Virando o jogo cultural

Atualmente sofremos “ataques” de todos os lados da cultura, esta é maravilha e não seríamos o que somos hoje sem ela. Ela é identidade do cérebro.

Cultura está presente em todos os aspectos de nossa vida como: sociais, organização do tempo e do espaço entre outros.

Ela é totalmente partilhada, não sendo de um indivíduo ou outro é de todos as pessoas, ou seja, sociedade e cultura são inseparáveis. Diz-se que ela é uma segunda natureza para o ser humano.

Porém ser apenas um telespectador do que outros criaram seria no mínimo pouco para nossa estadia na Terra não estaríamos cumprindo nosso papel social.

Sem falar na cultura massificada e inútil que nos aliena e nos tira do real sentido de nossas missões, como diria um amigo meu: “Eles querem que nós não demos o nosso total potencial”. Eu não coloco a culpa exclusivamente “neles”, mas sim em nós também, basta escolhermos o tipo de cultura que iremos consumir.

Quando jovens, somos “aculturados” pelos nossos pais, amigos, mídia, músicas, artistas, cientistas e não há nada de errado nisso, ainda não temos o empoderamento de escolher o que queremos, mas tão logo tomemos consciência, Opa!! Vamos nos ligar, reprodução social é algo sério.

Somos todos no fundo um produto da ação cultural do que nos educaram, ninguém cria nada sozinho, se fores ver, nada é nosso.

Mas o que quero ressaltar neste pequeno texto é que sejamos produtores de cultura e não somente produtos, ou seja, que façamos cultura, nós os homens de bem que queremos o bem da humanidade, criando cultura consciente e não alienante.

Levantemo-nos e por mais pequenos que seja nossa criação, ela é nossa e será de todos em seguida. Invertemos jogo e vamos ser o antônimo de espectador que é palestrante.

Nunca deixaremos de consumir muito mais que produzimos, mas consumindo e criando conhecimento e produtos nossos elevaremos a sociedade a um patamar mais elevado.

Por mais produtores legais de cultura!!!