Substitua a procrastinação pelo ócio criativo e garanta melhores resultados na vida profissional

Procrastinar é: transferir para outro dia ou deixar para depois; adiar, delongar, postergar, protrair (dicionário online). Mas, convenhamos, todos aqui conhecem o termo.

Trazer o conceito é apenas uma forma de reafirmar a ideia: procrastinar é deixar de fazer algo que deveria ser feito.

Escrevo para empresários, estudantes, professores, cientistas e artistas. Em suma, pessoas das mais diversas áreas, com diferentes formas de observar o mundo. No entanto, falamos a mesma língua quando o assunto é procrastinação.

Outro termo que gostaria de abordar aqui é ‘ócio criativo’. Trata-se de uma revolução na forma de pensar o trabalho, que passa a comportar momentos de lazer e atividades para descanso. Como adverte o autor dessa ideia, Domenico De Masi, o ócio criativo não significa não fazer nada, mas sim trabalho, divertimento e aprendizado.

Procrastinar pode ser a melhor maneira de fazer um trabalho ruim. Quando deixamos algo para depois, seja uma reunião, um projeto ou um trabalho acadêmico, somos forçados a produzir em tempo record algo que deveria ser feito em tempo hábil — aqui está o conceito de urgência.

Mas, ao mesmo tempo, é preciso fazer com que o trabalho se torne um prazer e não uma obrigação.

E isso só é possível quando gostamos do que fazemos. Qual é, então, a diferença fundamental entre procrastinação e ócio criativo? No primeiro caso, deixamos de trabalhar para fazer outra coisa (ler uma página na Wikipédia, sair com a namorada, ver um filme etc). No segundo caso, trabalhamos, sem perder de vista o nosso bem-estar.

A diferença é sutil, mas fundamental para o sucesso. Procrastinadores geralmente não tiram proveito algum das atividades que executam, ao passo que os adeptos do ócio criativo usam o tempo livre para aprimorar suas habilidades, desenvolver projetos paralelos e adquirir conhecimento.

Na procrastinação, as atividades realizadas são completamente alheias ao objetivo original. Quando se trata de ócio criativo, o tempo livre faz parte do trabalho, sendo um de seus elementos. E, justamente por isso, o trabalho se torna mais prazeroso.

Não é preciso muito esforço para concordar que ver vídeos de gatinhos, conversar no WhatsApp, ler páginas e páginas na Wikipédia e ficar o dia inteiro no Facebook não são atividades produtivas.

Assistir palestras, aprender um ofício, novas línguas, conhecer novas pessoas e fortalecer a rede de contatos, por sua vez, são atividades fundamentais para quem deseja chegar mais longe.

Like what you read? Give Valter Junior a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.