Os quatro maiores mitos sobre a rentabilidade da poupança

A caderneta de poupança costuma ser a primeira opção de investimento de brasileiros que decidem economizar. No entanto, conforme já falamos sobre como as poupanças funcionam, destinar suas economias à conta poupança não é uma escolha muito inteligente. É fundamental ter em mente que os rendimentos podem ser tão baixos que alguns especialistas preferem nem classificá-la como um tipo de investimento. No cenário atual, você perde dinheiro ao deixá-lo guardado em uma caderneta de poupança. Nesse post, abordaremos os cinco maiores mitos em relação à rentabilidade da poupança.

Em primeiro lugar: como a poupança rende?

Para desmistificar mitos sobre as cadernetas de poupança, é necessário compreender como funcionam as normas que determinam a remuneração das aplicações. No início de 2012, houve alterações nas regras que determinavam a rentabilidade da poupança, tornando-a ainda mais desvantajosa. As mudanças designaram que a partir de 2012, a poupança renderia de acordo com a Taxa Referencial (TR) e a Taxa Selic.

A rentabilidade da poupança é mensalizada. Se a Taxa Selic for superior a 8,5% ao ano, os rendimentos são calculados a 0,5% ao mês de retorno acrescida da TR. No caso de a taxa básica ser igual ou inferior a 8,5%, a poupança rende 70% da Selic ao mês, mais a TR. A remuneração é calculada de acordo com a data de aniversário. Ou seja, é aplicada tendo em vista o menor saldo do período.

Ainda, para medir os ganhos reais, você deve subtrair a rentabilidade pela inflação. Atualmente, a poupança rende a taxas inferiores da inflação, ou seja: se você investe em uma caderneta de poupança, você está perdendo dinheiro.

Agora que entendemos como a rentabilidade da poupança é calculada, vamos aprender os maiores mitos sobre a rentabilidade da poupança:


1. A rentabilidade da poupança não é garantida

Todos os bancos devem seguir as mesmas regras de cálculo de rentabilidade. Apesar disso, ao contrário do que muitas pessoas pensam, os rendimentos da caderneta de poupança não são garantidos. Em épocas de crises e altas inflacionárias, o dinheiro é desvalorizado.

2. A caderneta de poupança não é completamente isenta de taxas

Acreditar que uma caderneta de poupança é completamente isenta de taxas é um erro. De fato, bancos não podem cobrar tarifas de administração. Também não podem ser cobrados saques que foram realizados antes do segundo saque mensal. No entanto, os bancos são autorizados a cobrar por transferências e outras movimentações. Mesmo que não sejam taxas muito exorbitantes, ainda sim existem e devem ser consideradas em seu cálculo.

3. Os baixos rendimentos não compensam os baixos riscos

Acreditar que a poupança é o único investimento seguro é um engano. Ao contrário do que pensa o senso comum, a caderneta de poupança é tão estável quanto outros tipos de investimentos. O CDB, por exemplo, também é assegurado pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). A poupança é inclusive tão segura quanto investimentos fora de bancos, ao contrário de crenças populares.

Algumas pessoas também imaginam que a baixa rentabilidade da poupança está justificada pela suposta segurança desse tipo de investimento. Para esses indivíduos, é melhor ganhar pouco do que perder tudo, certo?

Errado. Esse tipo de pensamento ignora a regra fundamental do investidor: A segurança se garante justamente na diversificação da carteira de investimentos, que dilui os riscos e ampliar os lucros.

4. A liquidez não é tão vantajosa ao considerar a data de aniversário

A liquidez costuma ser divulgada como a maior vantagem da caderneta de poupança. Você pode sacar o dinheiro quando quiser. Ainda que você tenha dois saques isentos de taxas garantidos pelo Banco Central, você pode se prejudicar pela regra da data de aniversário. A remuneração é realizada de acordo com o menor saldo do período.

Por exemplo, se você tinha dez mil reais e realizou saque de 9 mil reais um dia antes da data de aniversário, o rendimento da poupança será calculado tendo em vista os mil reais.

É importante ter em mente que a poupança não é o único investimento com alta liquidez.


Não quero investir na caderneta de poupança: o que fazer?

Nesse post vimos porque confiar suas economias na rentabilidade da poupança é o seu pior erro. Se você gostaria de maximizar os seus rendimentos com segurança, você pode buscar por outras modalidades de investimento melhores que a tradicional caderneta de poupança.