Os achados humanos de Camila Svenson

Na multidão da metrópole anônima, é corriqueiro nos depararmos com pessoas na rua que prendem a atenção por causa de seus cabelos, roupas e até mesmo olhares. A fotógrafa Camila Svenson não se satisfez com o primeiro (e muitas vezes único) contato visual e há dois anos registra esses desconhecidos tão interessantes em seu projeto fotográfico “Achados Humanos”.

“ — Posso tirar uma foto sua? — Uma foto minha? Mas por quê? — Porque você me interessou.”

A descrição na página oficial de “Achados Humanos” sintetiza todo o ideal do projeto fotográfico mentalizado pela paulista Camila Svenson, de 23 anos. O primeiro contato com os fotografados (sem conhecê-los nem compartilhar de suas histórias) é o objeto de busca das lentes da fotógrafa, que há dois anos perambula a cidade de São Paulo em busca de figuras para compor o seu projeto, e atualmente conta com mais de cem registros.

A busca rendeu fotografias delicadas de pessoas significativas e fortes, que muitas vezes não necessitam de legendas para serem explicadas: somos transportados pela sensibilidade dos modelos em seus trejeitos. Aliás, as legendas são uma delicadeza a parte. Sempre sutis, e carregadas da poesia que faz parte do espírito das fotografias, Camila retrata com destreza as cenas e pessoas do cotidiano urbano antes ou depois do “click” da máquina.

Os retratos do projeto são uma pausa no cotidiano para contemplar estranhos adoráveis e demasiadamente humanos. Confira abaixo alguns dos fotografados:

- Posso tirar uma foto da sua filha? — Pode, mas por que?

- Porque ela tem o maiô mais incrível do mundo.

[Coney Island/2011]

Obviamente eu quis tirar uma foto dele. Tem que ter atitude pra sair de fantasia, quando ainda não é carnaval.

[Minhocão / São Paulo]

Piauí

[São Paulo/2011]

Não pedi para fotografá-lo, mas ele posou mesmo assim.

[São Paulo]

-Posso tirar uma foto sua? — Pode, eu não vou lembrar dela amanhã mesmo.

Coney Island [Agosto/ 2011]

— Para conhecer mais o trabalho de Camila, acesse a Página de Achados Humanos.

Fotos: Reprodução/ Tumblr