Melhor chamar o Batman

Bat-Sinal /Imagem: aminoapps.com

Vou começar esse texto sendo bem sincero provavelmente não estou pronto para falar de política. Porem veja só caro leitor você também não está, somos todos alienados nesse aspecto, sem maturidade suficiente para isso, pois somos todos frutos daquela criação leite com pera, criados dentro de uma certa bolha da verdade absoluta, porem contraditórios ao extremo, somos um pais Laico, porem com morais religiosas.

Somos um pais com venda proibida de armas de fogo, porem que tem um número gigante de mortes a base de armas de fogo.

Somos contrários a corrupção, mas usamos leis de transito apenas como sugestão.

Não somos preconceitos, mas nunca deixamos de aplicar aquela piada que sabemos que é ofensiva, mas é boa demais para ser impedida pelos sentimentos dos outros.

Sim senhores não estamos prontos eu também não, porem o tempo passa e logo mais teremos que fazer uma escolha nas urnas, mas mesmo não sendo bom de política nada me impede de falar da vida e se parecer política para você saiba que foi um simples acidente intencional. Nessa futura corrida presidencial se seu candidato de estimação for meio que identificado no texto abaixo, saiba que é pura coincidência, apenas a arte imitando a vida ou o contrário, quem sabe?

Engana-se quem pensa que vou falar da minha vida, vou falar da vida do Batman, Bruce Wayne de dia, Batman a noite, nosso herói, aquele ser imperfeito, porem incorruptível, rico, porem sofrido como a gente, tão real, que até esquecemos que ele sai à noite de capa, vestido de morcego e só existe nos quadrinhos. Sim nosso herói, nossa única salvação, o nosso benfeitor, o cara que devemos chamar para resolver essa bagunça que o nosso Brasil irreal está, a solução irreal para nossos problemas reais, corrupção, criminalidade, pobreza e tudo que há de ruim.

Oras, mas alguém já parou para pensar se o Batman pediu por isso, acho que não ele não queria ser tido como salvador, em algum momento provavelmente achou até que seria zoado nesse nosso pais que não perdoa nada nem ninguém, por sair à noite com a cortina de casa como capa, descontando suas dores em alguns bandidos desprovidos do pessoal dos direitos humanos, mas não o povo o amou por isso e o elegeu como o messias por isso.

O povo sabe que numa guerra existe o bem e o mal, o certo e o errado, o aliado e o inimigo, mais ainda sabe que bandido bom é bandido morto, apesar do Batman teoricamente não matar nenhum deles, afinal é bem possível sobreviver a uma queda de alguns andares de um prédio. Pouco importa o que leva o bandido a agir como bandido, fatores econômicos, sociais, o Batman não é obrigado a saber disso, terá outros para saber disso por ele, importante é que ele faça os bandidos sofrerem pois isso vai provavelmente inibir o próximo de aparecer e estamos numa Guerra não?

E assim vamos levando nessa dicotomia das coisas, nessa dualidade, em nossa visão limitada ou melhor ainda visão selecionada, dentro da nossa bolha só precisamos enxergar aquilo que nos cabe, empatia é coisa para outro herói, não fomos educados a isso, nem nosso candidato. Porém o problema disso é que nunca enxergamos o todo, estamos sempre muito próximos do elefante, para poder ver ele todo, tudo sempre é pessoal e ofensivo nos falta aquela distância segura para analisar as coisas, não temos paciência em sermos confrontados, assim como nosso herói já saímos jogando mortais Bat-bumerangues nos inimigos.

E nisso nunca enxergamos que nosso herói, nosso ídolo de infância na verdade nunca resolveu nada, pois anos e anos se passaram e ele continua saindo por aí no meio da noite lutando contra o crime vestido de morcego, talvez sua figura soturna não está dando muito resultado ou as bolsadas na cara da sociedade excluída pouco resolveram, afinal os problemas sociais se mantém, pobreza, fome e analfabetismo de todo tipo, social, político, econômico, cultural e etc. As pessoas não estão melhor e sim com a ilusão de se sentirem melhor, pois a noite continua perigosa, mas pelo menos temos o Batman não?

A corrupção da noite se mantém, mas lembrem nosso herói não é apenas o vigilante louvável da noite, tem aquele lado que a gente ignora, pois se identifica pouco, afinal ele não é da nossa liga, mas é o playboy boa pinta, com recursos, uma visão diferenciada, o cara com um plano, de cara limpa, que pode acelerar nossa cidade, nosso estado, cara nosso pais, nosso planeta e porque não futuramente nosso universo, oras! Se tiver uma vaga Bruce Wayne deve concorrer.

Mas o problema é que Bruce sabe que de cara limpa é mais complicado, tem gente para deixar feliz e ser politicamente correto cansa, ter que ajudar a população que mal sabe o que quer e ainda apoiar a galera do partido de acionistas é complicado, por isso ele sempre anda com uma serie de desculpas no bolso, caso um deles se sinta injustiçado por suas ações, sempre pronto a voltar atrás em tornar cinza a cidade e não chegar a lugar nenhum.

Porem o Batman é um cara sozinho, até tem alguns ao lado dele que o ajudam em sua cruzada, mas no geral não consegue apoio da massa, para mostrar que sua luta precisa do empenho dos demais, sem poder político, mesmo sendo respeitado, não consegue fazer as mudanças previstas por ele quando resolveu amarrar a cortina de casa no pescoço e ir à luta. As pessoas fingem que confiam, mas na verdade duvidam do seu potencial.

Esse é o Batman aquele que devíamos chamar para salvar o Brasil, dar fim na corrupção, quantos ele já não mandou para a cadeia, mesmo que não seja um juiz, ele é a punição divina para os anos de sofrimento da sociedade brasileira e depois de anos estagiando ali em Gotham City deve ter mais que capacidade de gerir nosso pais.

Desculpa estragar o sonho, mas infelizmente nem o Batman conseguiria dar um jeito em nosso pais, indiferente do pequeno detalhe dele ser só fictício, a verdade é que quando paramos para analisar nem mesmo nosso herói de infância é perfeito e se nem ele é perfeito o que dizer de meros políticos, que alguns vão se ofender por terem identificado nesse texto, infelizmente temos a tendência de santificar os atos das pessoas, nunca conseguimos assemelhar o fato de seres de luz possuírem trevas dentro deles, que com uma mão dão e com outra pelas costas tirem.

Essa ilusão de que temos de chamar alguém para resolver nossos problemas nada mais é do que um reflexo da época de crianças, sobre a guarda de nossos pais sabíamos que a qualquer momento podíamos gritar por eles e todos os nossos problemas seriam resolvidos, de certa forma eles eram nossos heróis.

Então é fácil hoje transportarmos essas situações para alguns candidatos que prometem exatamente nos salvar dos problemas que vivemos hoje, parece que nesse Brasil todos somos tão órfãos quanto Bruce Wayne. Saiba que não há mal acreditar no Batman escolhido, mas tenha consciência ao ligar o Bat-sinal na urna, pois por mais heroico que ele possa ser ainda é tão humano quanto eu e você embaixo da capa e roupa de morcego.