Sobre impacto, conexões e o pior que pode acontecer

Você nunca tem uma ideia real de quem você está impactando, nem como. Quando você tenta fazer alguma coisa só para impactar ao máximo parece que não chega a lugar nenhum. Quando você é autentico, fala o que pensa, ou escreve no caso, as pessoas reconhecem, se conectam. Parece que tem um cheiro, é quase que nem detectar uma risada falsa, as pessoas so sabem.

E sim, sei isso parece bem brega. E sim, sei que todo mundo fala isso. Mas acreditem que vem do ponto de vista de alguém que quando faz uma pergunta em sala de aula continua tremendo 30 min depois porque tem medo das pessoas acharem que ela louca.

Não vou falar que um dia aconteceu um evento magico na minha vida e eu mudei, ainda sou assim. Só que, um belo dia, me deparei com a filosofia do Estoicismo em um dos top (topíssimo, topônimo, topázio, topper) 10 livros que consumi na minha vida, The Antidote: Happiness for People Who Can’t Stand Positive Thinking (recomendo em inglês porque foi a lingua que ele foi escrito, mas tem em português também)

Das principais premissas dessa filosofia está que nada é inerentemente bom ou ruim. O que torna algo bom ou ruim é o nosso julgamento sobre aquilo. Assim, diante de situações que nos deixariam com medo ou angustiados devemos nos perguntar: O que é realmente ruim sobre essa situação? Qual é o pior que pode acontecer? Mesmo, qual é o pior resultado imaginável?

Consigo pensar nas piores coisas que ja aconteceram comigo. Pensei enquanto escrevia e não acho que vale citar agora. Acho que cada um conhece os cantos negros da sua memória e sabe como eles te machucaram. Assunto para outro texto.

O ponto é que e escrever um texto, e publicar ele, não ia fazer com que nenhuma delas acontecessem. Realmente o pior que poderia acontecer é as pessoas não gostarem. E o que acontece se elas não gostarem? Bom, nenhum meteoro caiu aqui até agora, então acho que estamos bem.

Alias, eu tinha a convicção que ninguém ia ler mesmo. Então, na pior das hipóteses, escrevendo, eu ia estar praticando uma habilidade util.

Só que ai, o contrario do que eu esperava aconteceu, as pessoas leram. Sério. Comentaram. Se conectaram. Você está lendo até agora não é mesmo? Vieram falar comigo depois. Loucura. E não foi só a minha mãe, juro.

Quando as pessoas vieram me falar que leram e que de alguma maneira isso impactou a vida delas de maneira positiva, meu olho brilhou mais que o de criança no natal. Me conectei com pessoas que eu nem imaginava me conectar tanto só por causa do texto. Tive conversas sensacionais que tiveram esse assunto como ponto de partida. Ganhei outros pontos de vista que complementavam o meu. Tudo pela coragem de apertar “publicar”.

Acabou que o pior que poderia acontecer virou o melhor que poderia acontecer. Desse jeito.

Acredite, para publicar basta uns 10s de coragem, apertar o botão, e depois não olhar mais para trás. Eu também não acreditava.

Quero que mais pessoas tenham esse sentimento, é meio inexplicável. Mesmo que o que você quer fazer não seja escrever, a analogia vale. Sejam autênticos, sejam vocês mesmos e as pessoas certas vão se conectar com vocês e com o que vocês estão fazendo. E, se não, qual o pior que pode acontecer?

E aqui meu muito obrigada as pessoas que leem as coisas loucas que eu escrevo! Vocês são sensacionais e não imaginam como me inspiram ❤ até a próxima!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.