O verdadeiro significado do sexo casual

Vocês já viram Amizade Colorida, filme de Mila Kunis e Justin Timberlake? O filme conta a história de duas pessoas que se conheceram por causa de trabalho, acabam se tornando amigos e num determinado momento resolvem transar casualmente, sem amor ou compromisso. Há um filme com história parecida que surgiu numa mesma época (porém com pior roteiro) chamado Sexo sem compromisso, desta vez com Natalie Portman e Ashton Kutcher. O final dos 2 é o mesmo: Um acaba ficando com medo do amor, se separa, mas ai vê que ama a pessoa que rejeitou, ai volta, e viram um casal incomum com amor livre.

Eu confesso, adoro ver Amizade Colorida mas acho Sexo sem compromisso um saco. E toda vez que eu vejo o primeiro filme vejo como Hollywood influencia a nós, mulheres, até mesmo o tão simples sexo casual. Quer dizer, algo que é para ser simples se torna algo mais complicado que é.

Há um texto da minha musa, Laura Pires, que fala sobre isso. Em como as pessoas afastam as outras neste lance de sexo casual por medo de se apaixonarem, caírem na rotina monogâmica, a ser legal, mais do que já é. É um medo comum, principalmente crescendo numa sociedade onde o amor monogâmico é tudo, que não importa se seu relacionamento, assim como o meu, durou 4 meses ou como o da Angelina Jolie, que durou 14 anos, não deu certo porque acabou. Que o amor é algo ruim, que te destrói por dentro, que você não pode confiar em ninguém. Que se a pessoa tá sendo legal, ela tá querendo fazer amor (que é algo além do sexo) porque tudo gira em torno disso.

Talvez o que eu vá escrever aqui não tem nada de novo, nada que você não saiba, mas sexo casual não precisa terminar em romance. Que nós, mulheres, podemos sim separar as coisas: Transar por “”””necessidade”””” e transar com amor. Podemos ter um pau amigo e um parceiro romântico. Que o senso comum de que mulheres não conseguem ter apenas sexo casual porque logo se apaixonam é uma besteira. Sim, gente, aceitem.

Eu sou canceriana e deste que meu relacionamento acabou em janeiro venho percebido o quão eu sou incompreendida em relação a namoros/ficadas/afins. Quando estou com uma pessoa eu dou abraço, ofereço meus melhores carinhos, durmo agarradinha. Sou fofa, digo que sinto saudade, ouço música e lembro-me da pessoa. E isso não tem nada a ver com paixão. Só tem a ver em como eu gosto da pessoa. Eu não vou morrer por ela, não quero me casar com ela e nem ter filhos. Mas porque ser babaca e entrar no jogo de amor quando posso aproveitar a pessoa por inteira sem que isso seja além do que é?

Estamos acostumados ao tempo inteiro em fugir. Como já comentei aqui, meu último namoro foi uma fugida. Eu já fugi por medo e depois me arrependi. E com lição aprendida digo a vocês que aproveitem a pessoa que estão sem medo de como isso vá soar a ela. Para que dar um beijo bosta só para a pessoa não pensar que você quer namorar ela? Você faz um trabalho meio bunda para seu chefe não achar que tem domínio em você? Acredito que não, certo? Então por que no lance do amor precisa ser assim?

Além do mais, mulher pode sim transar casualmente sem se apaixonar. Eu sou assim, tenho muita amiga que também é. Que transa com cara X porque a piroca dele é doce mas não quer apresenta-lo aos amigos. Que chama cara y para passar uma noite na sua casa porque ele sabe lamber, mas não se imagina num relacionamento sério com ele. Alias, será sexo casual um relacionamento sério? Eu levo a sério o sexo que faço e se for para fazer meio merda, prefiro ficar em casa comendo pão com Nutella.


Quer algum conselho sobre algum assunto que você não conta nem para seu amigo mais próximo? Como diria a titia Tetéia no primário, sua dúvida pode ser a dúvida do outro! Mande um email para beatrizquadros@yahoo.com.br e eu te ajudo.