Misture-se: Um guia para curitibanos e não-curitibanos

Se misturar. Fugir do óbvio. (Re)conhecer espaços. Resgatar hábitos. Valorizar a economia local.

Que tipo de cidade você tem financiado? Para priorizar pequenos produtores, marcas e espaços locais não é preciso ter tempo, muito menos dinheiro de sobra: são nas pequenas escolhas do dia a dia que promovemos as maiores mudanças.

Este é um guia resultante de uma colaboração coletiva entre as makers de Curitiba. Ele pode ser seguido à risca em um dia livre, ou desmembrado em indicações soltas para o dia-a-dia. Como toda lista, sabemos que este guia pode ser mais excludente do que includente. Curitiba é cheia de lugares legais e não caberiam todos aqui. Neste caso, priorizamos locais centrais, pequenos produtores e comércios locais — dos clássicos aos inusitados.

Pizzaria Itália 
R. Cândido Lopes, 229

Comece o dia na Pizzaria Itália, um clássico da cidade que abriu as portas em 1969 e até hoje vende pizza em fatias no balcão. O sabor é único e o mesmo desde sempre: molho de tomate, camada grossa de mussarela e orégano. Para a experiência ficar completa, peça a vitamina para acompanhar. Para quem sempre frequentou o centro de Curitiba, este é um dos principais resgates do passado já que a lendária pizza tem gosto de nostalgia. A pizzaria abre cedinho (a partir das 8 da manhã) e aceita débito.


Biblioteca Pública
R. Cândido Lopes, 133

Quanto tempo faz que você não lê um livro em uma biblioteca? Hoje tem se falado muito sobre consumo consciente e novas práticas de consumo. Já não precisamos mais do novo, podemos reutilizar, transformar, ressignificar. Nesse processo, resgatar hábitos também pode ser revolucionário.

A Biblioteca Pública do Paraná é um caso de amor: oferece um ambiente calmo e silencioso com um bom acervo de livros em diversas áreas. Um escape no coração de Curitiba. Para visitar e usufruir do acervo no local não é preciso nenhum tipo de inscrição. Para emprestar livros e utilizar o Wi-fi, é feito um cadastro mediante apresentação de RG + CPF + comprovante de residência (taxa de R$2,50). Aberta a partir das 8:30.


Missê Mariá
R. Treze de Maio, 336 (Lj. 2)

Prepare-se: você vai se apaixonar. O Missê serve buffet de almoço com opções que variam diariamente por um preço fixo — 20 reais. O destaque fica para as panquecas que são preparadas separadamente na cozinha, sem nenhum custo adicional. Escolha entre palmito, berinjela, espinafre, frango com curry ou bolonhesa e delicie-se. O detalhe mais legal é que lá você é chamado pelo nome na cozinha! “O Pedro quer uma panqueca de palmito e um suco de laranja”. Acredite, isso faz toda a diferença.

Suba as escadas e, se der sorte, acomode-se nas mesinhas externas. Pronto. Você já tem um novo restaurante preferido no centro de Curitiba.


Brechó da Lurdes
R. Riachuelo, entre a Alfredo Bufren e a São Francisco

Bem pertinho do Missê, você encontra o brechó da Lurdes, uma experiência que vai muito além de tudo o que você já viveu, que envolve subir em uma montanha de roupas e desbravar sacos e mais sacos com todos os tipos de peças que você possa imaginar.

A Lurdes é uma figura à parte: uma senhora séria, de olhar profundo e cabelos compridos. Num primeiro momento, ela pode parecer brava demais mas, quando você menos esperar, vai dizer que te ama.

Não é um espaço fácil de ser localizado — trata-se de uma loja escura, sem qualquer placa, no meio da Rua Riachuelo, entre a Alfredo Bufren e a São Francisco. Os horários também variam: normalmente ela abre no começo da tarde e vai até as 18h, mas é preciso ter sorte para encontrá-la por lá.


Novo Louvre + Coletivo Tangerina
R. Trajano Reis, 36

Caminhe pelo Largo da Ordem e faça uma pausa para um café no espaço da Novo Louvre na Trajano Reis. Moda local feita no Centro Histórico de Curitiba + delícias servidas pelo café Tangerina.


Atelier SOMA
R. Brigadeiro Franco, 2119

E falando em economia local e criação colaborativa, o SOMA é um espaço que abriga ateliês de artistas locais e profissionais autônomos de diversas áreas. Possui um acervo interessante de obras e está sempre com exposições e eventos abertos ao público.


Curitiba é uma cidade com uma culinária extremamente plural. Aqui, mais três dicas imperdíveis de onde comer.

Sorveteria A Formiga
Av. Iguaçu, 2141

Se consumir consciente é também resgatar relíquias do passado, passar em uma das sorveterias mais antigas da cidade chega a ser um posicionamento político. Fundada em 51, aqui o sabor também envolve nostalgia e infância.

Mamba Vegan
R. Tapajós, 19

Uma hamburgueria 100% vegana que serve um dos melhores lanches da cidade. Lá é possível encontrar inclusive queijo cheddar vegano, e, acredite, será um dos melhores hambúrgueres que você vai comer na vida.

Quinta dos Amantes
R. Desembargador Ermelino de Leão, 472

Se você der sorte de estar de bobeira em uma quinta-feira a noite, se joga na Quinta dos Amantes: uma casa que vira bar e serve o melhor pão com ovo de Curitiba.


Dar preferência a bares que oferecem bandas autorais, frequentar espaços que valorizam a produção local, almoçar no restaurante que te chamam pelo nome e não apenas financiar grandes redes são posicionamentos políticos.

Por isso que um lugar que não podemos deixar de citar é o Parque Gomm (R. Bruno Filgueira, 850). O Gomm é muito além de um parque: é um ato de resistência. Localizado nos fundos de um Shopping Center de luxo, resiste diariamente para não ser transformado em asfalto. Foi ocupado por transeuntes e artistas locais, e é o local perfeito para relaxar, deitar na grama e prestigiar o movimento de ocupação artística e cultural local.

Acreditamos em cidades feitas de histórias e pessoas. Antigas ou novas, o importante é saber que ao escolher o que consumimos na cidade, estamos causando um impacto.

Escolhas diárias podem ser um propósito de mudança.


Agradecimentos especiais às senhorinhas do Missê Mariá pelo carinho sempre, à Lurdes por existir de forma tão peculiar, à Mariah Salomão pela sensibilidade e afeto, e a todxs que acreditam no propósito do coexistir e ressignificar o espaço urbano. Fotos de Carolina Zibetti, Fernanda Pompermayer e Eduarda Camargo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.