O que querem os leitores do Medium?

Insights obtidos publicando aqui na plataforma

Pelo título até parece que eu tenho milhares de leitores aqui. Nada disso, então vamos começar com as vacinas.

Não há nesse texto nenhuma análise científica de dados. Nenhuma pesquisa de recepção (cara, eu odeio esse termo idiota oriundo da Teoria da Informação) estruturada que tenha me feito descobrir o comportamento das pessoas no Medium.

São insights. Poucos.

Meus textos têm tido uma média 440 views se consideradas as últimas dez publicações. Ou seja. Pouca gente me lê, dado o universo de pessoas que trafegam na plataforma. Então não, esse não é um texto sobre como fazer sucesso no Medium. Mas fique tranquilo, não faltam textos nesse sentido por aí.

Dentro do universo dos meus textos, algumas coisas razoavelmente interessantes me chamam a atenção. Primeiro a discrepância entre os números de algumas publicações. Tenho textos de trinta e poucos views até um que chegou a 2,4 mil. Segundo, pela variedade de assuntos abordados. Tenho de tudo um pouco aqui. Política, contos de ficção, algumas divagações baseadas em experiências, e uns dois textos sobre Comunicação, minha área de estudo. Essa variedade dá alguns subsídios. Então vamos às considerações.

Queremos experiências.

O que mais chama a atenção navegando pelo Medium é como o público daqui valoriza experiências. É isso, mesmo. Lembra quando aquele seu tio avô contava histórias e o que ele tinha aprendido nas suas andanças? Então, ele faria sucesso aqui no Medium.

Essa é, acredito, uma das coisas mais legais da plataforma. Aparentemente as pessoas querem aprender umas com as outras, ouvindo suas histórias. Isso vale para tudo que você possa imaginar. Tecnologia, sexo, relacionamentos, games. Sei lá. Se você tem experiências bacanas que te ensinaram alguma coisa, elas serão valorizadas no Medium.

Existem seguidores e seguidores.

O alcance dos textos depende muito de quem os recomenda. Tenho um conto que, sei, foi bem lido pelos meus amigos do Facebook, e atendendo a um apelo meu eles o recomendaram. No entanto, meus amigos de lá não têm muitos seguidores aqui. Enquanto isso, outros textos meus com menos recomendações alcançaram mais views, porque foram recomendados pela galera que circula por aqui e tem vários seguidores. Ainda assim, o Facebook é uma bela ferramenta para chamar leitores.

Títulos. Bons títulos.

Tive um editor no último jornal onde trabalhei que reclamava (com razão) do tamanho dos meus títulos nas reportagens. Aqui no Medium é o contrário. As pessoas gostam de títulos que digam o que é o texto. Como a oferta é grande, o título é uma forma de ter uma base se vale a pena a leitura dentro daquilo que o leitor está procurando naquele momento. Por isso vale escrever um pouquinho mais, para que as pessoas possam se situar.

Concisão não é requisito aqui.

Para quem vem de uma tradição do jornalismo impresso, como eu, concisão é fundamental. Nem sempre a página impressa aceita divagações. Os leitores do Medium, por outro lado, parecem gostar de um certo nível de tergiversação. Obviamente que essa divagação precisa dialogar com o todo, mas o leitor daqui tá afim de caminhar contigo. Aproveite.

Se junte com gente boa.

Fui achado por alguns publicadores de canais aqui no Medium. Se juntar e elas foi muito legal. Tenho alguns textos na Trendr, por exemplo, e eles têm se mostrado um lugar de bons escritores, o que ajuda muito a ter visualizações.

Não tem receita.

Como eu disse lá em cima, tem bastante gente fornecendo receitas de sucesso. Particularmente não escrevo aqui com o objetivo de ter milhares de views, mas ser lido é sempre legal. Algumas dessas dicas, como tamanho de texto e título, podem ajudar. Mas não, não existe uma receita pronta. E é bom que não exista, seria chato demais. O importante é seguir escrevendo. Conte suas histórias, isso é já é um bom começo.