O Homem Censo (Tinder SP)

Amigues do Manual, depois de me aventurar pelo Tinder no Rio de Janeiro, resolvi fazer um experimento e usei o aplicativo em São Paulo. A primeira sensação foi de choque total. Se os cariocas gostam de se exibir, muita praia, corpo, sunga e bens (muitos bens), os de São Paulo botam a cara no sol. Sim. Eles sabem o que querem e dizem de forma direta e objetiva o que procuram — qualidades e defeitos. Há aqueles que dizem o que não gostam, fazem listas e acredito que, se o aplicativo permitisse, postariam cronogramas, metas e diagramas. Paulista tem foco até pra arrumar mulher. Hahaha.

Em 30 minutos, recebi mais de uma dezena de matches. Um recorde nunca antes visto. Me senti poderosa. “Eu sou praticamente a rainha da cocada preta em São Paulo e não sabia.” O que estou fazendo no Rio? Voltando ao perfil dos usuários de Tinder… conversei com alguns rapazes, mas um em especial me chamou a atenção: o Homem Censo.

Muito seguro, objetivo me metralhou com muitas perguntas. Praticamente uma espécie de POF (Pesquisa de Orçamento Familiar do IBGE), no caso direcionada ao meu passado, presente e futuro no campo profissional e amoroso. Respondi algumas perguntas de forma polida e vi minha vida passando na minha frente. Em vez de continuar a bizarrice do censo-afetivo-sexual, resolvi argumentar sobre a abordagem. Aqueles critérios todos pareciam não estar funcionando, mas ele não enxergava.

Ele contou que utilizava diversos aplicativos e sites de encontro da mesma forma (Censo), pois estava “à procura da mulher certa, aquela que será para sempre” (palavras dele). Eu parei, olhei, respirei fundo. Me fiz a pergunta: “eu conto ou não conto que princesa encantada não existe? Que as mulheres peidam, arrotam, acordam sem maquiagem. Que não há qualquer garantia que alguma história amorosa seja “para sempre” e que a vida não está numa planilha de Excel”. Helllooooo! Acorda sapo!

Mas me aguentei e fiquei calada em respeito a ingenuidade daquele machão caçador de mulher no Tinder, senti pena, confesso. Meu Deus! Estava ali, diante de mim, um homem que acreditava em conto de fadas. Ele, no seu carro branco, buscava a dona do sapatinho de cristal.

Conclusão do Manual Prático da Mulher Solteira Independente: não existe nada que não possa te surpreender. E sim, existem homens que acreditam em conto de fadas.

Dica paras amigues: Meninas, fujam deles!

Conselho para os fofoletes: Amores, se vocês se identificaram com o homem-censo procurem terapia. Urgente. Beijo e não me liga, tô dispensando gente perdida. Socorro.