Burguer King x McDonalds, de quem foi o ”primeiro” round?

Eis que a Burguer King publica uma carta aberta para a McDonalds, sem nenhuma segunda intenção além de divulgar uma causa maior como a paz. Cof, cof.

A ideia seria duas sabidas rivais promovessem a paz por meio da venda de um novo produto, um misto de Big Mac e Whopper, que seria vendido em um quiosque em Atlanta (que fica no meio do caminho entre as sedes das duas empresas). O novo sanduba, um sonho pra muitas pessoas, levaria o melhor de cada uma das marcas e seria vendido em uma caixa da McDonalds, enrolado em um papel da Burguer King. Toda a renda — que seria alta, ninguém duvida — seria revertida para uma entidade sem fins lucrativos.

Os caras fizeram site, vídeo e tudo mais!

Puxa, legal, hein?

Quase.

A verdade é que a ideia deve ter sido planejada pra render mesmo sendo rejeitada. Na verdade sabiam que seria rejeitada. E foi. A resposta da McDonalds foi bem, err, dura.

Caro Burger King,
Inspiração para uma boa causa… ótima ideia.
Nós adoramos a intenção, mas acreditamos que nossas duas marcas juntas poderiam realizar algo maior para fazer a diferença.
Nos comprometemos a criar conscientização no mundo inteiro, talvez vocês se unam a nós em um esforço global significativo?
E a cada dia, vamos deixar claro que entre nós há simplesmente uma competição de negócios amigável e certamente não as circunstâncias inigualáveis de verdadeira dor e sofrimento da guerra.
Manteremos contato.
-Steve, CEO do McDonald’s.
P.S.: Da próxima vez, um simples telefonema seria o suficiente.

A resposta é quase um reconhecimento da derrota. Na verdade a existência da resposta foi um erro em si (explico mais a frente).

Aceitar seria tornar-se coadjuvante de uma ação criada pelo maior rival. Ponto. Reverter essa percepção exigiria um tremendo esforço e não haveriam garantias de que do outro lado estariam trabalhando para que isso não fosse possível. O Burguer King sabia disso, colocou a McDonalds em uma verdadeira sinuca de bico. Responder positivamente é ser coadjuvante, responder negativamente é ser chato. Escolheram ser chatos mas aproveitaram a resposta pra deixar claro pro público que houve uma estratégia escrota.

P.S.: Da próxima vez, um simples telefonema seria o suficiente.

Basicamente um “eu vi o que você fizeram, seus porras”.

Se essa proposta tivesse sido feita diretamente entre eles e a ideia surgisse para o público como algo conjunto, ok, a dinâmica seria outra. Mas não acredito que era isso que o BK procurava. Eles lançaram mão de um factoide pra provocar o concorrente.

Normalmente a equipe de Social Media do McDonalds manda muito, muito bem, mas isso não deve ter sido decidido por eles. Lembro quando invadiram o perfil do Twitter do Burguer King e trocaram o avatar para o logo do McDonalds e passaram a tuitar bobagem o perfil oficial do Mc largou um “status: trocando a senha”. Nesse dia eu lembro de ter sugerido que o Burguer King brincasse com o fato lançando um BigWhopper, como se tivessem sido contaminados pela invasão, levando o fato na brincadeira.

Agora já parou pra pensar como isso tudo foi uma estratégia maldosa? Sim, é bem maquiavélica.

Já ouviu falar da teoria da verticalização do insulto? Não??!! Sinal que eu a divulguei mal. É, é minha. Sei que isso já pode ter lhe tirado 80% do tesão de seguir lendo o texto mas, espera, siga em frente, perceberá que ela faz sentido.

Comecei a construir essa teoria em meados de 2009 e… e deixa pra lá, isso não importa. O que importa é o que ela defende. Defende que quando um personagem menor, muitas vezes insignificante, provoca ou ofende alguém que tem relativo destaque cria-se um cenário que, se seguido, irá funcionar em benefício do menor. O menor provocar alguém mais relevante não é notícia, mas esse alguém responder é. E assim vemos Luana Piovani virando pivô de debates por ter destratado um ser com apenas 8 seguidores no Twitter após ter sido provocada, vemos Roberto Freire dando palco a malucos com perfis fakes que tem como único objetivo tirá-lo do sério e coisas do tipo. Dolly, por exemplo, sempre tentou levar algum tipo de patada da Coca, sem sucesso. Agora vemos Seara e seu anúncio provocando a Sadia e assim por diante. A provocação parte de baixo pra cima, é vertical, e quem está em cima tende a gerar a notícia — cuja pauta raramente é positiva pra ela.

Assim a Burguer King, que é menor que sua rival, lançou mão desse artifício e… se deu bem. É deles o primeiro round.

Pra maior parte da população impactada com a ação fica a imagem da McDonalds chata que privou a população de Atlanta de provar um sanduíche dos sonhos.

Eu adoraria experimentar, mal posso esperar pra ver a receita que o Ricardo Cobra vai postar inspirado em todo esse rolo. Coloco o link aqui quando ele publicar. Opa, publicou! Está AQUI.

Enquanto isso tem gente mandando avisar que aceita.

Gostou do texto? Se gostou clica aí no “recommend”, logo abaixo, e ajude mais pessoas a conhecê-lo — e aproveita e dá aquela compartilhada básica no Facebook.