Tela inicial de um aparelho utilizado durante o teste

O smartphone pode ajudar quem usa transporte coletivo?

O propósito do artigo é avaliar alguns aplicativos (ou apps, para os íntimos) cuja finalidade é facilitar a vida daqueles que, como nós, usam regularmente o sistema de transporte coletivo. Confira-os a seguir e boa viagem!

Como foi feito?

Para o teste, a plataforma móvel adotada foi o Android 4.4, sendo os seguintes aplicativos avaliados ao longo de outubro e metade de novembro de 2015:

  • Cadê o Ônibus?
  • CittaMobi
  • Moovit
  • Trafi

Importante: como podemos ver acima, a lista está em ordem alfabética, não indicando, portanto, uma preferência de todos os membros do Coletivo por qualquer aplicativo.

De uma forma ou de outra, os seguintes aspectos entraram na avaliação:

  • Cobertura
  • Interface com o usuário
  • Recursos de interação social
  • Rotas sugeridas
  • Facilidades adicionais

Não pretendo aqui criar todo um arcabouço metodológico para avaliar os aplicativos, mas sim contar um pouco da minha experiência dentro de alguns poucos parâmetros.


Comparativo

Quando decido usar algum aplicativo voltado a facilitar a vida de quem usa transporte coletivo, torço para estar diante de uma solução completa para quem está na rua, ou seja, mais do que uma mera interface para os serviços já oferecidos pelo Google Maps.

O clássico aprendeu novos truques: Cadê o Ônibus?

No Google Play, o aplicativo é exibido com número de instalações entre 500 mil e 1 milhão. Bastante expressivo para um aplicativo nacional, não? Algo assim fortalece o seguinte sentimento: para mim e, acredito, muitos moradores da capital paulista, o Cadê o Ônibus é um velho conhecido.

Podemos conferir (da esquerda para a direita) o Cadê o Ônibus antes e depois da atualização que acrescentou uma função para planejar trajetos

Recentemente, ele passou a contar com uma função para trajetos, que infelizmente não se saiu tão bem, parecendo apenas uma “casca” (frontend) que consulta os servidores do Google, sem fazer qualquer tratamento adicional nas informações. Como a função ainda é considerada beta, espero que melhore nas próximas atualizações. Outro aspecto que precisa melhorar, indo além do algorítimo que busca e fornece os resultados, é a interface que aparece depois de tocar o botão “Como chegar?”, suas cores, ícones e animações parecem deslocadas e com certeza precisam de maior esmero para alcançar concorrentes como Trafi e Moovit.

A publicidade exibida pelo Cadê o Ônibus?, apesar de constante, não é das mais intrusivas, mas alguns anunciantes podem tentar distrair você com efeitos piscantes e outras coisas irritantes.

Cadê o Ônibus e seus recursos de consulta de linhas e pontos no mapa (da esquerda para a direita): consultando a posição dos ônibus numa linha; conferindo o tipo de veículo e a distância em relação ao ponto; consultando pontos de ônibus numa determinada área da capital

Diferente de outros aplicativos mais novos, o objetivo principal do Cadê o Ônibus? nunca foi calcular quanto tempo falta até o ônibus chegar no ponto, ao invés disso, ele exibe todo o traçado da linha e os veículos que estão rodando, o passageiro então passa a ter uma ideia da distância entre seu ponto no mapa (marcado tão logo o GPS do aparelho trave a posição) e os ônibus mais próximos.

É possível favoritar as linhas e agrupá-las, consultar itinerários e horários (sem atualização em tempo real) e também comparar diferentes linhas, visualizando os traçados no mapa. Outras funções gerais do aplicativo incluem um monitor de trânsito, alerta de anormalidades e painel com a situação das linhas do Metrô e da CPTM.

O Cadê o Ônibus? e seus recursos (da esquerda para a direita): painel com a situação das linhas do sistema de trilhos exibindo um popup; visualização de linhas num determinado ponto de ônibus, com a possibilidade de marcar e comparar as linhas; instruções para uma rota proposta pelo botão “Como chegar?”

Definitivamente não é o mais intuitivo dos programas, mas para quem utiliza os ônibus da SPTrans intensamente, tendo algum domínio do sistema, o Cadê o Ônibus? continua sendo uma boa ferramenta para ter no smartphone, sua função de comparação de linhas, por exemplo, é praticamente única. No teste, foi o único programa capaz de exibir qual o tipo de ônibus está chegando (articulado, biarticulado, micro-ônibus etc).

