O Espírito de Ficção Científica

Com a parceria que temos com a Companhia das Letras, eu, Lucas Gonçalves, pude navegar por diferentes autores de diversas partes do mundo. Muitas vezes, até por gêneros que particularmente me dão gana de ler, seja por entretenimento ou por aperfeiçoamento da alma. Essa experiência vem sendo gratificante!

Confesso que esse livro do Roberto Bolaño me ganhou pelo título. Desculpem-me, mas, sim, julguei pela capa! Porém, quando notei que era de um autor chileno e um romance inédito em solo brasileiro, não pude resistir. O fato é que O Espírito da Ficção Científica é uma obra escrita na juventude do autor e foi lançada postumamente por um de seus herdeiros. O romance está inacabado, entretanto, é possível verificar de maneira bastante densa como é a forma de escrita do autor.

Então, vamos lá para um pouco da história. O Espírito da Ficção Científica retrata a vida de dois jovens aspirantes a escritores, Jan Schrella e Remo Morán, ambos apaixonados por ficção cientifica e que, para se sustentarem, escrevem pequenas histórias para jornais e revistas da cidade, mostrando também o lado nada belo de querer viver de contar histórias. Me atrevo a dizer que esse relato seja um tanto quanto autobiográfico, demonstrando a inocência de jovens escritores rodeados de pobreza na Cidade do México.

“Pensei que nunca aconteceria nada de mau conosco naquela cidade tão acolhedora (…) Como agora são tristes e transparentes em minha memória aqueles primeiros sorrisos mexicanos.”

Pois bem, em minha opinião, a história toda demora a pegar e engrenar. Logo no começo, Bolaño fica intercalando capítulos de entrevistas com um suposto autor premiado por seu livro com cartas de Jan Schrella para célebres autores de ficção cientifica. Até o romance começar, você já estará perdido na maneira experimental de apresentar a narrativa.

Foi um tanto difícil para que eu pudesse acompanhar, mas posso dizer que os leitores (diferente de mim) já iniciados no mundo de Bolaño, seja através de 2666 ou de Os Detetives Selvagens, levarão ligeira vantagem. Então, se você for iniciante na obra desse autor, talvez seja melhor começar por outra obra.