Sou um fracasso do sonho brasileiro

Por que troquei o [desejado] sonho brasileiro pelo [temido] desafio mundial


Por que você não faz um concurso público para ter um emprego estável, tranquilo e garantir seu futuro? — minha mãe em 2005

Aos 17 anos resolvi que seria professor de matemática… péssima escolha, professor de escola particular trabalha dia e noite, não ganha dinheiro e não tem um mínimo de estabilidade para planejar o futuro.

Obs.: Esse texto pode fazer alguns velhos amigos virarem a cara pra mim na rua.


Você quer ser Rei ou ser Rico?

No Brasil quanto mais cedo você passar num concurso público melhor, assim terá mais tempo para curtir a vida e garantir uma boa aposentadoria. Quem sabe até emplacar aquele emprego que você só precisa trabalhar 8 horas a cada 3 dias, perfeito!

Cresci no meio de pessoas cujo sonho profissional era passar num bom concurso público, seja do que for, vi muito gordinho querendo ser da polícia federal, muita gente que mal sabia fazer uma divisão fazendo concurso para banco e dezenas de grandes talentos, pessoas incrivelmente inteligentes estudando dia e noite para ser auditor fiscal, seja lá o que isso faça.

Essa semana li um texto entitulado “Eu quase falei mal do Eike Batista”, realmente há muitos motivos para achar o Eike Batista um babaca (com perdão do termo), mas estamos nos Brasil… quantos dos seus amigos com menos de 25 anos querem fazer concurso público?

Nossos amigos acreditam que ter um cargo público de alto nível traz um baita status social, os verdadeiros servidores da nação, já os empresários cujas empresas tem centenas de funcionários só chegaram lá porque fizeram algo de errado no caminho, explorando as pessoas.

Para concurseiros bom é ser Rei, ter poder e ser respeitado. Os que escolheram ser Ricos, vistos como capitalistas selvagens — termo utilizado pela primeira vez por Karl Marx em O Capital —, estão cometendo um crime digno de repúdio.

Mas qual o problema em ser funcionário público? Nenhum, há sim, aqueles que buscam cargos públicos por terem na função que exercerão o objetivo profissional.

O ponto que me fez escrever esse texto está no mindset de parte dos jovens brasileiros, para os quais o sucesso profissional está relacionado à cargos públicos, pois assim terão estabilidade, conforto e segurança.

Quando olhamos para personas como o Eike Batista devemos lembrar que seu objetivo profissional é um tanto estranho para um brasileiro, ele buscou ser o homem mais rico do mundo, para isso criou empresas, empregou pessoas, mesmo dando errado. Isso mostra que o capitalismo não é feito só de sucesso. Mas ele saiu da sua zona de conforto, foi lá e fez.

Por que eu desisti do sonho brasileiro?

Quando decidi ser professor tinha uma causa, poder deixar conhecimento que transformasse realidades, fui um dos primeiros professores na minha cidade a pensar o ensino da Matemática a nível médio focado em aplicações práticas, foi realmente inovador e quase fui demitido por isso.

Mesmo com um propósito queria ganhar dinheiro, sim, queria ser rico! Aos 23 anos, 6 anos como professor das melhores escolas do Recife, tinha conquistado um salário que alguns companheiros de profissão levam 15 ou 20 anos de trabalho árduo para atingir. Nada mal, mas sabia que poderia atingir objetivos ainda maiores.

Contrariando minha família e amigos nunca dei a mínima para os concursos, até fiz alguns sem saber nem quais eram os assuntos. Não queria passar o resto da vida seguindo um caminho padrão, para quem sabe um dia ter esse status de "Rei".

Dei muitos passos para trás e me posicionei frente uma montanha tão grande que não é possível ver o topo, é lá que eu quero chegar. Então eu quero ser o homem mais rico do mundo, o novo Eike? Não, mas meu sucesso não virá da estabilidade pública, ele virá dos desafios vencidos nessa jornada.

O prazer da jornada empreendedora é tão bom quanto o de atingir o ápice do sucesso!

O empreendedorismo como motor para transformar realidades

Não poderia deixar meus propósitos e valores de lado para tentar ser Rico. Eu continuo trabalhando para transformar vidas, agora dos meus clientes, das pessoas que estão ao meu redor dando o máximo para construir soluções de impacto global e daqueles que estão iniciando sua jornada empreendedora.

Foi nessa momento que troquei o desejado sonho brasileiro pelo temido desafio mundial, eu posso ser mais que uma pessoa na média, você também!

Essa escolha pelo empreendedorismo não é uma fantasia da minha cabeça, neste viagem para a Califórnia pude constatar porque que este estado dos EUA, sozinho, tem o PIB maior que o do Brasil, inteiro!

Pensar em capitalismo não é ser como um selvagem, é permitir que seu estado e país possam crescer, gerando riquezas e diminuindo as desigualdades. Aqui no Vale do Silício os jovens com menos de 25 anos querem ter a próxima empresa de 1 bilhão de dólares, isso mostra que o mindset está focado em buscar caminhos criativos e inovadores para gerar riqueza.


Não estou aqui para inverter a visão, transformar concursados em preguiçosos, longe de mim. Estou aqui para mostrar que existe sucesso puro, genuíno e honesto fora de um cargo público, estou aqui para mostrar que querer ser rico não é só um sonho bobo e que chegar lá não é um crime.

Não podemos negar que o mundo está sendo modificado significativamente por empreendedores, muitos mais novos que você (independente da sua idade, há empreendedores mais novos que estão trabalhando para contribuir com esta mudança).

Hoje, 10 anos depois de decidir que não seria funcionário público estou vivendo o desafio mundial, vivendo com minha empresa no Vale do Silício onde as pessoas respiram novas oportunidades para entregarem ao mundo algo que melhore o dia a dia resolvendo problemas relevantes nos mais diversos mercados.

O Brasil pode ser mais que um bom concurso?

Vou lhe dar uma notícia em "primeira mão", há desonestos em todas as áreas, se não fosse assim não estaríamos saindo às ruas com panelas pedindo mudanças públicas nem vibrando quando empresários aproveitadores são pegos e condenados por seus erros.

Frente esta notícia, a mudança real acontecerá no Brasil quando deixarmos de exigir mudanças públicas ou privadas e começarmos a trabalhar para sermos esta mudança, o problema está nas pessoas.

Quando você enxergar o empreendedorismo e seus empresários como motores para novas oportunidades e não só como um celeiro de pilantras que se beneficiam dos outros para ficarem ricos; perceberá também que há muita oportunidade para quem arriscar sair da zona de conforto. Oportunidades para quem não quer uma segurança que priva a capacidade de criar e executar algo novo e inovador.


Felizmente essa semana o Presidente Barack Obama falou no Global Entrepreneurship, falou sobre a importância dos empreendedores nos EUA e no mundo, veja o video com atenção, principalmente após o minuto 13:50.


Se esse texto lhe ajudou deixe um “joinha” ☺

Luiz Fernando Gomes: www.dicasdovale.com (lfcdsg88@gmail.com)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.