado neste vídeo.

A sobrevivência dos varejistas e fabricantes neste novo mundo estará diretamente relacionada à sua habilidade de se adaptar a esta mudança. O novo desafio para o varejo físico é conseguir capturar, correlacionar e compreender profundamente o comportamento do shopper em seu PDV. Saber o que foi vendido, depois que o shopper já tomou as suas decisões, não chega nem perto da importância de se compreender a sua jornada e o que o influenciaria nas escolhas da composição de sua cesta de compras.

Por isso, varejo e indústria devem juntar suas forçar a fim de transformar a maneira com que planejam, executam e mensuram suas ações no PDV. Só assim serão capazes de se inserir nesta nova realidade e competir nesta era Pós Amazon/Whole Foods, ou serão extintos em uma década.

A Mediar (antiga IDXP) foi pioneira nesta visão desde 2012. Trabalhamos com grandes varejistas e indústrias ao redor do mundo oferecendo soluções para um problema recorrente: ineficiência de ações promocionais por falta de informações táticas. Nossa tecnologia, que combina dados de comportamento dos shoppers com vendas e mapa de promoções, revela não somente o que poderia ter sido vendido, como também ensina a vender mais. Nossos algoritmos proprietários e análises preditivas correlacionam diversas variáveis no PDV para entender o comportamento do shopper e promover o aumento de sua cesta de compras. Por exemplo, nossa solução recomendou a alteração do local de uma ponta de gôndola com creme dental Colgate para uma área totalmente atípica (a área de ração para animais, no fundo da loja) gerando um aumento de 56% na conversão de vendas.

Com os insights fornecidos pela Mediar, varejistas e fabricantes podem transformar oportunidades perdidas em uma exposição maior da marca e o aumento de suas vendas. A falta de um posicionamento estratégico voltado para o consumidor no varejo físico atual criou uma grande abertura para a Amazon explorar este mercado. A inteligência em trade marketing fornecida pela Mediar é capaz de elevar o patamar do ROI em ações promocionais e fortalecer o relacionamento entre varejistas e fabricantes, de forma que eles possam colaborar entre si, inovando e competindo fortemente contra a Amazon. Esta é a única forma de vencer a guerra no varejo físico e conquistar, de uma vez por todas, a fidelidade dos clientes.