O universo paralelo das pessoas que sofrem com ansiedade

Se você caiu aqui, provavelmente sofre um pouquinho (ou muito) com ansiedade ou simplesmente tem curiosidade pra entender a cabeça dessas pessoas “tão nervosas”que você certamente já perdeu a paciência uma vez ou outra. Apesar da sensibilidade, a gente até releva, pois é realmente difícil compreender uma realidade que não faz parte da sua vida. E como, mas como mesmo eu queria ser do tipo tranquilona.

Eu aprendi com o tempo a não esconder mais quem eu sou, na verdade, eu nunca dei conta. E claro, isso também inclui meus defeitos. Em um mundo onde só expomos sorrisos e frases inspiradoras nas redes sociais, fica estranho falar de algo que nunca funcionou tão bem na sua vida, fica feio expor uma fraqueza, fica humilhante expor um erro. Mas escrever tem sido uma forma fácil que encontrei para reconhecer o que eu preciso melhorar e tirar um peso das minhas costas. Às vezes sinto que algumas palavras ficam entaladas e que em algum momento, elas precisam sair.

Existem situações que só quem luta contra a ansiedade se identifica e entende. Tem algumas que são para rir e outras para chorar. E em nenhuma delas contém exagero, pode ter certeza!

Sofrer por antecipação

Essa é a clássica, você está vivendo uma situação e de repente acontece alguma coisa diferente do ritmo normal. Em vez de focar em resolver o problema e manter a calma, você já começa a pensar em qual decisão terá que tomar caso aconteça mais alguma coisa no futuro. Toda sua vida passa na sua cabeça em segundos. Se já não bastasse os problemas do presente, a gente já tenta antecipar os do futuro, pra não ter que se preocupar, mas a verdade é que a gente já está se preocupando. Entendeu mais ou menos? Sim, é confuso! Parece que estamos tentando viver o presente e o futuro ao mesmo tempo e isso desgasta muito.

Quando chego no meu limite, sempre lembro de um versículo da Bíblia que diz: “Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações. É suficiente o mal que cada dia traz em si mesmo.” (Mateus 6:39)

Querer viver tudo de uma vez

A gente sofre por antecipação, mas também quer todas as alegrias da vida adiantadas. A vida é feita de várias etapas e cada momento tem a sua alegria. Lembro quando fazia alfabetização, eu olhava para as alunas da 1ª série e pensava quão importante elas eram e como devia ser bom fazer parte daquela classe. Quando finalmente entrei na 1ª série, almejava fazer parte da 4ª série, ser uma daquelas “meninas grandes”. Parece que a gente só pensa naquilo que vai vir e quando esse tempo chega, em vez de aproveitar, já estamos olhando para outra coisa que ainda não veio. Talvez seja essa a explicação da constante nostalgia, de olhar para o passado com mais saudades do que o normal. É como se a gente ficasse ruminando o que a gente não conseguiu aproveitar/viver direito.

Encarar as mudanças com dificuldade

Mudanças são inevitáveis, querendo ou não, elas vem. Você sai daquela rotina que era acostumado e passa a enfrentar uma nova situação. Mudanças podem ser boas ou não. Mas antes de saber, a gente já encara como algo negativo, pois terá que mudar o roteiro de tudo e então vem aquela preocupação: será que vou dar conta de tudo? Pessoas ansiosas tem essa mania terrível de planejar algo na cabeça com antecedência e querer que tudo saia exatamente igual, sem nenhuma surpresa.

Ter uma verdadeira criação de expectativas

Como já disse, temos mania de roteirizar a vida, e isso inclui criar expectativas. Ah, mas todo mundo cria expectativas. Mas a diferença é que uma pessoa ansiosa sofre muito se a realidade não é igual ou melhor que as expectativas. Aquela coisa de “deixa a vida me levar” não é uma coisa muito interessante, pois quanto maior controle da situação, melhor! Em muitos casos, a vida vai lá e te traz algo melhor do que você planejou, você toma um tapa na cara por ter reclamado no início que não era aquilo que você tinha pensado. Deus sorri pra você e diz: “sabe de nada, inocente!”. Talvez uma hora a gente aprenda a nos surpreender mais com o que a vida tem a oferecer, talvez uma hora a gente aprenda a não deixar a vida tão robotizada.

Nem sempre os pensamentos são positivos

A gente cria mil caraminholas na cabeça, inúmeras teorias da conspiração. Se seu amigo visualizou a sua mensagem e não respondeu, é sinal que ele ficou chateado com você por alguma coisa. Você nunca vai pensar que ele pode ter olhado em algum momento em que estava ocupado, ficou de responder depois e acabou esquecendo. Outro exemplo que acontece muito é quando alguém chega pra você e diz: “sabe o fulano?”, você já pensa: “ihh, morreu”. Você não espera o tempo certo de uma resposta, antes disso, já passou um filme na sua cabeça do que pode ter acontecido e como você vai precisar reagir.

Não consegue aceitar um erro

As pessoas ansiosas têm essa mania de premeditar uma situação, justamente para não ter erro, pois na hora do vamos ver, elas já sabem que vão ficar nervosas e nem sempre vão conseguir fazer direito. Então tentar antecipar tudo é algo rotineiro. Mas nem todas situações podem ser adiantadas, nem sempre acertamos em tudo. Quando o erro vai prejudicar apenas você, a culpa é menor e logo passa. Mas quando é algo que vai prejudicar outra pessoa, a dor na consciência é maior. Pois você imagina que a outra pessoa criou expectativas por aquilo (na mesma intensidade que você cria) e se sente culpada por ter causado frustração. Pois existe muito essa característica da pessoa ansiosa ser bastante sensível e ter empatia, se preocupar com o bem-estar de outras pessoas. É normal! E além disso, tem aquela coisa, somos bem mais críticos com a gente do que com as outras pessoas.

E pra finalizar, é sempre importante mencionar para as outras pessoas que falar coisa do tipo “você precisa ficar mais calma”, nunca resolveu nada, mesmo que a intenção fosse boa. Agora, se você chegar dizendo, “eu sei de uma tática para você tentar ficar mais calma”, já é outra vida! Você está trazendo uma solução e não lembrando a pessoa do problema que ela sempre lutou para acabar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.