Zé Paulo, a lesma

“Ana Maria Braga? Onde?” Foto: Pexels

Quase ninguém sabe, mas o fato é que depois que morremos nossa ficha vai para um grande almoxarifado em algum lugar do céu, onde um velhinho, metade Miyagi, metade Yoda, analisa com cuidado cada ponto relevante, e decide, baseado em leis que ele mesmo não faz ideia de quem escreveu, como é que vamos voltar na próxima encarnação.

Isso pode ser um grande negócio para alguns, que vão voltar como o próximo grande milionário, um fardo para outros que, que podem cair no rol dos mendigos, e pode inclusive gerar uma involução, lançando o cabra (perdão ao trocadilho) nas fileiras dos bovinos ou aves.

Cada caso é um caso, e tudo está previsto na tabela divina. Muito ardiloso? Pode voltar como uma cobra. Amoroso demais? Cachorro. Indeciso a vida toda? Zebra. Ambicioso além da conta? Urubu. E tem raros casos onde apesar de voltar como bicho, a pessoa está verdade subindo um grau na escala evolutiva, como voltar golfinho ou panda.

Pois de tanto que o Zé Paulo fez (ou não fez) na vida, que a tabela deu na cabeça: lesma. O velhinho celestial não pôde conter um suspiro de decepção. Mas depois de conferir e reconferir, não tinha dúvida: era lesma mesmo.

Tivesse Zé Paulo levantado uma vez daquele sofá imundo, ele teria chance de pelo menos voltar cágado. Se tivesse pedido o telefone da Alessandra na sétima série, bicho-preguiça. Se tivesse se matriculado na academia, mesmo não indo, já garantiria um retorno como peixe-boi. Mas uma vida inteira vivida sem ânimo, sem vontade, sem iniciativa, e assistindo programa de culinária vespertino porque tinha preguiça de trocar o canal da TV? O dia inteiro jogando videogame e ainda sendo ruim por preguiça de treinar?

Por isso, ninguém estranhou quando, aos 32 anos de idade, ainda morando com a mãe, Zé Paulo pereceu, estático no sofá de chenille da casa, as artérias entupidas da improvável mistura de biscoito Trakinas com Cheetos sabor pizza. Sua mãe só deu por si depois de 4 horas de imobilidade, quando o filho não pediu o Nescau da tarde.

Não havia o que ser feito.

Pois lesma ele voltou.

Os primeiros momentos na vida de um reencarnado como lesma são traumáticos. Porque a alma não se acostumou com o corpo, e ainda lembra da existência anterior. Mas na maioria dos casos, isso dura um instante. Assim que o filhote de cachorro vê uma teta na frente, esquece que foi bancário. No momento em que uma pequena hiena sente o cheiro de carne estragada, deixa pra trás a existência como açougueiro.

Nas lesmas também é assim, mas um vago pensamento dura uma semana. de forma que Zé Paulo ficou 3 dias pensando onde diabos estavam seus braços e pernas, como ele fazia para pedir um Nescau pra mãe, e que canal era aquele que a TV estava. Outros 3 ele ficou pensando se deveria ou não tomar banho. E quando ele finalmente realizou que era uma lesma, esqueceu-se de tudo quando entrava em pânico ao procurar o próprio pinto.

Uma vez reencarnada bicho, a pessoa (?) deve cumprir algum destino misterioso antes de morrer para entrar novamente na lista, e dependendo do nível de sucesso, pleitear uma nova colocação na forma de algum ser mais acima na cadeia alimentar.

No caso das lesmas é particularmente difícil. Uma mosca dura 24 horas, mas muitas vezes esse tempo é suficiente para que ela divida uma lambida numa ferida com uma mosca irmã, e com isso aprenda o valor da solidariedade antes de partir. Um peixe pode ajudar outro peixe a encontrar seu filho, mesmo que não tenha memória de curto prazo (já vi acontecer), e voltar numa matilha de lobos tem o efeito prático de 100 anos de terapia familiar.

Mas no caso das lesmas, que chegam a viver 5 anos, toda a meta de uma vida pode ser a de devorar uma folha de alface. Ou atravessar uma rodovia. Fazer crescer uma nova cauda pra aprender a dar valor pro corpo. E fazer isso sem cruzar com uma pessoa munida de um pote de sal, ou com um piso de cerâmica quente.

Zé Paulo só precisava de andar. Se ele cruzasse o quintal até a horta, ele estaria salvo. Mas o caminho dele passava por uma janela, e lá dentro a TV estava ligada na Ana Maria Braga. Zé Paulo deu uma paradinha pra olhar lá dentro. Fazem três dias.

Pobre Zé Paulo.