No Brasil, o novo já nasce velho

João Amoêdo, pré candidato pelo Partido Novo (Foto: Reprodução/Facebook)

Não é de hoje que venho alertando sobre o saco de loucos em que nos enfiamos depois de 2013, principalmente a partir do golpe (sim foi golpe) parlamentar que afastou da presidência Dilma Rousseff, que, apenas para clarificar, fazia um péssimo governo. Porém, não se afasta um presidente eleito por seu governo ser ruim. Se Dilma tivesse continuado talvez estívessemos aqui neste mesmo espaço a falar as mesmas coisas afinal, não sabe-se daquilo que foi em potencial, apenas do que de concreto sucedeu-se.

Vamos ao ponto:

Passei 10 dias mágicos nas Terras Indígenas do Médio Rio Negro, Amazonas, sem internet nem notícia alguma. Quando volto ao nosso mundinho, me deparo com uma série de pessoas a quem tenho em alta conta numa “onda laranja” exaltando o candidato João Amoêdo. Eu juro, jamais pensei que JA fosse algo de verdade até que me deparei com tal situação. E o que para mim era apenas uma anedota transformou-se em piada sem graça.

Então vamos colocar logo em pratos limpos. JA não tem NADA de novo e representa uma faceta do que há de pior em nossa nação, tal qual JMB e seus asseclas.

Sua formação é brilhante, o típico filho da nossa elite. Fez sucesso meteórico no mercado financeiro e juntou fortuna da ordem de R$ 450.000.000,00 [quatrocentos e cinquenta milhões de reais] aplicada em sua maior parte em títulos do tesouro nacional.

Reside aqui então a primeira contradição. O sujeito é liberal estado mínimo pró mercado mas o seu dinheiro ele não investe na bolsa de valores, apostando no sucesso das empresas brasileiras, ele simplesmente prefere explorar o país em que vive. É lícito, talvez apenas isso.

Para a economia ele é efetivamente um liberal, defende desregulamentação total e privatização irrestrita, até em setores como saúde e educação.

Quando vamos aos costumes nosso liberal tupiniquim surpreende. Contrário ao direito das mulheres, ele é a favor da legislação atual sobre o aborto. Ou seja, não é a favor de que a mulher tenha autonomia para tomar suas decisões. Drogas? Ele se esquiva, fala da maconha apenas e ainda sim de forma evasiva. Ah! Ele também é a favor da revogação do estatuto do desarmamento.

Precisa dizer mais?

Amoedo é um problema político daqueles. Liberal extremo a favor do estado mínimo mas ao mesmo tempo razoavelmente conservador em assuntos de ordem moral, onde quer que o Estado legisle sobre questões individuais e costumes.

JA é a mais completa tradução de uma parte de nossa elite, aquela da educação impecável, sucesso profissional avassalador e um desconhecimento e desprezo profundo pela realidade da maior parte dos brasileiros. Dizem-se conservadores nos costumes porque consideram-se acima dos demais, afinal eles podem viajar para abortar, fumar maconha em Amsterdam, ópio na Tailândia e aproveitar as benesses do que há de melhor e mais bonito do mundo, que para eles, não tem fronteiras. Em sua essência são amorais preocupados apenas com seus iguais.

JA não passa de um JMB milionário, com educação e discurso mais manso e articulado. No fim do dia se igualam e serão irmãos de sangue em um eventual segundo turno contra quem quer que seja.

Mais uma peça triste no quebra-cabeças nefasto que foi colocado diante de nós, o povo brasileiro.

Não caia neste conto chamado partido novo. O laranja pujante esconde uma tinta velha, venenosa e potencialmente violenta. Caminhamos incertos.