Tudo o que a cultura pop nos ensina sobre o amor é mentira.

Blue Valentine (2010)

Nós crescemos assistindo à comédias românticas impossíveis, ouvindo músicas sobre amores perfeitos e lendo romances que exaltam sacrifícios como provas de amor. Tudo isso, assimilado durante a adolescência como comportamento comum, nos parece caminho inevitável na vida adulta. Neste mundo de fantasia, construído pelo entretenimento, amar envolve muita entrega, renúncia e, principalmente, esperança. Mas chega a ser irônico que a esperança, ao mesmo tempo em que nos serve de motor para continuar, também é o que muitas vezes nos fode.

A nossa mídia romantiza com frequência relacionamentos abusivos, disfarçados de amores ideais, em vez de nos contar a verdade:

Dispostos a seguir em frente, Cindy e Dean tentam superar os problemas, buscando no passado e no presente os motivos que o mantiveram unidos até este momento e os fizeram se apaixonar um pelo outro.

1) Boas relações não devem nos intimidar, insultar ou diminuir.

Brigas violentas não são saudáveis. Não vale continuar num ciclo tóxico infindável apenas pela memória do que vocês viveram no passado, como mostra o filme “Blue Valentine” (2010). E elas provocam buracos irreparáveis em nossos corações.

2) Precisamos de amor, como cantam os Beatles, mas não só isso.

Precisamos também de empatia, gentileza, cuidado, carinho, amizade, suporte e várias outras coisas que nossos parceiros nem sempre poderão nos dar.

3) Almas gêmeas simplesmente não existem.

Somos seres complexos, formados por diferentes gostos e experiências, além de estarmos em constante mudança. Pensar que existe uma única pessoa no mundo que se molda a esse ser múltiplo, não só é crueldade consigo mesmo, como também é injusto com o resto do mundo.

A história de um garoto que acredita que só vai ser feliz quando encontrar o amor da vida dele, e de uma garoto que não acredita no amor.

4) Não é papel de ninguém te salvar, somente seu.

É só você que deve lidar com suas inseguranças e problemas. E quem te trata como um projeto de ilha a ser conquistada, provavelmente te inferioriza e não te considera autossuficiente.

O clássico conto dos Irmãos Grimm conta a história de Rapunzel, uma jovem de cabelos longos e dourados que precisa ser salva da torre em que está aprisionada pelo príncipe encantado.

5) Sacrificar tudo por alguém não é OK.

Planos, sonhos e desejos, todos entram pra lista de coisas a serem leiloadas para manter a relação que você pensava que nunca teria. Parceiros devem nos complementar e vice-versa. Sacrifício não prova amor.

Estes são só alguns dos fatos que deveríamos crescer ouvindo e/ou vendo. Talvez não nos encontraríamos num estado de confusão constante. Enquanto não conseguimos mudar nosso mindset, pelo menos podemos exercitar nossa visão para esses clichês que a sociedade impõe.

Amor é pura construção social.