A simplicidade é nossa matriz dos prazeres

Emma Smith fotografada por Robert Doisneau

Pequenos prazeres são tão importantes

Simples na sua própria natureza

Qual é o seu?

Pra mim, caminhar ouvindo música me faz inserir-me como um terceiro narrador dentro de todo o filme da rotina.

Sentir que até a pisada que damos na poça traz seu significado. Simples na sua própria maneira de seguir ali, inerte mutável.

Isso é tipo um romance, minha admiração pelo próprio meio, ou entorno.

Vai saber da onde é que veio toda essa loucura ingrata de parar de observar. A mágica está tão no ar como respirar.

Você não se deu conta?

Os eventos decorrentes podem somente ser os átomos? Que estão sempre à todo movimento. Sem parar, nem desaparecer.

Como podem tudo isso ser o resultado de origem no nada?!

Do caos que nos programaram?!

Ou da fonte, rede, que é onde estão os originadores de nós?

Somos seus “clones”

Codificadores

O éter que manipula-ser é algo mortificado pela nossa moralidade mesquinha. Quem disse que não estamos projetados?

Por isso mesmo, pequenos prazeres são produtos de grandes sonhadores. Sonhar é um simples prazer, projetar-se também, inclusive escrever, desenhar, cantar, dançar ou comer.

Não me mostre nem me conte sobre a sua “tal filosofia” carregada da pobreza de se posicionar sempre à deriva.

Essa pirâmide aí que parece mais tirada de palestra motivacional das corporações, e me tratar como uma burra criança, não mesmo! Meu negócio é oculto, abstrato, é alquimia, BRUXARIA. Te contei?

E eu posso ainda assim estar mais bem esclarecida do que tua filosofia. Quem disse que o trabalho não é um prazer?! Quem disse que família está errado?! Quem disse que o que eu faço você tem que se meter?!

Já dizia um sábio ocultista brasileiro, Raulzito Seixas, que descanse em paz:

Você se assusta com o que eu faço, isso eu já posso ver

O ser pensante, “homem”, sente, e depois pensa, eu detesto filosofia clássica!

Simples prazeres são virtudes de quem sabe valorizar prazer em si, cru e verdadeiro. E prazer pode ser sofisticado também, mas será que o único prazer, no fundo o mais simples também, não é onde se começa a cadeia geradora de todos os outros prazeres?

Amar

Sonhar

Comer

Transar

Sonhar

O prazer mais importante, matriz, são os prazeres mais carnais, instintivos. Mas nós viemos com dois códigos que não são racionais, e sim sensitivos, que é amar e sonhar. Chega de colocar a razão, o ego, acima de tudo, igual essa bosta de pirâmide, e depois querer falar de altruísmo. Babaca.

To ligada nesse game.

Like what you read? Give Deni Maliska a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.