Copa América ou Copa do Mundo?

A mágica e as peculiaridades de cada competição


Pergunta difícil, né? Pois é. Está acontecendo a 44ª edição da Copa América, no Chile. Particularmente, adoro assistir jogos das seleções sul-americanas, eu acho que é bem diferente das seleções europeias ou africanas. Não sei explicar direito, mas eu vejo uma coisa de diferente nos jogos das seleções daqui. O diferencial é a raça, a vontade de vencer, não desistir em nenhum momento, é gostoso de assistir. Mas aí surge outra questão: e a Copa do Mundo? Ok. Copa do Mundo é apelação, é o maior evento que existe no futebol, é a maior competição entre seleções que existe. Vamos dizer que na Copa América nós temos uma espécie de “libertadores das seleções sul-americanas”, enquanto a Copa do Mundo simplesmente é o evento que une (quase) todas as seleções, é um evento gourmet em comparação com a Copa América.

Eu vou ser bem sincero e vou dizer o porquê de eu escolher a Copa do Mundo e não a Copa América. É simples. O carisma que envolve o evento Copa do Mundo é incrível. Mobiliza um país. Simplesmente as pessoas param pra ver, mesmo aquelas que não simpatizam tanto com futebol. As seleções, todas, vem com o intuito de vencer, de querer erguer aquela taça maravilhosa, que é a Jules Rimet. É o evento que mais vale para um jornalista, por exemplo. Para ver o quão importante é o evento em um todo.

A Copa América tem o seu charme também. Por exemplo, nesta Copa América do Chile, tivemos uma seleção muito carisma que foi convidada a participar, que foi a Jamaica. A torcida também é um diferencial. Não preciso citar o torcedor sul-americano aqui, né? É simplesmente um diferencial nos jogos. Mas acho que não iguala com a Copa do Mundo. Eu prefiro a Copa América no sentido do jogo jogado, é bem diferenciado do que vemos numa Copa do Mundo. Não sei, é algo que eu reparo, apenas. Aliás, para não deixar escapar, o nível técnico dessa última Copa (a Copa das Copas) foi espetacular. Todos, eu disse todos, os jogos disputados com muita emoção e o mais importante: com uma média de gols incrível.

Deshorn Brown, atacante jamaicano, tirando uma selfie com Lionel Messi, argentino e melhor jogador do mundo (2014).

Bom, para acabar, nenhuma competição no futebol vai se igualar no quesito importância com a Copa, é simplesmente mágico. Mas para nós sul-americanos, a Copa América tem um diferencial em tanto. Porque, como diz o outro, a Copa América é a nossa bagunça.