Em dia de greve de taxistas há mais opções para além da Uber

Fonte: City Drive

Os táxis param. Quem ainda não utiliza, descarrega a app da Uber. Instala-se o caos — ou em parte de Lisboa. Há carros da Uber danificados e taxistas enraivecidos. E quem precisa deste tipo de transporte/serviço para se deslocar, como faz nestes dias?

Aos utilizadores da Uber, a empresa deixou algumas recomendações pois previa-se um acréscimo de pedidos de viagem que poderiam limitar a disponibilidade de veículos em certos períodos. Assim, a Uber sugeriu aos seus utilizadores que partilhassem a viagem com amigos ou familiares e que evitassem viagens com origem ou destino em zonas abrangidas pela paralisação, entre outras sugestões.

É uma ajuda. Porém, sexta-feira em conversa com uma amiga “descobri” a app City Drive e veio mesmo a calhar.

Em poucas palavras, a City Drive é um serviço de carsharing a funcionar em Lisboa, que dizem ainda ter algumas limitações geográficas.

Mas como funciona? Basicamente, permite-te utilizar um dos carros da frota da empresa para te deslocares pela cidade.

Há carros estacionados pela cidade e tu só tens de localizar o mais próximo de ti através da app e reservá-lo. Depois é só entrar no carro e começar a conduzir. Sim, sem chaves. A app destranca as portas. Viva a tecnologia!

No final, só tens de estacionar o carro no destino, tendo duas opções: dar o “serviço” como terminado ou manter o carro “reservado” para usar mais tarde, pagando apenas uma fração do preço.

Confesso que ainda nunca utilizei este serviço e pelo que li, existem ainda limitações. Mas agrada-me este conceito de carsharing. A minha amiga, que tem carta e não tem carro, utiliza bastante este serviço e recomenda. Talvez seja bom para distâncias curtas. Diz que sai barato.

Eu diria que o melhor antes de utilizar é fazer contas. Poderá ser vantajoso para algumas situações, para outras nem tanto. Em dias de greve, em que nem a Uber parece conseguir dar resposta — para não falar do perigo de levar com ovos ou vidros — pode ser uma boa solução. Isto se precisarmos mesmo, mesmo de nos deslocar de automóvel…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.