Helvetica

30 dias. 30 docs de design.

Ano: 2007
Direção: Gary Hustwit
Duração: 1h 20 min
País/Língua: Estados Unidos/Inglês
Webiste: www.hustwit.com/category/helvetica

Esse é o documentário que deu maior notoriedade a Hustwit e que, possivelmente, devido ao seu sucesso, possibilitou a realização dos dois outros (Objectified e Urbanized).

Toda história do filme gira em torno da typeface mais famosa de todos os tempos, Helvetica. Hustwit juntou depoimentos de grandes nomes da tipografia e design gráfico que expressaram sua opinião sobre o uso dessa fonte desde sua criação até a atualidade. O alto calibre dos designers convidados é exposto logo no primeiro depoimento feito por ninguém menos que Massimo Vignelli.

A partir daí, diversos profissionais renomados explicam qual a sua relação com a fonte. Nomes como Matthew Carter (criador de fontes como Verdana e Georgia), Neville Brody (responsável pelo update da Times New Roman, Times Modern) e Erik Spielkermann (pai da fontes Meta, Officina, entre outras) relatam tanto para o bem, quanto para o mal, a sua visão sobre a Helvetica e o uso massificado e globalizado dessa fonte. Aliás, durante todos interlúdios entre os depoimentos, são exibidos centenas de exemplos onde encontramos a fonte incorporada no nosso dia a dia de forma tão onipresente que se torna quase invisível.

Além dos pontos de vista dos “pais da matéria”, “Helvetica” apresenta conteúdo histórico buscando os personagens ligados a criação da fonte e detalhes ligados a sua construção.

A fonte Helvetica divide opiniões principalmente pelo seu uso abusivo durante muito anos. É difícil errar com Helvetica. Todo mundo gosta, pois está acostumado a ver, é familiar. Por outro lado, seu uso favorece uma padronização, o que pode causar uma associação a algo comum, vulgar e estandartizado.

Trailer:

Siga-nos: Facebook | Twitter

Assine nossa newsletter e receba as atualizações no seu e-mail.
Clique
aqui.