A superficialidade dos cases de Startups

Há tempos venho pensando o quanto é difícil achar histórias verdadeiras sobre o sucesso de empreendedores. Não que muitas das histórias publicadas por ai sejam mentiras, mas digamos que são histórias (bem) superficiais do que realmente aconteceu, o que cria uma imagem totalmente distorcida na mente de futuros empreendedores.

Em uma manhã, antes de abrir os e-mails, eu estava ouvindo algumas biografias e entrevistas, e em uma delas, feita com uma empreendedora, me chamou atenção a maneira como ela falava sobre o dia a dia em sua empresa, algo como "…lá nos divertimos muito, é uma brincadeira super legal e é assim que criamos…" e muitas outras frases que até poderiam fazer total sentido para ela, que vivenciou e vivencia tudo aquilo, mas que pode deixar de transmitir a real verdade por trás de tudo aquilo para quem ouve.

Veja, não estou afirmando que temos que ser negativos e dizer apenas os problemas de construir um negócio, a ideia aqui é chamar a atenção para a superficialidade de como o empreendedorismo é contado. A maneira como falamos sobre os nossos negócios pode impactar muitas pessoas e inclusive motivá-las a mudar o rumo de suas vidas. Por isso, acredito que vale ser mais prudente ao expor uma história de sucesso, contando detalhes que realmente possam fazer a diferença.

É fácil cair na armadilha de embelezar o que fazemos, isso é natural, temos a tendência de mostrar que é muito mais legal do que parece, as vezes até por que o objetivo é estimular àqueles que estão ouvindo a fazer parte disto também. E muitas vezes dá certo, quem não conhece alguém hoje em dia que quer ter seu próprio negócio? Fundar sua startup? Isso é ótimo, principalmente se a motivação vier de informações profundas sobre empreendedorismo e ajudar a evitar muitas frustrações neste caminho.

Medir o resultado sem avaliar o processo é ilusório.

Esta é apenas uma reflexão, e se ela fez você pensar melhor sobre como dar mais qualidade e nivelar por cima os detalhes contados dos seus cases de sucesso, então acho que já consegui de alguma forma fazer minha parte. Mas me conte, qual sua opinião?

Gostou do texto? Clique no “coraçãozinho” aí embaixo. Compartilhe o texto no seu Facebook e você ajudará para que este texto seja lido por mais pessoas.
Escreva uma resposta ou deixe uma nota para que eu possa saber sua opinião.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Maike Robert’s story.