Brasil e Portugal: o tamanho importa?

Há pouco encontrei esta foto no Twitter, com a legenda “o Brasil é enorme”:

Ora, um português, perante isto, lembra-se logo disto, um cartaz de propaganda do Estado Novo:

A diferença, claro, é que o Brasil é de facto enorme e Portugal estava apenas a fingir (até porque uma boa comparação teria de pôr as colónias dos outros países europeus ali ao lado).

Mas há algo que me intriga: Portugal fazia isto (ou melhor, o Estado Novo fazia isto) para se arrogar uma grandeza territorial que só tinha na imaginação colonialista da altura. Havia uma certa provocação e um certo sentimento de inferioridade. E também uma certa pena de não sermos realmente maiores.

Já o Brasil é, de facto, grande. Enorme. É um dos maiores países do mundo em território. É, como diz o hino, um colosso.

Mas por que razão é preciso afirmá-lo como se fosse algo desconhecido? Como se fosse uma afirmação política, que partilhamos no Twitter? Se virmos bem, no caso do Brasil, é quase tão estranho como Portugal fazer um cartaz a dizer “Portugal é maior do que Andorra!”

Quando olho para a imagem do Brasil com os outros países dentro, vejo medo que alguém não perceba que o país é mesmo muito grande. Por via das dúvidas, convém até pôr no hino que são um colosso. Que ninguém se engane, por favor.

Não vejo os norte-americanos ou os canadianos com necessidade de afirmar a grandeza do território através de comparações com países europeus. Talvez haja também aqui alguma da insegurança de país pequeno que o Brasil herdou de Portugal. Um pouco como um filho gigante de pais pequenos que gosta de sublinhar que é muito grande.

Ou talvez seja outra coisa qualquer — talvez seja apenas uma forma de afirmação, necessidade que todos os países sentem. Se temos um grande território, sublinhemos o grande território…

Afinal, nós por cá também andamos com tendência para isto:

(Esta última imagem encontrei-a num óptimo post do Malomil sobre este mesmo assunto.)

Por fim, talvez a teoria mais acertada: no fundo, temos (portugueses e brasileiros) alguma inveja da suposta importância alheia, do tamanho simbólico dos outros países. Precisamos, assim, de mostrar o tamanho do corpo, para compensar uma alma que suspeitamos pequena.

Será isto?

Like what you read? Give Marco Neves a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.