Making the Internet of things a reality

Se tem algo que vem sendo repetido milhões de vezes nos últimos anos é essa expressão “Internet das Coisas”. E justamente por isso, durante todos os dias de programação do SXSW15, tínhamos três ou quatro conferências falando sobre o assunto, algumas bem técnicas, outras mais comportamentais ou estratégias. Fato é que muita gente está realmente envolvida em fazer a coisa acontecer (e ela já está acontecendo!)

Em um dos painéis sobre isso, o CEO da Plum, Glen Burchers, e o diretor de desenvolvimento da GM, Steve Schwinke, falaram sobre a urgência das pessoas em controlar tudo, fazendo o mínimo esforço possível.

A Plum é uma empresa de automação de dispositivos domésticos, como lâmpadas, tomadas, sensores e dimmers. Tudo já disponível, de fácil instalação e sendo amplamente consumidos nos Estados Unidos.

A GM tem um programa de automação dos carros que impressiona qualquer um. O sonho de entrar no carro, digitar um endereço e esperar chegar ao destino final já é realidade na empresa. Ainda não está disponível comercialmente, mas as pesquisas estão muito avançadas.

Para os carros, as palavras chaves são: dados e compartilhamento. Carros conectados podem fornecer informações importantes para vários nichos. Um bom motorista (classificado por meio dos relatórios enviados automaticamente do seu carro) pode ter um desconto muito maior no seguro. Ou ainda, a capacidade de medir o tempo de reação do motorista pode indicar se ele está mais cansado que o normal ou se pode estar apresentando algum problema de saúde.

A GM está se dedicando a isso. O projeto inclui colher muitos dados em versão beta e disponibilizá-los para os cientistas de dados, que dirão tudo o que pode ser feito e analisado por meio do que for coletado. Mas o desafio é grande, especialmente para quem quer ser muito bom. O primeiro app disponível levava 30 segundos para ligar o carro. A versão atual já leva 17 segundos, mas eles garantem que ainda não chegaram no número ideal.

Para casas e ambientes corporativos, a automação significa basicamente três coisas: economia, segurança e praticidade. Tem também outro item, tão importante quanto: é legal! As pessoas já tinham um termostato em casa, mas muitas delas trocaram pelo Nest (talvez o case de maior sucesso na automação residencial), porque é legal. Mais prático, mais moderno e mais legal! As empresas de desenvolvimento estão focadas nisso atualmente. Desenvolver produtos que sejam incríveis e fáceis de usar em casa. Isso pode garantir o sucesso das vendas.

Você sabia que em ambientes corporativos cerca de 30% do gasto mensal é com iluminação? Imagine o quanto pode ser economizado com lâmpadas e sensores automatizados.

O desafio agora é fazer tudo isso funcionar junto. Atualmente, as pessoas usam quatro ou cinco aplicativos diferentes para controlar todas as coisas. Por enquanto, tudo bem. Em geral, quem utiliza essas ferramentas é um early adopter e não se importa com isso. Mas para que a automação seja cada vez mais popular essa é uma das questões principais.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.