Glee: “Prom Queen” (2x20) — relações entre trilha sonora, identidade dos personagens e figurinos

Resumo: Neste artigo irei analisar de maneira geral a trajetória dos personagens da série Glee (Ryan Murphy, Brad Falchuck e Ian Brennan, 2009–2015) fazendo breves comentários sobre seus figurinos durante o episódio (2x20), Prom Queen, e falarei das trilhas sonoras usadas por cada um, fazendo uma relação com suas características pessoais.

No episódio “Prom Queen” (2x20) ocorre o baile onde os personagens usaram alguns figurinos um pouco diferentes do usual que costumam usar durante todos os episódios.

No figurino, é nítida a expressão da identidade de cada um. Em uma roupa de gala, parece que os personagens se transformam, mas a figurinista da série, Lou Eyrich, conseguiu realizar um trabalho excepcional em todos os personagens: desde aqueles com características mais comuns onde não nos esperamos surpreender com nada, até aqueles com características mais fortes e diferenciadas onde pensamos que “não é qualquer coisa que vai cair bem”. Anita Chaves é bem clara em sua monografia quando fala sobre figurinos e diz que:

Podemos afirmar que o figurino de um filme é um instrumento de linguagem cinematográfica, porque é um elemento semântico que produz uma sintaxe. Ele deve ser capaz de contar uma história mesmo sem o auxílio do roteiro. Por isso, o figurino é uma ferramenta de construção de sentidos e possui uma função dupla. (CHAVES, 2011, pág. 19)

Lauren (Ashley Rae Fink) vestida de menina foi praticamente um momento histórico. Mercedes (Amber Riley) e Santana (Naya Rivera) brilharam esbanjando sensualidade, bem como Rachel (Lea Michele) e Quinn (Dianna Agron) que não saíram dos moldes padrões que estão acostumadas a se encaixar. Mas quem de fato chamou a atenção no baile, não talvez por conta do figurino, mas pelo que causou nas pessoas devido a afirmação da sua orientação sexual e, mais do que isso, na naturalidade com que tratou tudo, foi Kurt (Chris Colfer) quando nomeado a rainha do baile, com direito a coroa e tudo. Segunda Anita, “ O figurino revela algumas informações específicas, em qualquer obra cinematográfica, para se atingir o objetivo de construir um olhar do espectador sobre aquele discurso” (CHAVES, 2011, p. 21) e ela diz ainda que:

O figurino é um conceito sempre ligado a um personagem porque ele representa a roupa que este está vestindo, mas não somente a ele. Assim, quando analisamos o figurino de um personagem, temos que entender também, o que ele não veste, ou o que vestem os personagens que estão à sua volta. A indumentária utilizada diz quem ele é, e a não utilizada, diz o que ele não é. Essa observação também é muito importante para a construção do olhar do espectador. (CHAVES, 2011, p. 20)

Rachel solou Rolling in the Deep da Adele e ela enquanto personagem competitiva, ambiciosa e egocêntrica, fez dessa música um desabafo em meio ao drama que vive com suas relações amorosas com Finn ao longo da série e mais especificamente nesse episódio. A atriz Lea Michele, que interpreta a personagem, descreveu os primeiros treze episódios da série como a “jornada de Rachel de encontrar-se dentro do glee clube”, explicando que ela “está aprendendo a ser uma jogadora de equipe e trabalhar dentro do grupo” (STARR, 2009). Isso traduz muito da personalidade da sua personagem que, apesar de perseverante e lutadora em busca do lugar que ela considera seu, ela também tem um lado um tanto quanto egoísta sem pensar nas consequências dos atos que faz para chegar até o holofote principal. Mas de todo modo, quem é que não tem defeitos?

Já a canção Isn’t she lovely do Stevie Wonder, interpretada por Artie, foi uma forma de expressão de carinho e afeto por Britanny, em uma tentativa de convencimento dela acompanhá-lo no baile, mostrando um pouco da personalidade do rapaz no episódio, o que não necessariamente acontece ao longo da série.

Artie é um garoto nerd e inteligente, é cadeirante pois aos 8 anos de idade sofreu um acidente de carro com sua mãe. Além de cantar, também toca guitarra e baixo, seu maior sonho é poder dançar e apesar das suas limitações, ele não deixa de fazer nada com o pessoal do clube do coral e muitas das vezes é o que mais surpreende nos números coreográficos durante a série.

Friday da Rebecca Black, pode ser considerada a surpresa musical da noite no episódio. A produção musical da série conseguiu transformar a música original em uma trilha dançante e marcante para o baile deixando até mesmo de parecer a mesma música. Um número um pouco mais clichê em cenas de baile como essa, a pista de dança lotada, todos se divertindo e claro, o trio Artie, Puck e Sam performaram muito bem.

