Estou muito bem, obrigada.

Se você já ficou desempregada por opção, sabe o inferno que é ter que ouvir dezenas de absurdos e opiniões não solicitadas.

Photo by Tim Trad on Unsplash

Há pouco mais de um mês tomei a decisão de abrir mão de um emprego fixo, com carteira assinada em uma agência para trabalhar em casa, escrevendo como freelancer de vez em quando. Sim, eu imagino o quanto isso pode parecer um absurdo, se levarmos em consideração como está a economia e o desemprego no país. Mas esta decisão foi feita com plena consciência disso tudo. Eu não estava feliz, era gratificante trabalhar com pessoas divertidas, em um ambiente agradável, mas eu me sentia vazia tendo que fazer coisas que não concordava e engolir sapo de cliente mal educado por um salário baixo que mal cobria minhas despesas fixas mensais.

Isso pode soar um pouco prepotente para uma pessoa que se formou há dois anos, mas eu estava 100% exausta de burocracias desnecessárias, passar a mão na cabeça do cliente que estava errado só pra agradar, chegar cedo no trabalho e sair mais tarde pra dar conta de demandas de última hora e não ter espaço nem tempo pra fazer o que realmente amo: escrever.

Pois bem, decisão tomada, pedido de demissão feito. Vida nova.

Desde então faço uns trabalhos avulsos pra garantir uma grana no fim do mês, tenho focado em escrever meu livro e cuidar do meu blog. Coisas que eu já não fazia há um bom tempo.

Mas parece ser extremamente difícil para as pessoas compreenderem minha paz de espírito de estar em casa, trabalhando. Perguntam o tempo todo se estou à procura de outro emprego, presumem que estou exausta de ficar em casa ou coisas do tipo. Mas vamos lá, de uma maneira resumida: está tudo bem.

Sim, é uma rotina diferente daquela de acordar sempre no mesmo horário, ir pro escritório e passar mais de oito horas em frente a um computador. Eu faço minha rotina, tenho total liberdade de receber novos trabalhos ou não.

Poder fazer o que quiser, na hora que eu bem entender era meu objetivo e alcancei! Talvez em algum momento eu volte ao ritmo de trabalho tradicional de segunda a sexta, em horário comercial. Ou talvez eu decida que seja melhor pra minha carreira permanecer assim. Essa é a graça da coisa toda!

Não preciso de opiniões que não pedi sobre minha vida profissional. Não sei como vou estar daqui um mês, só quero viver. Estou muito bem, obrigada.