O olhar da coruja

Vi uma coruja ontem. Eu caminhava para casa com a noite já bem adiantada, a rua iluminada apenas de quando em quando conforme queriam os faróis dos carros passando, e de repente, num dançar de luzes, lá estava ela me encarando do galho de uma pequena árvore. Não usava óculos como nos desenhos e não me pareceu muito preocupada por ter sido descoberta, decerto que não estava a cometer delitos noturnos. Parei para olhá-la, aqueles olhos enormes e sérios, mas o trânsito não parou e entre uma escuridão e outra, o galho vazio.

Causou-me certo estranhamento aquele encontro (Bandeira diria que foi um “alumbramento”). É claro que já vi corujas antes, mas foi menos num zoológico do que na tela do computador ou da TV. Lembro-me também que uma vez fui à casa de uma amiga cujos pais eram professores e, na sala de estudos, havia, entre apostilas e livros sem pó, uma centena de corujas de madeira, argila, plástico, vidro, porcelana, etc. Era para representar a inteligência, mas o negócio era meio bizarro, com jeitão de seita satânica docente. Na época achei legal.

Voltemos à minha coruja no galho. Como disse, eu caminhava para casa quando fui surpreendido pela visão daquele animal. Digo surpreendido, pois neste ir e vir cotidiano, pouco me dou conta da paisagem, uma vez que a repetição tende a ir borrando os contornos tanto da visão, quanto da memória. Parece necessário que algo atípico cruze nosso caminho para enfim diminuirmos o passo: é como andar apressado pela cidade, todos sempre atrasados, e do nada cruzar o olhar com alguém no meio da multidão: um breve sorriso e o tempo nos dá uma folga, há silêncio, conjecturas de um futuro sem solidão.

Se isso for verdade, as coisas só passariam realmente a existir para nós depois que parássemos para olhá-las com mais atenção, caso contrário seriam apenas um borrão, uma sombra.

Eu vi a coruja, não foi apenas um vulto. E quando essa possibilidade surge — parar e observar o mundo acontecendo — é como se nos reconciliássemos com a vida, pois sei que a coruja também me viu e, neste breve segundo, por meio dos seus olhos, de certa forma eu também passei a existir.

Publicado originalmente em 26/06/2012 no blog Devaneios do Cotidiano

Like what you read? Give Eder Alex a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.