Vem cá, deixa eu te falar: vai dar Bolsonaro

Não, eu não quero isso. Mas vou explicar o que está acontecendo!

Sérgio Lima/Poder360–8.mai.2018

Quem diz isso são os bots, não eu. Sim, as eleições de 2018 estarão mais suscetíveis que nunca à atuação do melhor cabo eleitoral do mundo: não cobra favor pro sobrinho, não pede cargo em troca, não muda de lado.

Os robôs estão tomando nossa vida social e, ao que parece, o jogo político já conhece seu poder de fogo.

O cientista de dados Fabio Malini analisou 5 horas de Bolsonaro na GloboNews e trouxe dados riquíssimos: foram mais de 200 mil tuítes coletados e destes, segundo Malini, cerca de 10 mil eram provenientes de contas em idiomas desconhecidos. Em cima desta análise ele identificou os bots e produziu os gráficos que você acompanha logo abaixo.

Assim como adiantamos que ia dar Trump, quando todo mundo apostava que ia da Hillary, agora é a vez de falar de outro presidenciável.

Está todo mundo se engajando, buscando retomar o controle do reboliço que se tornou esse país e, perdidos neste meio, quem entende de política — em sua maioria — se interessa pouco por votar ou fazer suas campanhas. E é aí que mora o perigo.

Jair Bolsonaro já começou sua movimentação para atrair Donald Trump e se aproximar da Casa Branca, mesmo que ainda com pouco sucesso. Outro movimento realizado foi a tentativa de contratação da Cambridge Analytica que, segundo Último Segundo, achou a sua “imagem ruim”.

Mas os rumores não param por aí. A Cambridge Analytica está com um escritório no Brasil e quer entrar na corrida política do país. Veremos!

Fake News e Bots

Sim, elas já começaram e não são poucas. A internet está lotada delas, inclusive recentemente o Facebook excluiu páginas do MBL e até páginas que faziam menções ao próprio Bolsonaro (a lista completa das páginas removidas está aqui) que, segundo eles, eram ligadas a propagação de Fake News. Tudo resolvido? Não!

Mas esta receita não para por aí. Malini fez uma riquíssima análise da hashtag #BolsonaroNaGloboNews, identificou os bots e apresentou os seguintes gráficos de engajamento no Twitter:

Direita: análise incluindo bots. / Esquerda: análise excluindo os bots.

Pronto, não precisa explicar muito para entender o por que nossa vida está um caos, mas alguns questionamentos surgiram e então Malini continuou com sua investigação, foi mais a fundo e disponibilizou mais dados na thread que segue no tuíte:

A hashtag #BolsonaroNaGloboNews foi comentada por milhares de perfis, mas o que chama muita atenção é que muitos destes não (1) eram brasileiros e (2) nem escreviam na língua portuguesa. Após análise, o cientista ainda trouxe os dados crus da análise a público, isolando todos os perfis daqueles tuítes que tinham linguagem como indefinida, para que a análise pudesse ser real e mostrar o que realmente existia por detrás dessa chuva de apoio ao presidenciável, veja só:

Pois bem, mas somente esta análise de idioma indefinido não bastava para dizer que aqueles que estavam erguendo a hashtag no Twitter eram robôs. Pois bem, ele foi mais a fundo, liberou o conteúdo sobre o que esses perfis publicaram. E é impressionante como a conta do robô — que tuíta de modo automático aquilo que é programado — :

A resposta de Malini para identificar os bots: “Publicaram apenas a hashtag. Para quê? Para elas virarem TTs”. Certo, mas isso ainda pode não ter te convencido que vivemos um período sombrio e que uma parcela engajada da população postual Bolsonaro presidente. Então resolvi trazer para dentro de casa uma receita que aprendi — e até já escrevi sobre — fazendo um paralelo entre a realidade das nossas futuras eleições com a última eleição presidenciável norte americana.

Estou convencido que vai dar #Bolsonaro2018

Pois a história atual já mostrou que a mistura entre bots + fake news é uma fórmula que dá certo. Agora, se acrescentar o ingrediente de uma população exausta politicamente e recorrentemente escolhendo o candidato menos pior, isso é uma receita daquelas.

As eleições americanas foram o palco da corrida para quem assava a primeira receita deste bolo e o pessoal da Globo News falou exatamente sobre isso no documentário especial Fake News — Baseado em Fatos Reais, que já falamos aqui na New Order.

Uma publicação recente aqui na revista — Os 8 motivos pelos quais você não deve votar em Jair Bolsonaro — viralizou no Facebook e a enxurrada de comentários foi assustadora. Sabe porque? Por que assim como nas eleições americanas — onde quem votava em TRUMP militava e era convicto — quem vota em BOLSONARO também milita e é convicto. E claro, os bots, mais uma vez, não ficaram de fora.

Mesmo não gostando da atual situação política e desta corrida de presenciáveis — que iniciou muito lá atrás — tenho que admitir: Bolsonaro faz realmente o que um político tem que fazer. Ele cativa sua massa de votantes, joga o jogo exatamente como aprendeu com os norte americanos e está — mesmo que na minha visão inapto a governar um país — apto para, por votos, chegar lá.

Me assusta dizer o que disse acima e espero, com todas as minhas forças, estar errado. Mas, contra dados, não há argumentos.

A pitada final desta receita é que Bolsonaro e sua trupe aprenderam direitinho como fazer militância com o PT de Lula. Ele bebeu em várias fontes fora, mas também bebeu da fonte política brasileira. Está tudo pronto, é a hora de servir!

Como diz o próprio Malini e finalizando por aqui:

É, agosto não vai ser um mês fácil. Cabe a você dizer se vai debater ou se vai ficar a mercê do que os bots decidem para o futuro do país. Meu medo continua: acho que vai dar Bolsonaro.

Like what you read? Give Cássio Aguiar a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.