É rapidinho!

Algum tempo atrás, fomos abordados. Dessa vez, por uma jornalista. A pauta era sobre o último ocorrido: saímos as ruas munidos de um talãozinho de multas. Para quem estaciona em local não permitido, o Código de Trânsito Brasileiro prevê além da autuação, pontos na carteira e remoção do veículo.

Porém, sem fiscalização, motoristas estacionam à vontade por todos os lados: sobre a faixa de pedestres, em vagas exclusivas e até em frente a rampas de acesso. Atrapalham pedestres de todas as cores e credos, cadeirantes e ciclistas. Atrapalham todo mundo, inclusive você.

Após alguns entraves, repercussão na mídia local e outros possíveis beós, a ação acabou rendendo uma nova entrevista.

O desfecho dessa iniciativa você confere em nossa conversa a seguir (gracias Francine), realizada, em princípio, para ser publicada na revista Vida Simples.

A inspiração para a ideia veio da falta de educação no trânsito da cidade? Como vocês criaram a multa simbólica?

A inspiração veio de tanto quebrar a cabeça pra mudar essa questão, por mais simples ou banal que a ideia pareça. Se existe uma vaga sinalizada com uma finalidade específica, nunca entendemos porque tantos motoristas ainda cometem tamanho desrespeito com a população. Como trabalhamos diretamente com design, o projeto logo surgiu para reforçar a comunicação no espaço urbano e conscientizar cada infrator, mesmo que através de um instrumento punitivo. Em tese, somos despossuídos de tal função enquanto cidadão, mas com o bloquinho de multas, o intuito é que cada um (tendo sido afetado ou não), sinta-se empoderado e no direito de chamar atenção para as infinitas irregularidades que topamos por aí.

Vagas para idosos, como sugere o nome, são de uso exclusivo de idosos com credencial de autorização.

Em nossa cultura, parece que atitudes negativas feitas deliberadamente, passam a ser aceitas como normal, algo corriqueiro. O resultado disso é: ao serem flagrados no ato, é comum ouvir de cada um deles: “é rapidinho!”. Pronto! Infelizmente tá aí: a prova viva de que o individualismo estacionou no lugar mais público que existe, que são as ruas.

Já aplicaram quantas multas na cidade?

Já aplicamos mais de quarenta multas em um mês, mas hoje perdemos o controle desses números. No início, distribuímos o talão apenas para os mais conhecidos, mas acabou atraindo também outras pessoas que se identificaram com a causa, até finalmente chegar nas mãos de usuários desse tipo de vagas (destinada a idosos, portadores de necessidades especiais ou reservado para carga e descarga). Atualmente, disponibilizamos o talão em um arquivo para download, portanto qualquer pessoa que queira fazer parte dessa iniciativa, é livre para utilizar e aplicar as multas, seja lá de onde ela for.

Muita gente pediu o bloquinho para aplicar em outras cidades também?

O mais interessante em disseminar essa proposta foi que percebemos que haviam várias pessoas interessadas fora de nosso alcance. Independente da região ou tamanho da cidade, vimos que todos sofriam da mesma indignação. Apesar das multas estarem ligadas a falta de educação no trânsito, descobrimos que essa conduta dizia muita coisa sobre o famoso jeitinho brasileiro.

Questionados, nove em dez infratores se justificam da mesma maneira: “é rapidinho”
Como tem sido a reação dos motoristas?

No geral, as pessoas se sentem constrangidas quando percebem que estão sendo moralmente autuadas. Ou seja, se mostram pelo menos conscientes que estão adotando um comportamento errado naquele momento. Por outro lado, existem também outras reações mais extremas. Para exemplificar, houve um motorista que se irritou e reagiu ofensivamente diante de tal situação. Nesse último caso, a contradição é tanta, que houve até ameaças do indivíduo em chamar a polícia (para reclamar de um ato — veja bem — que foi originado justamente em sua própria cagada). Mais uma vez, não dá pra entender muito bem. Mas qualquer esforço para mudar essa mentalidade, de uma maneira ou outra sempre surtirá algum efeito. No final das contas, acreditamos que o verdadeiro propósito só existe quando ele melhora a vida das pessoas.

Por talão, vinte multas: uma para cada um dos próximos vinte motoristas infratores que você topar pelas ruas.

Os talões foram desenvolvido pelo escritório de design folia dos reis e estão disponíveis para download e impressão. É só baixar aqui.