Informações extraídas do Google Play:

  • Tamanho: 7,4M
  • Instalações: 500.000–1.000.000
  • Versão atual: 3.9.9
  • Requer Android: 3.0 ou superior
  • Classificação do conteúdo: Classificação Livre
  • Oferecido por: Nano IT

Forte na cobertura, fraco nos recursos: CittaMobi

O CittaMobi opera nas seguintes cidades: Barueri, Diadema, Santo André e São Caetano do Sul. O aplicativo também exibe os ônibus da capital paulista. A maior cobertura de serviços municipais, que inicialmente pode se revelar um trunfo, é limitada pelas funcionalidades do aplicativo.

Basicamente a desenvolvedora vende soluções de gestões de frota, as quais, por sua vez, permitem que ônibus sejam acompanhados pelo CittaMobi, que apesar de estar ligado a um produto comercial, ainda assim exibe propagandas, inclusive prejudicando a navegação pelo mapa.

CittaMobi sendo usado para consultar ônibus de Santo André. A utilização do controle de ampliação do mapa é prejudicada por um anúncio duvidoso

Não é possível traçar rotas, o que torna hostil o transporte das cidades cobertas para quem não tem domínio prévio do sistema (algo que, dependendo das dimensões da cidade e do funcionamento do sistema, mesmo passageiros assíduos podem não ter).

A última atualização ampliou a função de favoritos, permitindo que o passageiro cadastre locais como o trabalho e a residência. Nas capturas de tela, podemos ver a guia “Cards” no topo, é justamente para isso que ela serve.

CittaMobi sendo usado para consultar ônibus de Santo André

No geral, posso dizer que o CittaMobi se compararia ao Cadê o Ônibus? antes da nova função de planejamento de rotas. Ele tem alguns recursos que permitem reportar problemas, mas não tive uma oportunidade para experimentá-los.

Informações extraídas do Google Play:

  • Tamanho: 8,9M
  • Instalações: 1.000.000–5.000.000
  • Versão atual: 4.0.12
  • Requer Android: 2.3 ou superior
  • Classificação do conteúdo: Classificação Livre
  • Oferecido por: Cittati

O cidadão social: Moovit

Tendo recebido uma nova interface em abril de 2015, o Moovit já está na estrada há alguns anos. Mais colorida, a nova interface vai além da cor laranja que até hoje caracteriza o ícone do programa, porém, ela acaba escondendo alguns recursos, embora tenha me deixado bem confortável na maior parte do tempo.

Os recursos sociais do Moovit são notáveis, é possível “embarcar” numa linha e registrar as chegadas e partidas dos trens do Metrô e da CPTM, bem como dos ônibus. Como podemos ver acima (da direita para a esquerda, segunda e terceira capturas de tela), o programa acaba tratando trens como ônibus em algumas situações

Quando usado na Grande São Paulo, o Moovit não fica amarrado apenas ao quarteto SPTrans-EMTU-Metrô-CPTM, o que é um destaque e tanto, contudo, para funcionar corretamente, a cidade precisa adotar o GTFS e submeter informações ao Google, uma medida que não é tão simples assim, como já abordamos no passado.

Testando trajetos em outras cidades da Região Metropolitana de São Paulo, como Mogi da Cruzes e Guarulhos, as linhas foram identificadas perfeitamente, além disso, fora do GTFS, verificamos que o Moovit suporta as linhas de São Bernardo do Campo.

Moovit exibindo (da esquerda para a direita) linhas de ônibus das cidades de Guarulhos, Mogi das Cruzes e São Bernardo do Campo

Apesar de ter gostado muito do Moovit, achei que o algorítimo para rotas precisa de alguns ajustes. Simulei alguns trajetos e, em comparação com o Trafi, recebi menos resultados, alguns bem ruins. Outra coisa que me irritou um pouco, foi a insistência em oferecer um táxi, o que acaba sendo compensado pelo fato de não existirem propagandas chatas, como é o caso dos outros dois aplicativos abordados no início, Cadê o Ônibus? e CittaMobi.

Utilizando diariamente, o Moovit (da direita para a esquerda) sugeriu automaticamente um táxi quando o algorítimo detectou que o tempo de espera do ônibus seria um inconveniente, porém, nem o programa nem sempre fez boas sugestões de rotas para mim, porém, revelou versatilidade ao poder ser usado para consultar e recarregar um cartão BOM da EMTU

O Moovit é versátil e relativamente integrado à Grande São Paulo, seus desenvolvedores precisam apenas melhorar o algorítimo para rotas e ajustar alguns detalhes nas linhas da CPTM, pois nem sempre o nome é exibido (aconteceu com a Linha 7-Rubi em várias situações).

