Querer estar X Dever estar

Pode parecer conversa de botequim, mas sim, existe uma graaande diferença entre querer estar e dever estar presente.

Um dos nossos maiores desafios em Cobalto está na conversa sobre presença digital. Muita gente pensa que tem que ter: site, Facebook, Instagram, Youtube, Snapchat, Twitter, Pinterest… (a p* toda). Mas você já parou pra pensar: tem que ter por quê?

Ninguém é obrigado participar de uma conversa que não goste, contar para pessoas estranhas o que pensa e faz, mostrar interesse por coisas que, na verdade, não tem importância. Certo? E porque raios as pessoas pensam que na Internet tudo isso é diferente? Como se de repente a gente tivesse que ser onipresente e participar de tudo quanto é tipo de conversa só porque a rede nos permite. E só por conta disso mesmo.

Daí vira uma coisa uma coisa chata e, de uma hora pra outra, a pessoa que na mesa de bar prefere ouvir a falar se vê obrigada a criar um perfil na rede X, porque senão ela “fica de fora” “vai perder o momento” “e vai ficar pra trás”. E se ela for uma pessoa empreendedora ela “perde dinheiro se não entrar no Instagram” e “não vende nada se não tiver um Facebook”.

Hein?

Faz sentido estar presente em redes que ampliem o meu discurso, interagir com pessoas que têm algum interesse em comum comigo ou com a minha marca e, principalmente, se eu gostar de conversar daquele jeito, naquele formato. Porque se eu fizer dessa maneira, eu vou fazer naturalmente. Não numa conversa forçada, obrigada, arrancada de mim.

É claro que não dá pra achar que se ficar paradinho ali no canto as pessoas vão saber o que você faz, pensa, fala. Precisa se mexer. Mas daí a se transformar em algo que você não é, só pra chamar a atenção… Bom, isso é um tiro no pé! Uma hora você cansa, desencana, desiste e pronto! Vai achar que não sabe “usar a internet”… Mas em momento nenhum você parou pra pensar se tava boa a conversa e se queria continuar a trocar conhecimento daquela maneira.

Parou? Pensou?

Se tá difícil de “manter aquela rede atualizada” você pode:

Pensar se gosta de conversar com aquelas pessoas, daquela maneira (favor descartar o fator preguiça)
Assumir que só dá pra manter em dia (sem sofrimento) aquela atividade que te dá prazer.

Ahh, tem mais uma coisa:

Não vai achar que existe milagre e que o mundo vai descobrir quanto talento você tem só de olhar pra essa sua carinha linda… Não me venha com a desculpa que “não sabe usar a Internet” porque se vc sabe conversar (como um ser humano comum), ela não cola… Beleza? Então tira a bunda do sofá e vai lá pensar se vc tá fazendo a escolha certa pro seu jeito de conversar…