Carta a um irmão prestes a ser pai

Ao meu irmão, por ocasião do nascimento de sua filha, hoje uma mocinha de dois anos.

Aproveite os últimos meses da vida como você hoje conhece. 
Em pouco tempo, tudo vai virar de cabeça pra baixo. Coisas inadiáveis serão postergadas. Assuntos que você achava que eram supérfluos de repente viram gêneros de primeira necessidade. A vida vai pulsar em uma frequência diferente. 
Em outras palavras o baile não é mais seu. Você dança o tempo todo, mas seus dias de conduzir ficaram pra trás.
Sua jornada já começa redefinindo os próprios conceitos de espaço e tempo.
De espaço, porque você vai notar com assombro, como um ser de pouco mais de 50 centímetros pode ocupar uma casa inteira, uma família inteira, um vida toda. Como você, que pensava que tinha um coração cheio, vai arrumar lugar nele para preencher tanta coisa ainda. E sempre parece pouco.
Você vai ter provas incontestáveis de que a hora informada pelo relógio quer dizer pouco ou nada frente às horas da natureza. A hora do soninho, a hora da papinha, a hora da dor de barriga. 
E então você vai redefinir seus próprios limites.
Você vai experimentar níveis de cansaço que pensava que somente escaladores de montanhas conheciam. Privação de sono será uma visita frequente. Vai perceber que é possível prestar a atenção no barulho de uma respiração de alguém que está a dois cômodos de distância durante a noite. Vai conseguir cair no sono profundo em dois minutos e sair dele em 3 segundos.
Seus próprios gostos pessoais sofrerão duros golpes. 
O jazz, o rock, a MPB darão lugar a sessões intermináveis de músicas interpretadas por bichos falantes e apresentadoras de TV que mal sabem o que é uma partitura. A literatura vai do Guimarães Rosa à livros de 5 páginas à prova d’água num piscar de olhos. Seu discurso de preservação dos animais em extinção de repente ficam menos importantes do animais como Galinhas Pintadinhas, Pandas que lutam Kung Fu e Dinossauros Roxos.
Você vai entrar no mundo da comunicação em outra esfera. Vai descobrir os 40 tipos de choro diferentes. Vai conhecer os 82 tipos de beicinho catalogados. Vai tomar contato com o mundo maravilhoso da birra. 
Todo o seu apreço por carros esportivos vai subitamente desaparecer, enquanto um estranho interesse por vans e peruas vai crescer. E quanto mais cresce o espaço num carro, mais ele falta. Afinal de contas, como você conseguiu ir à praia todo esse tempo sem pazinhas, baldinhos, piscinas infláveis, repelentes, chapeuzinhos, mamadeiras com chá, papinha de frutas e três tipos de remédio, por precaução?
Depois de um tempo, você nem vai sentir cheiro de cocô mais. Vai trocar uma fralda ao mesmo tempo que come um sanduíche, com desenvoltura, sem sujar as mãos, e muito importante, sem confundir uma coisa com a outra.
Olhando de fora, parece o trabalho mais árduo do mundo. E é. E quanto mais você tentar fazê-lo direito, mais difícil é. Mas você nem vai notar isso. Primeiro, porque não terá tempo de pensar. Segundo, que junto com os choros, vem os sorrisos, as gargalhadas, os denguinhos e carinhos que vão fazer todo o resto valer a pena. Você vai conhecer alguém que vai te olhar de um jeito que nem o maior de seus amores olhou. Alguém que tem tanta confiança em você que perde o medo pela simples menção do seu nome. Que te espera com os olhos brilhando a cada retorno seu pra casa, mesmo que você tenha apenas ido até a padaria. Alguém que vai te dar um rabisco que vagamente lembra uma casa com uma árvore, um casal e um sol sorridente no topo do papel, e que você não trocaria por um Van Gogh legítimo.
Eu sei que você vai passar por tudo isso porque te conheço mais que ninguém. Sei do material que você é feito. Sei o que te move, o que você quer do mundo. Sei do seu caráter. 
Sei que essa criança que nem nasceu ainda é um dos seres humanos mais sortudos da terra. 
Parabéns. Em qualquer coisa que seu irmão possa te ajudar, peça mesmo. Eu não sei tudo. Mas passei por isso tudo aí em cima.
E faria tudo de novo.

Like what you read? Give Rodrigo Teixeira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.