HUMAN

Sério, você precisa ver o que sentem e como vivem os humanos ao redor do mundo neste surpreendente documentário.


este artigo é uma extensão mais detalhada da matéria publicada aqui.

Do carismático ex-presidente uruguaio Pepe Mujica à dona Lindalva, uma brasileira que demonstra sua felicidade e gratidão pela vida no campo, passando pela atriz Cameron Diaz, o recém-lançado documentário HUMAN, de Yann Arthus-Bertrand, vai te surpreender com os depoimentos emocionantes de mais de 200 pessoas que vivem em 60 países. O filme é resultado de 3 anos de trabalho e mais de 2 mil entrevistados.

Depois de uma estreia de sucesso no Festival de Veneza e da exibição na sede das Nações Unidas, em Nova York, HUMAN pode ser visto integral e gratuitamente no YouTube, resultado de uma parceria do cineasta com o Google Cultural Institute. São três partes de, em média, 1 hora e 25 minutos já disponíveis com legendas em 6 idiomas, incluindo o português.

#WhatMakesUsHUMAN

HUMAN seria somente mais um documentário, não fosse o tom confessional que revela nuances da diversidade humana nos quatro cantos do planeta. “As pessoas me falaram de tudo; das dificuldades de crescer, do amor e da felicidade. Toda essa riqueza é o centro do filme. Ele representa todos os homens e mulheres que me confiaram suas historias; o documentário se tornou um mensageiro de todos eles”, conta Yann, que tem uma brilhante carreira como repórter fotográfico e documentarista (você já viu ‘Home’?), em seu site oficial.

o fotógrafo Yann Arthus-Bertrand em ação/reprodução

Talvez o maior trunfo do filme seja mostrar as diferentes visões de mundo de pessoas com culturas e classes sociais muito diferentes; ricos e pobres, negros e brancos, cristãos e muçulmanos… A surpreendente colcha de diversidades ideológicas hora faz rir, hora faz chorar.


“Se fosse para ter reis, senhores feudais e vassalos que se posicionam nas pontes para tocar cornetas quando o senhor sai para caçar, seguiríamos com o mundo antigo. Para quê fizemos revoluções?” — Pepe Mujica


As belezas [naturais e humanas] do mundo

Quem pensa que vai ver um filme somente de entrevistas com fotografia em plano americano pode se surpreender com as imagens aéreas de tirar o fôlego, usadas como “respiro” entre uma sequência e outra de entrevistas (geralmente três ou quatro) e que intensificam o sentido universal da obra.

Dos Lençóis Maranhenses à peregrinações no deserto, passando por grandes aglomerações de pessoas na África e em outros continentes, o filme dá ao espectador a sensação de “espiar” o comportamento humano. Ao acompanhar o avance de uma embarcação sobre o mar límpido, ele tem tempo de refletir sobre tudo que foi dito pelos personagens. A trilha sonora também é impecável.


Dona Lindalva, uma brasileira feliz

Quatro brasileiros estão entre os 200 entrevistados de HUMAN, mas nenhum deles é tão cativante quanto Lindalva, uma brasileira totalmente anônima que talvez nunca teria voz não fosse a sensibilidade de Yann Arthus-Bertrand e sua equipe.

A simplicidade com que esta senhora sem dentes na boca relata sua gratidão pela vida, pela simplicidade da vida, surpreende tanto quanto sua retórica despida de vaidade. “Eu não sabia nem o que era um A. Agora ela faz faz o ABC e eu leio todinho”, relata sobre seus esforços de alfabetização.


“Aí eu digo: isso é que é, né negrada? Com 55 anos, estou aprendendo a ler!” — Dona Lindalva.


Assista aos 3 volumes de HUMAN

A primeira parte do filme tem duração de 1 hora e 23 minutos e trata de temas como o amor, a condição da mulher no mundo, as relações de trabalho e a pobreza. Veja:

No segundo volume, ‘Human’ retrata as visões e os sentimentos dos entrevistados sobre assuntos como guerra, perdão, homossexualidade, família e vida após a morte. São 1 hora e 26 minutos:

Com 1 hora e 33 minutos de duração, a terceira e última parte do filme é dedicada a reflexões sobre felicidade, educação, deficiências, corrupção e o sentido da vida:

Veja o site oficial do documentário HUMAN aqui.

Gostou deste conteúdo? Então clique no coraçãozinho de “Recommend” aí embaixo. Siga-me aqui no Medium e no Twitter. Curta minha página no Facebook.