Let it go: mostre a sua história para o mundo

Eu já disse algumas vezes que eu aprendo tanto quanto ensino por meio do site e da newsletter.

Sei que parece uma coisa super clichê para se dizer. Algo assim meio autoajuda. Mas a verdade é que o avanço que a gente tem quando divide o conhecimento é realmente muito grande.

Eu recebo comentários e dúvidas, elogios e críticas, agradecimentos e sugestões. E vez por outra eu recebo a oportunidade de ver as coisas por um novo ângulo ou então de fortalecer alguns pensamentos.

E foi o que aconteceu comigo nos últimos dias.

Deixa eu explicar melhor…

Um dos obstáculos que o escritor precisa supera — além daquele mundaréu de dificuldades que você já conhece — é o medo de soltar a sua obra no mundo.

A gente vai lá, escreve, sofre, cria, reescreve e aí, quando o livro finalmente está terminado, a gente trava. Vem aquela sensação de que não ficou tão bom quanto a gente queria, que talvez desse pra fazer melhor… talvez com um pouquinho mais de estudo/técnica/edição/experiência…

E o livro acaba ficando trancado em uma gaveta para sempre.

Já aconteceu com você?

Eu tenho essa sensação sempre. Toda vez que leio algo que escrevi.

Um Sono de Mil Camas: trancado na gaveta por anos!
Um Sono de Mil Camas: trancado na gaveta por anos!

Isso fez com que muitas das minhas histórias ficassem guardadinhas aqui, disponíveis apenas para os olhos de algumas pessoas mais próximas. São livros que escrevi há muitos anos ou então tramas com estilo ou temática consideradas underground demais para ver a luz do dia.

Durante muito tempo eu não soube o que fazer com essas histórias.

Cheguei a pesquisar por aí, conversei com escritores, li livros de autoridades no assunto e a grande maioria deles indicava a publicação, mas com o uso de um pseudônimo.

A principal argumentação era de que obras antigas ou com temas muito polêmicos poderiam prejudicar a minha imagem como um escritor técnico.

Eu quase aceitei o conselho. Eu quase publiquei sob um pseudônimo.

Mas confesso que alguma coisa nessa ideia me incomodava, por isso fui fazer uma outra pesquisinha e me deparei com um fato curioso:

Você já reparou como muitos instrutores de storytelling ou de escrita criativa não possuem livros publicados em seus nomes?

Alguns possuem um único romance, um conto ou algo do tipo, mas são poucos os que realmente dão a cara a tapa?

Por que isso?

Talvez seja para não correr o risco de os leitores encontrarem “falhas” em suas obras. E tudo bem… não estou dizendo que isso seja errado. Só que isso não combina comigo (ei, o meu slogan é “storytelling sem frescura”, afinal de contas).

Então eu pensei, pensei, li alguns dos meus textos antigos e fiquei com vontade de escrever um post sobre essa coisa de finalmente soltar histórias por aí. De deixar a sua criação voar, mesmo que venham críticas em resposta.

Eu também queria pedir que você dividisse alguma história sua com alguém, que você a lançasse no mundo. Que você superasse essa barreira, vencesse o medo da rejeição e simplesmente let it gooooo!!!

Mas é claro que eu seria um hipócrita se eu apenas pedisse pra você fazer isso e não fizesse o mesmo.

Então, ao pensar no que eu dividiria contigo, eu aprendi que o certo para mim seria deixar tudo às claras.

Isso mesmo, graças a essa relação com o público (com você) eu finalmente decidi publicar minhas histórias mais antigas.

É claro que eu olho para elas e vejo uma técnica menos apurada, soluções que eu não usaria hoje e uma escrita não tão encaixada. Mas, quer saber? Eu continuo tendo orgulho dessas histórias. Elas são criativas, diferentes e com mensagens muito legais.

Nano Underground: histórias diferentes virão por aí
Nano Underground: histórias diferentes virão por aí

Eu resolvi aproveitar que o Prêmio Kindle de Literatura (clique aqui para saber mais e participar) está rolando para publicar uma obra que escrevi anos atrás: Um Sono de Mil Camas. Mas a coisa não vai ficar só por aí. Nos próximos meses vou começar a publicar minhas histórias mais underground também — com um devido selo de alerta para o conteúdo mais pesado.

Dessa forma você vai poder ver tudo o que já testei em termos de escrita e storytelling. Você poderá entender que a escrita é um ofício e que a gente segue em uma jornada gradual de melhoria. Talvez você até mesmo decida que prefere as minhas histórias mais antigas!!!!

Pessoalmente acho que sigo melhorando a cada nova prática e a cada novo estudo… o que quer dizer que sempre vou achar o meu livro de amanhã um pouquinho melhor que o meu livro de ontem. Mas essa é a natureza do ofício que escolhemos.

Enfim, tudo isso foi para agradecer pela parceria, para desafiar você a lançar algo ao mundo (nem que seja com pseudônimo, mas lance… ultrapasse essa barreira) e para te convidar a conhecer a minha trajetória de escritor.

Um Sono de Mil Camas já está disponível na Amazon. Eu espero que você o leia, que você curta e que você aprenda algumas coisas com ele. Eu com certeza aprendi :]

Ah… e não deixe de me avisar quando soltar a sua história por aí, ok?

Um abraço e boa escrita.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.