Fundação da cidade de “Terezinha-PE”

Ementa — 05/17 — A família Alves de Miranda

por: Eduardo Padilha dos Santos

Abílio Alves de Miranda e sua esposa Maria Paixão de Miranda

Consta da documentação territorial do IBGE, ter sido o Sr. Abílio Alves de Miranda, com o propósito de organizar um povoado por volta do ano de 1933, construir uma mercearia no Sítio denominado Limeira, em terras do Sr. Agostinho Ferreira Cavalcanti.

Terezinha teve as seguintes denominações: Sítio Limeira, Rua Nova, Vila de Santa Terezinha e atualmente Terezinha.

Sr. Abílio Alves de Miranda — (1895–1945)

Nascido em 26.02.1895 em Bom Conselho-PE e falecido em 22.11.1945 também em Bom Conselho-PE, filho do Capitão Urbano Pinto de Miranda e Emília Alves de Miranda, tudo indica serem descendentes do tronco de Joaquim Pinto de Miranda Seabra (f. 03.04.1852, proprietário da Fazenda Pau Ferro nas Águas Belas) e Ana Tenório de Albuquerque, entretanto ainda precisamos de maiores comprovações.

Sr. Abílio Alves de Miranda, em idos de 1933, estabelece-se no sitio denominado Limeira onde firma seu comércio intitulado como “Secos e Molhados”, onde inicia-se um novo progresso naquela região, podemos notar o desenvolvimento do povoado que ali surge até a fundação da cidade de Terezinha, através desse relato de próprio punho, escrito por Plínio Alves de Miranda irmão do Sr. Abílio Alves de Miranda.

Meu Legado — Foto Reprodução I
Meu Legado — Foto Reprodução II
Transcrição
Fundação da cidade de “Terezinha”
A cidade de TEREZINHA acha-se situada no local outrora denominado “Olho D’água da Mata”, do município de Bom Conselho.
Em princípios de 1933, o local onde hoje se ergue a cidade, era uma capoeira, cortada pela estrada de rodagem, único marco de civilização na região, época em que comprando uma pequena fazenda nas proximidades do local, veio ali residir o Sr. Abílio Alves de Miranda, natural de Bom Conselho e filho do capitão Urbano Pinto de Miranda e Emília Alves de Miranda.
Vendo que o local era muito habitado e favorável a negócios, estabeleceu-se com o comércio de secos e molhados.
Notando a grande afluência de povo e começando a participar e sentir as necessidades primárias daquela gente, forçada que era a percorrer grandes distâncias para aquisição do necessário, resolveu fazer uma feira defronte á sua residência.
A feira teve tal êxito econômico e social, chegando a chamar a atenção do governo municipal de Bom Conselho e seu então prefeito, cel. JOSÉ ABÍLIO, foi ver a dita feira, onde recebeu queixas de um outro bodegueiro, estabelecido umas centenas de metros do Sr. Abílio Miranda, que se sentia prejudicado. Resolveu-se então, colher através de uma eleição, a opinião pública. Apurado o resultado, a feira seria por grande maioria defronte a residência do Sr. Abílio Alves de Miranda, porém como este não era possuído de egoísmo, resolveu que a feira se fizesse num local que satisfizesse a ambos. Escolheu então o local onde hoje desenvolveu-se a cidade, por ser plano e propício de clima. Inicialmente, então, o desbravamento do terreno, construindo uma casa e também levando em consideração as necessidades espirituais da gente que para ali começou a transferir-se, construiu uma pequena capela, onde mensalmente mandava celebrar o santo sacrifício da missa, para o qual, era festivamente recebido em sua residência, o Bispo D. Joaquim de Almeida, paraibano, residindo em Bom Conselho, por motivo de saúde. No dia de missa sua casa acolhia a todos e, não eram poucos os batizados e casamentos ali realizados. Aos poucos, o povoado começou a crescer e Padre Alfredo, pároco de Bom Conselho, sentiu a necessidade de se construir uma verdadeira Igreja, para o que muito trabalhou Abílio Alves de Miranda, apontado que foi, o “pai dos pobres”, dado a sua maneira bondosa e “mão aberta” para todos. Ao término da construção da Igreja, nascia-lhe mais uma filha, na qual por influência de Pe. Alfredo pôs o nome de TEREZINHA, dando como padroeira do povoado “SANTA TEREZINHA DO MENINO JESUS” e no próprio povoado o nome de Santa Terezinha, hoje, ”TEREZINHA”.

Conclusão

Assim como muitos outros povoados que tornaram-se cidades, podemos perceber a tamanha contribuição do Sr. Abílio Alves de Miranda para proporcionar acolhimento ao povo necessitado e a outros que lutaram para transformar Terezinha em Município.

Até a próxima…..

Eduardo Padilha dos Santos

Agradecimentos,

Ana Maria Miranda Luna.