E mais uma vez a Rachel vai apresentar um solo, dessa vez com a música Jar of Hearts, e de novo ela demonstra o seu lado melancólico e apaixonado por Finn, característica que já está clara na personagem não só desde o início deste episódio como desde o início da série em geral. Nesse número especificamente acontece um clima um tanto quanto estranho pelo fato dela trocar olhares com o Finn e o Jesse estar logo ali, mas de fato, Rachel precisa se reafirmar, mostrar para o que veio e, como em quase todas as situações, fazer um tipo de provocação.

Blaine (Darren Everett Criss), Tina (Jenna Ushkowitz) e Brittany (Heather Morris) interpretam a música I’m not gonna teach your boyfriend how to dance with you do Black Kids, e essa canção rendeu bons frutos para Blaine, já que ele não é um personagem com tanto destaque na série e através dessa música ele pôde expressar um pouco da sua personalidade e mostrar, por exemplo, que é bom fora dos Warblers. Desde que ele apareceu na série, desenvolveu uma relação especial com Kurt sendo inicialmente uma espécie de mentor para ele, ajudando-o a lidar com o bullying que Kurt sofria. Blaine aparenta ser um personagem discreto apesar de durante as performances ser bem extrovertido, como é o caso desse número.

A peça chave do episódio vem logo em seguida quando o Kurt é escolhido como a rainha do baile. Apesar de muitas pessoas já estarem cansadas da temática homofobia focada no Kurt ao longo da série, e apesar de ainda existir muita coisa para ser discutida em Glee e também na vida real, é importante o debate do tema e o encerramento desse episódio deixa claro isso.

Dancing Queen da banda Abba aparece no final para ilustrar perfeitamente a situação e fechar o episódio com chave de ouro. Arrisco a dizer que esse foi um dos episódios mais marcantes da temporada e que discutiu e fez os espectadores refletirem de maneira mais clara esse tema do preconceito e da homofobia, onde a expressão “sair do armário” foi temático na série não só pro Kurt, mas para outras personagens também, como Santana, por exemplo, pelo fato dela ter medo de se assumir lésbica e assumir para ela e para os outros a sua paixão pela sua melhor amiga Brittany. A atriz Naya Rivera, que faz o papel da Santana revelou sobre a identidade da personagem que a Santana é “uma garota má propensa a comentários sarcásticos”.

De acordo com a escolha e pesquisa do tema para esse artigo, foi possível chegar à conclusão de que em um objeto audiovisual o figurino é de extrema importância para a obra não só no sentido da beleza, mas no sentido de carregar uma história bem como uma identidade para cada personagem que o veste. Anita Chaves afirma isso quando ela fala que:

o figurino de um filme é um instrumento de linguagem cinematográfica, porque é um elemento semântico que produz uma sintaxe. Ele deve ser capaz de contar uma história mesmo sem o auxílio do roteiro. Por isso, o figurino é uma ferramenta de construção de sentidos e possui uma função dupla. (CHAVES, Anita. 2011, pág. 19)

Isso se torna claro a partir do momento que analisamos em Glee toda a trajetória de cada personagem ao longo da série mas principalmente no episódio escolhido, pelo fato de existir o baile de gala, que é um evento singular na trama. Quanto às trilhas tocadas, também foi possível observar que nenhuma música é escolhida aleatoriamente apenas pelo fato da melodia combinar com o clima da cena.

[…] toda música tem o seu poder expressivo, algumas mais e outras menos, mas todas têm um certo significado escondido por trás das notas, e esse significado constitui, afinal, o que uma peça está dizendo ou o que ela pretende dizer. (COPLAND, 1974 apud COSTA, 1985, p. 1–3)

Especificamente em Glee, isso não acontece. Todas as músicas carregam nas letras algum tipo de significado para a situação que os personagens estão vivenciando e isso é fantástico pelo fato de completar a expressão de sentimentos que os personagens querem traduzir nas atuações. Em um artigo publicado pela estudante Amanda Barbosa Borges, ela diz que:

A música na cena transforma totalmente o contexto visual de forma psicológica, dessa forma um mesmo cenário pode ser romântico ou assustador. A trilha sonora sempre tenta gerar emoção, pois a função da música no filme é justamente acentuar uma ideia. (BORGES, 2013, p. 13)

E ainda, segundo Vieira, “performance traduz uma maneira especial de se dar vida, expressão a conceitos e formas, geralmente tendo o próprio corpo como suporte material e essencial da expressão.” (VIEIRA, 1996, p. 338).

Referências bibliográficas

BORGES, Amanda. “A Importância da Trilha Sonora na Composição Emocional dos Filmes”. Monografia — UniCEUB, 2013.

CHAVES, Anita. “Do figurino de Amor, Sublime Amor”. Monografia — UFF, 2011. (Cáp. 2, pp. 19–23).

Apaixonados por séries (blog). Disponível em: <http://apaixonadosporseries.com.br/> Acesso em: 01 de agosto de 2016 às 21h10.

STARR, Michael. “Glee song bird”. New York Post. October 19, 2009.

VIEIRA, João Luiz. “Cinema e Performance”. In. XAVIER, Ismail (org). O Cinema do Século. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

“Twist Chats With Glee’s Naya Rivera” Bauer Publishing. September 15, 2009.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.