Apresentação

A mostra Ida Lupino — Subversão e Resiliência apresenta ao público quatro obras fundamentais da filmografia de Ida Lupino, atriz, diretora, produtora e roteirista, reconhecida em Hollywood por realizar filmes de baixo orçamento, dentro de sua produtora independente The Filmmakers, na década de 1940 e 1950, fundada com seu marido Collier Young. Em 1953, ela dirige O Mundo Odeia-me (The Hitch-Hiker), considerado o primeiro filme noir a ser dirigido por uma mulher.

Como diretora, Lupino realizou filmes com apuro formal em diálogo com o melodrama e o noir, que lidavam sobre temas considerados controversos dentro da indústria hollywoodiana sob a cartilha do Código Hays: a maternidade fora do casamento, o estupro, a bigamia. Not wanted (1949), O Mundo é o Culpado (1950), Laços de Sangue (1951) e O Mundo Odeia-me (1953) são os filmes escolhidos para esta mostra, não só por aprofundar temas fortes da sociedade norte-americana do pós-guerra, como também por ousar esteticamente na forma.

Not wanted narra a trajetória de uma jovem de 19 anos, que se torna mãe solteira e precisar entregar seu filho para adoção. O Mundo é o Culpado trata de estupro. Em Laços de Sangue, uma mãe deseja ascender socialmente ao investir no talento da filha, uma tenista talentosa. O Mundo Odeia-me acompanha dois homens que dão carona a um assassino. Após as exibições, serão realizados debates com críticos e pesquisadores de cinema, para aprofundar as questões lançadas por cada filme, sempre colocando em perspectiva o contexto em que foram realizados.

A curadoria da mostra é da jornalista, curadora e crítica de cinema Camila Vieira, doutoranda em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), integrante da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine), da Associação Cearense de Críticos de Cinema (Aceccine) e das Elviras — Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema. Foi curadora do Cineclube Delas, no Tempo Glauber (RJ), de julho de 2016 a setembro de 2017. Escreve regularmente no blog Sobrecinema e nos sites Multiplot e Revista Moventes.

Mostra Ida Lupino — Subversão e Resiliência

Quando: 6, 13, 20 e 27 (quartas-feiras) de dezembro de 2017, a partir das 18h30

Onde: auditório da Vila das Artes (rua 24 de Maio, 1221 — Centro — Fortaleza-CE)

Entrada franca

Programação completa:

6/12

NOT WANTED

Direção: Ida Lupino

Ano: 1949

Duração: 92 min.

País: EUA

Classificação indicativa: 12 anos

Not Wanted

Sinopse: Sally, uma garota ingênua que trabalha como garçonete, se apaixona por um pianista que vive se mudando repentinamente, deixando-a grávida em uma sociedade sem muitas opções para uma mãe solteira.

Debate com: Camilla Osório

Currículo: Natural de Brasília, Camilla Osório é formada em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Realizou a curadoria da Mostra Percursos em 2016, do cineclube do Teatro Carlos Câmara com a temática de filmes de estudantes, em 2017, e do 16º Noia — Festival do Audiovisual Universitário. Foi jurada da Mostra Olhar do Ceará, no 27º Cine Ceará. Realizou os filmes “Ninguém inventou isso, fui eu que inventei” (2013), “Vermelho” (2015), “Todas as vezes que te vi” (2015) e “ Eu falo de nós” (2017).

13/12

O MUNDO É O CULPADO (OUTRAGE)

Direção: Ida Lupino

Ano: 1950

Duração: 74 min.

País: EUA

Classificação indicativa: 12 anos

O Mundo é o Culpado

Sinopse: Jovem é estuprada ao voltar para casa. Traumatizada, ela foge de casa e do noivo e tenta reconstruir a vida em outra cidade. Ao ser cortejada por um amigo, se desespera e quase o mata. No tribunal, é defendida por um pastor, que culpa a sociedade.

Debate com: Beatriz Saldanha

Currículo: Original de Fortaleza, Beatriz Saldanha é mestra em Comunicação Audiovisual pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM), de São Paulo, onde vive atualmente. Graduada em Letras pela Universidade Federal do Ceará (UFC), organizou os cineclubes Casa Amarela e João & Maria. Integra a Aceccine — Associação Cearense de Críticos de Cinema e o Elviras — Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema. Faz colaborações eventuais para os sites Interlúdio e Rocinante, e mantém a página Revista Les Diaboliques, onde escreve sobre horror. No momento, trabalha em um levantamento dos filmes do gênero que foram dirigidos por mulheres.

20/12

LAÇOS DE SANGUE (HARD, FAST AND BEAUTIFUL)

Direção: Ida Lupino

Ano: 1951

Duração: 78 min.

País: EUA

Classificação indicativa: 12 anos

Laços de Sangue

Sinopse: Quando a jovem Florence Farley demonstra ser um potencial talento para o tênis, sua mãe Millie e o ex-campeão Fletcher Locke percebem que podem agenciar a carreira dela e tirar proveito do sucesso dela. Quanto mais sucesso Florence ela obtém, mais ela se vê afastada daqueles que realmente se importam com ela, e então ela se vê dividida entre aqueles que a amam ou agradar sua ambiciosa mãe e seguir carreira no esporte.

Debate com: Grenda Costa

Currículo: Nascida em Quixadá, interior do Ceará, Grenda Costa é formada em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Ceará (UFC). É roteirista desde 2014 e realizou os curtas “Quem sabe um dia eu acordo meio você” e “Fortaleza, 30 de maio de 2014”. Seu filme “Mais uma história de amor sem título” foi exibido no VIII Janela Internacional de Cinema do Recife. Seu TCC, “Corpo Estranho”, teve estreia na Mostra Olhar do Ceará do 26° Festival Cine Ceará. Atua como assistente de direção, continuísta e produtora. Fez parte da equipe de realização de “O homem que virou armário”, de Marcelo Ikeda, “O clube dos canibais”, de Guto Parente, “Pedra”, de Diego Hoefel, “Inadequada”, de Mylla Fox, e na série televisiva “Lana & Carol”. É interessada na pesquisa das formas de representação da mulher no cinema.

27/12

O MUNDO ODEIA-ME (THE HITCH-HIKER)

Direção: Ida Lupino

Ano: 1953

País: EUA

Classificação indicativa: 12 anos

O Mundo Odeia-me

Sinopse: Roy Collins (Edmond O’Brien) e Gilbert Bowen (Frank Lovejoy) saem para pescar nas montanhas da Califórnia, mas acabam mudando de planos e decidem ir ao México. No caminho, oferecem carona para um estranho, sem imaginar tratar-se de Emmett Myers (William Talman), um perigoso facínora procurado nos EUA e conhecido como “o caronista assassino”.

Debate com: Ailton Monteiro

Currículo: Ailton Monteiro é mestre em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Ceará, tendo encerrado o curso com a dissertação “A construção da personagem sinha Vitória na tradução de Vidas secas para as telas”. É membro da Abraccine — Associação Brasileira de Críticos de Cinema e da Aceccine — Associação Cearense de Críticos de Cinema. Mantém o blog Diário de um Cinéfilo desde 2002 e contribui também com críticas para o site Pipoca Moderna.