Vênus de Milo

O que é belo?
E por que não sou?
O que é eterno?
O que já passou?

Ah, Vênus
Bendito seu nascimento
Não importa o clima lá fora
Sempre está frio aqui dentro

Vi os sábios discutindo
O conceito de estética
Não me encaixei em nenhum deles
Sou licença poética

O belo é o útil?
O belo é o que gera catarse?
Eu te olho o tempo todo
Arranquei meu disfarce

Evito o fascínio pela casca
Me encanta o gosto do fruto
Perdoe o mal jeito
Não sou mau, só bruto

Delicada feito o sol
Brilhante como a lua
O cheiro do girassol
Cada poça dessa rua

Beleza se sente
Não se impõe
Estrelas brilhantes
Não se contrapõem

Belo é o que se prova
Belo é o que se vê
Belo é o que se toca
Esqueça o clássico, bela é você