Aposentadoria privada: o que é e como funciona

A aposentadoria privada está desvinculada do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), e pode se configurar como uma interessante alternativa de investimento complementar ao INSS a depender de seus objetivos.

De acordo com dados preocupantes da pesquisa SESC/FPA, no Brasil as pessoas não recebem preparação específica para a aposentadoria. Nessa pesquisa, 95% dos idosos aposentados afirmaram não ter tido acesso à informação sobre planos de previdência. Dessa maneira, nesse post, serão respondidas perguntas sobre o que são os planos de aposentadoria privada , previdência, e como funcionam.

Atualmente, existem dois tipos de previdência complementar: os planos abertos e os planos fechados.

Quais os tipos de planos de aposentadoria privada?

a. Planos abertos

Qualquer pessoa física pode contratar um plano de previdência aberta por meio de um banco ou seguradora. O Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) é indicado para o cotista que preenche a declaração completa do Imposto de Renda, existindo possibilidade de até 12% de abatimento da renda anual do Imposto de Renda. Já o Vida Gerador de Benefício Livre (VDBL) é recomendado para pessoas que não tem renda tributável para o imposto de renda. Esse tipo de investimento não pode ser abatido do Imposto de Renda. A tributação ocorre de acordo com o rendimento do montante investido no momento da retirada.

A Susep (Superintendência de Seguros Privados), ligada ao Ministério da Fazenda, é o orgão público responsável por fiscalizar os planos abertos de aposentadoria privada.

b. Planos fechados

Os planos fechados são voltados para empresas, sindicatos, companhias e organizações trabalhistas. Esse fundos possuem taxas de administração subsidiadas, e não podem ser comercializados para pessoas de fora dessas organizações.

Quais as taxas cobradas por empresas de previdência complementar?

Normalmente, as entidades financeiras podem cobrar três taxas de seus cotistas. Essas taxas podem variar de acordo com as entidades responsáveis por gerir os fundos de aposentadoria privada.

A. A taxa de carregamento, que é tributada sobre cada contribuição. É importante que contribuintes mensais estejam atentos a cobrança desse tipo de taxa, para que não tenham reduzidos os seus investimentos.

B. A taxa de gestão, normalmente aplicada anualmente, reside sobre o patrimônio acumulado no fundo.

C. A taxa de saída é aplicada sobre o resgate do valor investido. Algumas companhias não cobram esse valor.

Quais as vantagens e desvantagens de se investir em aposentadoria privada?

VantagensDesvantagens

  • É possível escolher o valor e a periodicidade da contribuição
  • O dinheiro investido pode ser retirado a qualquer momento
  • Permite portabilidade
  • Pode garantir renda complementar na velhice — uma vez que o INSS fornece renda insuficiente para sustentação de padrões de consumo.
  • Altas taxas administrativas, cobradas especialmente por bancos
  • Rentabilidade abaixo da média quando comparada a outros tipos de investimentos, como títulos.
  • Se você decidir retirar o dinheiro a curto prazo, a tributação será enorme

Existe idade mínima para começar o investimento em previdência privada?

Não há critério de idade mínima nem comprovação de renda. Os pais, por exemplo, podem investir em planos de aposentadoria privada para seus filhos desde a infância.

No entanto, apesar de não haver idade mínima, o ideal é que os investimentos em previdência privada comecem o mais cedo possível. Quanto mais tarde for realizado o investimento, maior deverá ser o aporte mensal de recursos para que se garanta a renda desejada no futuro.

Qual plano de aposentadoria é o mais adequado para o meu perfil?

Assim como outros tipos de investimentos, é necessário conhecer a previdência privada para obter o maior número de vantagens possíveis a menores riscos e custos. A idade, o prazo de contribuição, a capacidade de poupar e os seus objetivos a longo prazo são fatores importantes que devem ser considerados na escolha de um plano de aposentadoria privada. Deve-se ter em mente que investimentos em previdência privada são investimentos a longo prazo.