Projeto Viva Caligula celebra o nu como forma de empoderamento

Conheça o projeto de nus artísticos de Bruno Archie.

O corpo desnudo está conectado, na nossa sociedade, com diversas noções eróticas. As fotos sem roupas, também chamadas de nudes, ainda são vistas nesses parâmetros e nutrem, para algumas pessoas, um fetiche. Foi tentando desconstruir essa ideia que Bruno Archie desenvolveu o site Viva Caligula, um portfólio online com dezenas de ensaios de nu artístico. Entre homens, mulheres, drags e todos os gêneros existentes, é possível passear por um espaço de autodescoberta, desconstrução e empoderamento. Conheça mais sobre o projeto na entrevista:

Não faz a frígida: Como surgiu o Viva Caligula?

Bruno Archie: O site surgiu quando comecei a fotografar nus, por volta de 2011. Inicialmente, era pra ser usado apenas como portfólio online, sem muito conceito. Algum tempo depois, o Viva Caligula passou a adotar certos discursos quanto a auto aceitação e sexualidade, ganhando assim um conceito.

NFF: Por que você escolheu fotografar nus?

B.A: A vontade surgiu ainda na época que eu estudava moda. Vi o trabalho de fotógrafos como Steven Klein, Mert & Marcus e Juergen Teller. Fiquei fascinado com a exposição dos corpos nus naquele contexto, provocante mas não estritamente sexualizado. Na época, era ainda só uma admiração, não acreditava ser algo dentro da minha realidade. Foi com artistas como Bruce LaBruce, Slava Mogutin e Luigi & Luca que senti um pouco mais de segurança em me arriscar e fotografar meus primeiros nus.

NFF: Quais os limites do nu, para você?

B.A: Essa reflexão foi o ponto chave para eu direcionar o meu trabalho ao caminho que segue hoje. Depois que comecei a fotografar nus, percebi que a diferenciação entre “nu artístico” e “pornografia” me incomodava muito. As pessoas tendem a eufemizar dizendo “é nu MAS é artístico”, e tendem a acreditar que quando uma imagem apresenta sexualidade explícita perde seu valor artístico. No fim das contas, todos os termos são apenas convenções, que devem ser questionadas pois a sexualidade não deve ser interpretada como algo “errado”. Depois de começar a abordar essa questão da sexualidade passei também a refletir sobre a forma que lidamos com sua “matéria prima”, o corpo. Foi então que escrevi meu manifesto e passei a abordar a auto aceitação com meu trabalho.

NFF: E como a auto aceitação aparece no seu trabalho?

B.A: Para tentar levar essa mensagem, eu não podia protestar com a nudez dos outros. Dei a cara a tapa e passei a publicar auto retratos para aprender a encarar minha própria aparência e na esperança de inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. Aparentemente funcionou, pois perceb que todxs xs modelos que fotografei dali em diante não estavam apenas posando, mas exercitando essa auto estima, buscando auto aceitação através da exposição.

NFF: E como você acredita que os nus podem ajudar no processo de empoderamento?

B.A: Acredito que ao ver essas imagens, as pessoas se sintam provocadas e reflitam acerca das diversas possibilidades que existem mas não nos são mostradas. A mídia e a sociedade nos fazem acreditar que existem padrões corporais e comportamentais “corretos” a serem seguidos, marginalizando qualquer um que seja ou viva diferente dessa imposição. Resumindo, espero que as pessoas vejam meu trabalho e saibam que podem ser quem são e viver como querem, pois não estão sozinhas na quebra do sistema em que vivemos.

NFF: Planos futuros para o Viva Caligula?

B.A: Continuar crescendo, recrutando modelos e produzindo novos ensaios. Ainda há um longo caminho pela frente e espero carregar essas mensagens de libertação individual ao maior número de pessoas possível.

Os ensaios do site são feitos tanto com modelos escolhidos pelo Bruno, quanto por pessoas interessadas em posar. Tem interesse? Entre em contato através da página no facebook ou pelo e-mail: brunoarchie@gmail.com.

* As fotos nessa matéria são de autoria de Bruno Archie e fazem parte de ensaios do Viva Caligula.