Kazan 2015 — Dia 9

Olá pessoal. Espero que as vossas férias, treinos ou trabalho estejam a correr bem. E que estejam a acompanhar a fantástica competição que têm sido estes Campeonatos do Mundo. Hoje o dia começou com o despertador do Alexis a tocar logo pelas 7.30 da manhã. Nestes Campeonatos do Mundo fica à responsabilidade quase sempre dele porque as fichas elétricas estão do lado da sua cama. Pegámos nas coisas do treino, tomámos o pequeno-almoço e fomos apanhar o autocarro. O Quintanilha descobriu um caminho novo pelo meio de um prédio que nos faz poupar cerca de 2 minutos entre o caminho “normal” e o caminho dele, o que é fantástico, uma vez que todos os minutos a menos caminhados faz-nos poupar as pernas (aqui na vila é semelhante ao que acontece nos Jogos Olímpicos, onde os atletas estão todos nos mesmos quartos e almoçam e convivem todos juntos) (Não, o Ryan Lotche, os americanos ou os australianos não estão cá, mas a maioria sim).

Equipa portuguesa a comer crepes

Treinámos individualmente, pois eu e a Viky competíamos nos 200 bruços. Para mim, foi positivo, pois alcancei um recorde pessoal, apesar de estar à espera de um pouco melhor.

Apesar da Viky não ter feito a sua melhor prova, todos ficámos com a sensação que ela se encontra muito bem para fazer uns ótimos 400 estilos, que são a sua prova. Sempre com os nossos colegas nas bancadas a “puxar” por nós, sentimos que não estamos ali sozinhos. É sempre muito aconchegante saber que estão do nosso lado.

Após descontração, remoção do lactacto e de uma massagem regressámos à vila para almoçar e descansar. O Pina tem sido incansável na ajuda que tem prestado como fisioterapeuta, a qual nós todos agradecemos.

Piscina de descontração vista da Arena Lounge (camarote de um dos
patrocinadores do Mundial, a Arena)

Na parte da tarde, o grupo apanhou o autocarro das 16h para treinar e aproveitar para ver algumas finais.

Apesar de nenhum português nadar, o nosso quarto (eu e o Alexis) estava a torcer por colegas nossos do ano passado que estavam a nadar as finais. Eu tinha dois amigos que treinaram comigo no ano passado nos Estados Unidos a nadar os 200 estilos. O Alexis tinha o argentino que treinou com ele em Espanha e que acabou por ser 3º na prova dos 100 livres. Ficámos bastante contentes pelo resultado deles e em especial do argentino, porque é um rapaz super simpático e humilde, e sendo alguém com quem convivemos faz-nos acreditar que afinal é possível chegar lá cima.

Jantámos todos juntos por volta das 8 e aproveitámos para comer um crepezinho no final. De seguida fez-se a habitual reunião e regressámos aos quartos, porque amanha há os 100 mariposa do Quintas e mais treinos para fazer, pois mais provas virão. Boa sorte ao Quintas e uma boa noite a todos.

Diogo Carvalho (Nadador da Seleção Nacional), 06/08/2015