Mas afinal, o que encontraram em Ceres?

Imagem: NASA

De ontem pra hoje, parte da internet ficou enlouquecida principalmente depois da edição do Jornal Nacional em que os apresentadores afirmaram que ‘evidências de vida foram encontrados no planeta anão Ceres’. Muita gente nem sabia o que era Ceres, que faz parte do hall dos ‘primos pobres’ do Sistema Solar e muita gente agora tá achando que tem um ET do Steven Spilberg por lá.

Ceres é um planeta anão do nosso Sistema Solar localizado no cinturão de asteroides entre a Terra e Marte. Ele foi descoberto em 1801 mas só em 2006 a União Astronômica Internacional (IAU) o colocou como planeta anão, mesma classificação que Plutão recebeu um tempo depois. A diferença entre um planeta e um planeta anão são apenas alguns detalhes que fogem do padrão montado pela IAU para que algo seja considerado um planeta.

A NASA tem uma sonda que observa Ceres desde 2007 chamada Dawn e foi justamente esse equipamento que fez a detecção de moléculas orgânicas por lá.

A presença de pontos brilhantes indica a presença de compostos químicos (Foto: NASA)

Vamos entender tintim por tintim o que diabos foi realmente encontrado que os jornais não falaram

Os cientistas encontraram evidências de material orgânico em Ceres utilizando um espectrômetro de mapeamento visível infravermelho (VIR), ou seja, a detecção foi primária utilizando um equipamento e por isso carece de mais pesquisas. As moléculas encontradas são bastante interessantes para os cientistas por serem componentes necessários para a vida que conhecemos, porém, foram detectadas em poucas quantidades, quantidades essas não suficientes para formar algum ser.

Um composto orgânico é algo, que aqui na Terra, é produzido por seres vivos como glicina, metano etc. Não é difícil encontrar esses materiais no universo a fora uma vez que toda a química que conhecemos é de origem estelar, então, lógico que o que tem por aqui tem em outros locais com toda a certeza. Até mesmo cometas contém vários desses compostos.

Isso não significa que tem algo vivendo em Ceres ou em um cometa. Significa que a ideia que temos da chegada de compostos através de choques com objetos faz bastante sentido. Sem falar que a vida terrestre apenas evolui a partir de condições específicas ambientais, climáticas, atmosféricas e por ai vai. Coisa que, até agora, só encontramos na Terra.

O artigo principal argumenta que tais compostos seriam nativos de Ceres; os carbonatos e argilas identificados fornecem evidências de atividade química e presença de água e calor no planeta. E isso é o que cientistas ponderam uma vez que a sonda Dawn não aterrissou, tocou ou levou algum astronauta a Ceres. As detecções foram feitas através de um espectrômetro utilizando luz infravermelha, ou seja, uma análise indireta.

Os compostos de Ceres estão sinalizados em vermelho (Foto: NASA)

A descoberta é uma luz sobre a origem da água e compostos orgânicos no próprio planeta Terra. Uma vez que Ceres está preso num cinturão de asteroides, ele muito provavelmente já foi bombardeado por objetos carregados de moléculas de água e compostos químicos assim como o nosso planeta.

Como estes compostos deixam assinaturas na luz vermelha, os cientistas acreditam que eles estão presentes nas áreas avermelhadas em vários pontos de Ceres. A próxima parte é estudar Ceres a partir de novas óticas após um período de dois anos de captação de imagens diariamente. Suas câmeras serão recolocadas de forma a captar mais imagens agora utilizando raios solares de forma direta. Isso acontecerá ao final da próxima primavera.

Vamos esperar os próximos capítulos sobre os estudos em Ceres que estão apenas começando. Enquanto isso, aproveitem para refinar melhor tudo o que vocês leem sobre Ciência. Assim como o conhecimento científico liberta a mente pode levar a caminhos não verdadeiros se explicado de qualquer maneira.