Como entrar na onda do VR/360 sem gastar muito

Moda ou não, o VR — em português, realidade virtual — está vindo por aí. Ainda não sabemos como será o uso em massa e os efeitos psicológicos do uso desta tecnologia, mas as maiores empresas de jogos e tech estão investindo forte no formato, produzindo câmeras e óculos como a Samsung, a HTC e a Sony, e estimulando a criação de conteúdo, como o Facebook e o Google.

Depois de ter testado vários óculos na E3 2016 e na Vidcon, constatei que os mais imersivos e interessantes são também os mais caros. O Oculus Rift, comprado pelo Facebook, e o HTC Vive dependem de uma máquina potente pra rodar os jogos e experiências da melhor forma. Os consoles também estão se preparando pra fazer seus usuários desembolsarem um bom dinheiro, assim que a Sony lançar o Playstation VR, e a Microsoft confirmar os rumores de que está desenvolvendo um óculos específico para o Xbox One, além do Hololens, que aparentemente será mais direcionado para uso profissional.

Apesar de todas essas iniciativas, o custo alto deve manter a realidade virtual como nicho por alguns anos ainda. Mas há um mercado que pode mudar esse destino: o mobile. Mais especificamente, os smartphones.

A Samsung saiu na frente integrando seus aparelhos mais recentes com a tecnologia, e investimento pesado, a ponto de dar Óculos Gear VR para os compradores de seus celulares mais novos.

O Google, ao contrário da Apple — que não dá muitos sinais de interesse, é um grande incentivador da tecnologia já há alguns anos, desde que começou a distribuir e vender seus Cardboards, literalmente pedaços de papelão montáveis, que integrados a um smartphone Android e um app, possibilitam a qualquer um assistir vídeos em 360 e testar jogos de realidade virtual. O custo médio é de 15 dólares, e dá pra conseguir por menos, já que existem tutoriais pra fazer um desses em casa.

O outro mercado que deve estimular e aumentar o interesse pelo VR é a industria pornô. Já existem empresas especializadas em vídeos 360 que podem ser assistidos com qualquer um desses aparelhos, tornando a experiência, digamos, mais realista. Sabemos que a indústria pornográfica move a internet, que destruiu completamente seu modelo de negócios. Talvez o 360 esteja pra ela como o 3D está para o cinema hoje.

Com essa visão, é possível imaginar o potencial de alcance da tecnologia. Mais de 30% da população mundial já tem quase tudo que é necessário pra utilizá-la. O acessório que falta é um pedaço de papelão ou plástico que tende a diminuir de custo muito rapidamente.

Juntando a isso o estímulo de criação de bom conteúdo e a força do boca a boca, temos a receita perfeita para uma mudança tecnológica capaz de entreter, divertir, ensinar, e muito provavelmente também alienar pessoas por todo o mundo.

Testando os mais baratos

Após do impacto que eu tive nos eventos de games e de produção de vídeos em que só se falava de realidade virtual e 360, resolvi buscar as maneiras mais baratas de utilizar a tecnologia em casa.

Gear VR

Bom, bonito e não tão barato, o Gear VR da Samsung é a melhor das opções de “baixo custo”. O óculos em si não é tão caro. Está sendo vendido no Brasil a mais ou menos 500 reais (contra os 3500 de um HTC Vive — sem o computador). O que encarece a compra é a necessidade de ter um aparelho Samsung. Para os que não são adeptos do iPhone, fica pelo custo da atualização de seu smartphone, já que o Gear VR vem gratuitamente na compra de um Galaxy S7.

Se esse for seu caso, invista sem medo, porque funciona muito bem e é preparado tanto para vídeos quanto para jogos. Eu testei nas lojas e nas experiências da Samsung nas feiras.

Cardboards

A versão mais barata possível é o Cardboard. Muitas empresas lançaram suas versões, baseadas no modelo original do Google, com adaptações e preços variadas.

Testei duas:

O DodoCase VR custou 19 dólares na B&H e é muito, muito simples. Em um minuto é possível montar e utilizar com qualquer smartphone, de qualquer tamanho. Basta baixar o Google Cardboard no Android ou no iPhone.

Já o Cardboard Kit da Blisstime, vendido na Amazon por 8 dólares, é todo preto, e vem com um elástico pra ajuste na cabeça, além do imã no lado esquerdo, permitindo controlar algumas funções do celular durante o uso.

Os dois permitem o uso do VR/360 pra quem está começando e têm um custo relativamente baixo. Em contrapartida, não são muito confortáveis (o papelão precisa ser aparado pra não machucar o nariz ou as bochechas) e não têm lentes tão boas.

LeNest VR Headset

Encontrei a melhor solução no LeNest VR Headset, um óculos de plástico com acabamento em espuma pra região dos olhos, headband para prender à cabeça sem preocupar, além de ajustes básicos de distância de lentes. Ficou perfeito no iPhone 6 e provavelmente funciona bem também com aparelhos maiores e menores. Vendido na Amazon por cerca 25 dólares.

Pra melhorar, descolei o imã do cardboard da Blisstime, colando no LeNest, que funcionou perfeitamente. O único ponto negativo dele é a tampa de cor branca que deixa vazar luz por trás do celular, caso esteja sendo usado em um lugar muito iluminado.

O custo-benefício do LeNest é sensacional. Não testei muitos jogos, mas baixando o app Within pude assistir alguns curtas live action e animação e até duas esquetes do Saturday Night Live. Dei uma passeada com o Google Earth também, e assisti alguns vídeos no Youtube e Facebook.

Se você tem interesse em testar, trabalha com produção audiovisual ou quer apenas se divertir, vale a pena procurar uma destas opções, e considerar outras tantas disponíveis em sites chineses e no Mercado Livre.

E, se você tem habilidades manuais, pode dar uma olhada no site do Google, que tem tutoriais de montagem pra download.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.