Traz um casaco, pois faz frio por aqui

Polarização: concentração de extremos opostos. Lados diferentes. Norte sul. Esquerda e direita.

Photo by Victor Xok on Unsplash

Esta é a definição mais próxima e básica de uma característica muito peculiar da fotografia atual do nosso país. Ainda mais, próximo do período eleitoral. Ou você é isso, ou aquilo. Ou oito, ou oitenta. Ou esquerda, ou direita. Ou Lula, ou Bolsonaro.

Infelizmente, as discussões nunca ficam dentro do campo das ideias. Elas ficam no campo das necessidades de crenças. Parece que todo mundo PRECISA encontrar um Deus na terra. O salvador da pátria. Amigos, lamento. Mas isso não acontecerá. Nem uma coisa, nem outra.

E dificilmente há uma conversa séria — principalmente por aqui, nas mídias sociais — sobre um bem que precisa ser cuidado: o futuro do país. E o principal: o futuro das pessoas. O que há, é a luta por candidatos. Parece que quem postar mais “mitadas”, vence o jogo. Lamento (de novo), mas, adivinhe: isso não acontecerá.

Tanto a direita quanto a esquerda, defendem interesses quase que pessoais nos palanques. A primeira, mais conservadora, da “família”. A segunda, com mais políticas sociais, abraçando “famílias” maiores. E parece que uma ideia nunca poderá se agregar a outra. Parece que tudo tem que ser ou isto, ou aquilo, já diria Cecília Meireles.

Mas, amigos, queiram vocês ou não, a verdade é bem diferente.

O que ninguém enxerga, é que mesmo tendo diferenças enormes entre os dois lados, os dois lados são iguais. Sabe por quê? Porque os dois lados são igualmente gelados. Um, congela empatia. O outro, congela egoísmos. E se você optar por ficar em um destes lados, recomendo levar um casaco, viu? Afinal, dizem que nos polos faz muito frio.