Em que universo estamos?

Ou divagações de um lunático após documentário

É imenso e louco esse lugar que a gente imagina que vive. (NASA)

Vi postagens em alguma rede social ao lado sobre o documentário “Which Universe Are We In?”, produzido pela BBC Horizon, e fiquei curioso para assistir. Confesso que, quando dei o play, não fazia a menor ideia do que seria. A voz lenta e devagar de uma narradora começa a falar enquanto imagens belíssimas passam pela tela. E então, começa do que se trata o documentário: o universo que a gente vive é apenas um entre infinitos.

Oi, o que? Fez algum sentido isso? Bom, assistindo ao documentário (disponível na Netflix) acho que dá para ter uma ideia melhor. Eu sou leigo demais para tentar explicar o assunto aqui, até porque fiquei extremamente confuso ao assistir. Basicamente tentando resumir: há infinitos universos acontecendo paralelamente a esse que estamos vivendo agora. Sim, você que está aí lendo esse texto agora, tem infinitos “você” por aí. Em algum outro universo sua roupa é diferente. Em outro, seu gênero é outro. Em outro, você está lendo esse texto em mandarim. E por aí vai.

Parei o documentário na metade e comecei a escrever alguns pensamentos que fui tendo enquanto assistia, não conseguiria deixar eles só flutuando na minha mente. E descobri que, assim como esses infinitos universos, minha mente viaja para infinitos lugares, com infinitos pensamentos e infinitas faltas de respostas.

Talvez esse texto seja bastante confuso porque eu viajei bastante na maionese. Ou seja, talvez ele esteja exatamente como eu me senti assistindo ao documentário. Aparentemente, há essa teoria dos infinitos universos por aí e nós só vivemos num dele. Mas então isso significaria que essa teoria também existe em outros universos? E a grande questão, para mim, é: e como fica a questão da nossa consciência?

Viajando mais além, pensei: vai que nossos sonhos sejam flashes de outras realidades nossas em outros desses universos. Poderia ser. Entretanto, será que eu divido essa minha consciência com meus outros “eus” espalhados por aí? E o que significa essa minha existência nesse universo específico? Porque eu estou aqui escrevendo esse texto específico? É muito complicado pensar nisso, já me perdi aqui.

“Which Universe Are We In?” foi produzido pela BBC Horizon

Aparentemente, essa teoria nem pode ser comprovada, então, porque eles estão estudando ela? E se, por ventura, descobrirem algo significante, encontrarem uma forma de nos conectarmos com esses demais universos, no que isso implicaria? Socorro, é muito pensamento para uma cabeça só. Talvez sejam meus infinitos “eus” falando ao mesmo tempo através de mim. Jamais descobrirei.

Aparentemente, o Big Bang foram forças colidindo e criaram a gente. Ou essa nossa realidade. Não sei direito, sinceramente. Só que: como é possível saber disso? Falar desses passados distantes é muito complicado, na minha opinião. São diversas coisas que nós tomamos como afirmações e nem sabemos a quantidade de verdade que há nelas. Os dinossauros, por exemplo, eram répteis, tinham asas, morreram com o meteoro? A idade das cavernas, a evolução humana, aconteceu tudo como a gente pensa que foi? E até passados mais recentes. Idade Média, descobrimento das Américas. Como a gente sabe se é tudo como imaginamos? Assistimos filmes, seriados e até novelas que representam essa época passada, mas não tem ninguém para afirmar que realmente era daquele jeito. Será que as pessoas falavam tudo tão corretamente? Será que andavam com tanta elegância? Sem falar que a higienização era totalmente diferente do que temos hoje, imagina o quanto fica de fora nessas “representações” da realidade.

Daí eu paro para pensar nas loucuras da minha mente e me lembro de algo que sempre pensei: e se a gente não veio na verdade de outro planeta, outro universo? Os egípcios sempre com tantos segredos (que nós tentamos desvendar e nem deveríamos), representando pessoas com cabeças de animal. E se não eram assim mesmo e evoluíram para humanos e animais? E se não vieram de um lugar distante, viajando em sua pirâmide voadora, e pararam aqui porque pensaram encontrar algo melhor? Até romanos e gregos! Imagine só: vieram de um planeta muito muito distante e pararam aqui. Talvez depois dos egípcios mesmo, que já estavam se adaptando. Esses recém chegados habitantes tinham formas humanas e começaram a desbravar nossa querida Terra — ainda mantendo contato com sua galáxia, com seu Zeus e demais deuses. Então, eles brigam e formam grupos segregados: os romanos e os gregos. Os romanos se separam, pegam todas tradições e adaptam para uma nova forma. E, assim, tentam cada um conquistar seu território, ver qual é o melhor.

Acabo de criar o novo filme de sucesso nos cinemas, provavelmente. Viajei demais, mas quem pode afirmar com certeza que nada disso é verdade? Como sabem que nada se perdeu no meio? É, não dá pra saber.

Voltando ao documentário, fiquei assim, pensando esse monte de coisas. O que somos? Do que viemos? Para onde vamos? E a minha resposta padrão é: não dá para saber. A vida não faz sentido e a gente fica querendo encontrar um sentido para ela. São tantas questões que criamos e vamos levando com o passar do tempo e não temos respostas. Talvez esse seja o maior mistério da vida e do universo mesmo, ficar sem ter todas respostas.