Informações extraídas do Google Play:

  • Tamanho: Varia de acordo com o dispositivo
  • Instalações: 10.000.000–50.000.000
  • Versão atual: Varia de acordo com o dispositivo
  • Requer Android: Varia de acordo com o dispositivo
  • Classificação do conteúdo: Classificação Livre
  • Oferecido por: Moovit

Abrindo mão da nuvem: Trafi

O Trafi chegou recentemente no Brasil, suportando oficialmente apenas Rio de Janeiro e São Paulo. Como nosso foco é a mobilidade em São Paulo, eu não pude deixar de observar que o aplicativo não suporta cidades fora da capital para trajetos no seu planejador de rotas, também observei que as tarifas são calculadas ignorando qualquer tipo de integração (questionei o desenvolvedor, mas fui informado de que o funcionamento está correto), fora isso, o conjunto oferecido é bem sólido e arrisco dizer que o Moovit finalmente ganhou um rival de peso.

Trafi e sua interface, cujas funções são acessadas por um menu na lateral (da direita para a esquerda), sendo aqui visíveis: a função “Tabela de horários”, que consulta intervalos, o detalhamento dos horários de uma linha da SPTrans e os resultados de rotas propostas após a conclusão da busca

A interface do programa é predominantemente vermelha, mas as cores mudam para indicar certos tipos de serviços de transporte. O bacana é que ela é bastante limpa e no geral, funciona muito bem, sem colocar obstáculos desnecessários. Um charme adicional da interface é a capacidade de representar a movimentação dos ônibus no mapa.

Como comentado na avaliação do Moovit, o que me impressionou no Trafi foi o algorítimo para as rotas. Outro membro do Coletivo fez um teste e também gostou das sugestões, inclusive comparando com o Cadê o Ônibus?, que propôs uma viagem combinando desnecessariamente uma linha da EMTU.

Simulando um trajeto entre a Estação Palmeiras-Barra Funda e o Centro Comercial de Alphaville (telas do Trafi da esquerda para a direita, exibindo a consulta dos resultados e a visualização de uma das rotas propostas)

Além do algorítimo mais eficiente para traçar rotas, outros pontos se destacaram: (i) sua função de favoritos permite organizar a ordem das linhas, algo que o Moovit não deixa fazer; (ii) há uma funcionalidade para consultar estações de compartilhamento de bicicletas; (iii) é possível consultar os horários das linhas sem estar conectado à Internet, bastando baixar os horários previamente, ou seja, você pode baixar/atualizar os horários quando estiver em casa e depois consultar os horários na rua sem gastar sua franquia de dados.

Modo offline e bicicletas diferenciam o Trafi (da direita para a esquerda): notificação sobre a disponibilização do modo offline, então uma novidade; consulta de estações pela lista; consulta de estações pelo mapa

É uma pena que o programa ainda não suporte outras cidades da Região Metropolitana de São Paulo, como Guarulhos e Mogi das Cruzes, que disponibilizam os dados via GTFS, com o algorítimo existente, com certeza não haveria dificuldades para sugerir boas rotas.

Informações extraídas do Google Play:

  • Instalações: 500.000–1.000.000
  • Requer Android: 4.0 ou superior
  • Classificação do conteúdo: Classificação Livre
  • Oferecido por: TRAFI

Conclusão

Nenhum dos aplicativos que eu mostrei é perfeito, contudo, todos eles reduzem a distância entre o passageiro e o sistema de transporte coletivo, assim, posso afirmar que ter alguns deles instalado no smartphone pode reduzir a ansiedade e facilitar a obtenção de informações que, de outra forma, precisariam exigir um computador ou um funcionário.

Não pretendo aqui dar um veredito sobre qual é o melhor, como disse no início, o Coletivo não está endossando nenhum aplicativo, minha intenção foi mostrar que hoje existem opções que facilitam a vida de quem usa o transporte, seja exibindo os horários dos ônibus, seja calculando rotas e alertando sobre falhas.

Acredito que o transporte coletivo também tem espaço para ser modernizado por meio da tecnologia, não somente, vou além: aplicativos como o Moovit e o Trafi elevam a experiência de uso do transporte coletivo, pois a enriquecem com informações e recursos que dão ao passageiro um maior poder para a tomada de decisões, em alguns casos de forma bem divertida.

por Caio César | colaboraram Diego Vieira e Eduardo Ganança